segunda-feira, 20 de maio de 2019

:: Resenha 492 :: “O lado obscuro”, Tarryn Fisher



Sinopse: Considerada a obra mais visceral de Tarryn Fisher, você entenderá porque leitores de vários países o elegeram como um dos livros mais especiais de suas vidas.Quando a escritora Senna Richards acorda na manhã de seu aniversário, ela não está em seu quarto. Raptada e trancada numa casa em meio a uma tempestade de neve, ela precisa decifrar as pistas ligadas ao seu passado para conseguir fugir. Forjada pela dor, moldada pelo abandono, Senna se tornou uma mulher que destrói antes de ser destruída...Apenas uma pessoa conseguiu atravessar suas barreiras e conquistar sua confiança, mas isso aconteceu há muitos anos...“Isaac era um estranho, mas foi capaz de enxergar minhas feridas mais do que qualquer outra pessoa.”O cirurgião Isaac encontrou Senna em um momento de caos e vulnerabilidade, depois de um furacão que lançava cinzas sobre suas feridas. Ele a ajudou quando ninguém mais pôde, mas agora, tudo está diferente. Depois de tanto tempo distantes um do outro, os dois estão presos na mesma cabana, e podem ser consumidos por recordações que esperavam esquecer. Além do perigo que os cerca, a escassez de comida e água, e os jogos perigosos do raptor, um sentimento antigo começa a despertar, ameaçando romper novamente as defesas de Senna, o que pode ser fatal.



Que a Tarryn Fisher não é uma pessoa muito normal, nós já sabemos, não é mesmo? Se você, por algum acaso ainda tem dúvidas, então você precisa ler O lado obscuro, aí sim você vai me entender e vai concordar comigo.

“A vida que você escolhe viver é a essência do que você é.”

quarta-feira, 15 de maio de 2019

:: Resenha 491 :: "Uma Mulher Na Escuridão", Charlie Donlea


Sinopse: Ao limpar o escritório de seu pai, falecido há uma semana, a investigadora forense Rory encontra pistas e documentos ocultados da justiça que a fazem mergulhar num caso sem solução ocorrido 40 anos atrás. 
No verão de 1979, cinco mulheres de Chicago desapareceram. O predador, apelidado de Ladrão, não deixou nenhum corpo ou pista — até que a polícia recebeu um pacote enviado por uma mulher misteriosa chamada Angela Mitchell, cujas habilidades não-ortodoxas de investigação levaram à sua identidade. Mas antes que a polícia pudesse interrogá-la, Angela desapareceu. Agora, Rory descobre que o Ladrão está prestes ser posto em liberdade condicional pelo assassinato de Angela: o único crime pelo qual foi possível prendê-lo. 
Sendo um ex-cliente de seu pai, Rory reluta em representar o assassino, que continua afirmando não ser o assassino de Angela. Agora o acusado deseja que Rory faça o que seu pai prometeu: provar que Angela ainda está viva. 
Enquanto Rory começa a reconstruir os últimos dias de Angela, outro assassino emerge das sombras, replicando o mesmo modus operandi daqueles assassinatos. A cada descoberta, Rory se enreda mais no enigma de Angela Mitchell, e na mente atormentada do Ladrão. Traçar conexões entre passado e presente é a única maneira de colocar um ponto final naquele pesadelo, mas até Rory pode não estar preparada para a verdade…

Duas mulheres de mentes brilhantes e ao mesmo tempo assombradas por esse jeito de pensar único, são os fios condutores do mais recente livro de Charlie Donlea, publicado no Brasil pela nossa parceira, a Faro Editorial. Separadas por 40 anos, Angela e Rory são mulheres diferente e ao mesmo tempo semelhantes, e se você ainda tem alguma dúvida se deve ler esse livro, vem ler a minha resenha que eu te conto um pouco mais sobre Uma Mulher na Escuridão. Mas aqui vai um spoiler do bem: Se você gosta de livro de suspense policial, compre esse livro e leia o quanto antes! Eu te garanto que você não vai se arrepender e digo mais, pode anotar o nome do Donlea na sua lista de autores a seguir, porque ele já está na minha lista de favoritos.

segunda-feira, 13 de maio de 2019

:: Resenha 490 :: “Sexo sem amor?”, Vi Keeland



Sinopse: De Vi Keeland, autora best-seller do The New York Times, mais uma história irreverente, sexy e emocionante que vai aquecer ainda mais os seus desejos…
Hunter e Nat se conheceram em uma festa de casamento – ele entre os convidados do noivo, e ela, da noiva. A atração era intensa e mútua, mas Nat, depois de seu último e desastroso relacionamento, havia prometido não mais se interessar por homens charmosos, convencidos e lindos de morrer.
Até que, certa noite, Hunter aparece na casa da mãe dela durante uma reunião familiar. Ele iria trabalhar durante oito semanas na cidade em que Natalia morava e, então, propôs que passassem esse período transando até não poder mais.
Oito semanas de sexo maravilhoso sem compromisso? O que ela teria a perder?
“Nada”, pensou. “É só sexo, não amor.”
Mas será que isso vai dar certo?





Fala aí, pessoal. Hoje eu vou falar deste livro aí, que ganhei de cortesia da editora Universo dos Livros e simplesmente amei! Saca aquele livro delicinha de ler, que você se apaixona pelo carinha e não quer que o livro acabe? Então, é esse!

“- Quanto mais negamos a verdade, mais poder ela passa a exercer sobre nós.”

segunda-feira, 6 de maio de 2019

:: Resenha 489 :: "A Nuvem", de Neal Shusterman


Sinopse: No segundo volume da série Scythe, a Ceifa está mais corrompida do que nunca, e cabe a Citra e Rowan descobrir como impedir que os ceifadores que não seguem os mandamentos da instituição acabem com o futuro da humanidade. 
Em um mundo perfeito em que a humanidade venceu a morte, tudo é regulado pela incorruptível Nimbo Cúmulo, uma evolução da nuvem de dados. Mas a perfeição não se aplica aos ceifadores, os humanos responsáveis por controlar o crescimento populacional. Quem é morto por eles não pode ser revivido, e seus critérios para matar parecem cada vez mais imorais. Até a chegada do ceifador Lúcifer, que promete eliminar todos os que não seguem os mandamentos da Ceifa. E como a Nimbo Cúmulo não pode interferir nas questões dos ceifadores, resta a ela observar. 
Enquanto isso, Citra e Rowan também estão preocupados com o destino da Ceifa. Um ano depois de terem sido escolhidos como aprendizes, os dois acreditam que podem melhorar a instituição de maneiras diferentes. Citra pretende inspirar jovens ceifadores ao matar com compaixão e piedade, enquanto Rowan assume uma nova identidade e passa a investigar ceifadores corruptos. Mas talvez as mudanças da Ceifa dependam mais da Nimbo Cúmulo do que deles. Será que a nuvem irá quebrar suas regras e intervir, ou apenas verá seu mundo perfeito desmoronar?


Quando eu fiz a resenha de O Ceifador, no final de 2017, minha primeira frase na resenha foi “Que livrão! Vamos logo abrindo os trabalhos falando de forma clara e direta que O Ceifador é um livrão daqueles, livrão da porra, para ser mais exata!” Exagerada, confesso, mas com muita razão porque o livro de Neal Shusterman é espetacular e quando o segundo livro lançou no final de 2018, eu fiquei maluca pra ler a continuação da história de Citra e Rowan.
Pedi o livro no Amigo Secreto (e mantive ele no carrinho de compras só por desencargo) vibrei quando ganhei e agora, em abril, um mês que eu sei que tenho pouco tempo, mas o pouco tempo eu consigo ler muito, peguei esse danado para ler e descobri que errei feio com O Ceifador. Na verdade, na verdade mesmo, se tem um livrão aqui, um livrão daqueles ele se chama A Nuvem!

segunda-feira, 29 de abril de 2019

:: Resenha 488 :: “As mil partes do meu coração”, Colleen Hoover


Sinopse: Autora best-seller do New York Times aborda relacionamentos e transtornos mentais em uma narrativa que discute os limites do que é normal.

Para Merit Voss, a cerca branca ao redor da sua casa é a única coisa normal quando o assunto é sua família, peculiar e cheia de segredos. Eles moram em uma antiga igreja, batizada de Dólar Voss. A mãe, curada de um câncer, mora no porão, e o pai e o restante da família, no andar de cima. Isso inclui sua nova esposa, a ex-enfermeira da ex-mulher, o pequeno Moby, fruto desse relacionamento, o irmão mais velho, Utah, e a gêmea idêntica de Merit, Honor. E, como se a casa não tivesse cheia o bastante, ainda chegam o excêntrico Luck e o misterioso Sagan. Mas Merit sente que é o oposto de todos ali.
Além de colecionar troféus que não ganhou, Merit também coleciona segredos que sua família insiste em manter. E começa a acreditar que não seria uma grande perda se um dia ela desaparecesse. Mas, antes disso, a garota decide que é hora de revelar todas as verdades e obrigá-los a enfim encarar o que aconteceu. 

Mas seu plano não sai como o esperado e ela deve decidir se pode dar uma segunda chance não apenas à sua família, mas também a si mesma. As mil partes do meu coração mostra que nunca é tarde para perdoar e que não existe família perfeita, por mais branca que seja a cerca.

Mais um livro de uma das minhas autoras preferidas, lido com sucesso. O começo foi meio... perturbador, eu diria, mas ok, foi mais uma ótima leitura. Então, vamos falar um pouquinho sobre As mil partes do meu coração.

segunda-feira, 22 de abril de 2019

:: Resenha 487 :: “Cage”, Andy Collins




Sinopse: Cage: substantivo: cela, prisão. 
Verbo: prender, enjaular.
Mentiras são fáceis de se dizer, fluem com naturalidade assim como as ondas. Uma após a outra. Consumindo. Afogando. Até que chega em um ponto que você não consegue mais voltar a superfície. É nesse estágio que me encontro.
Mas não é fácil ignorar o rosto do único homem que eu amei. Mesmo que esse rosto me atormente.
E agora meu castelo de areia será derrubado pelas minhas ondas de mentiras.
Não posso fugir.
Não posso gritar.
Não posso dizer a verdade.
Cage está de volta e meu inferno acaba de ganhar um novo significado.




Depois de finalmente conhecer a escrita da autora Andy Collins em Hunter, me aventurei, e porque não dizer, me choquei, lendo Cage. Leia a resenha que você vai entender.

segunda-feira, 15 de abril de 2019

:: Resenha 486 :: “Para Sir Phillip, com amor”, Julia Quinn


Sinopse: Eloise Bridgerton é uma jovem simpática e extrovertida, cuja forma preferida de comunicação sempre foram as cartas, nas quais sua personalidade se torna ainda mais cativante. Quando uma prima distante morre, ela decide escrever para o viúvo e oferecer as condolências. 
Ao ser surpreendido por um gesto tão amável vindo de uma desconhecida, Sir Phillip resolve retribuir a atenção e responder. Assim, os dois começam uma instigante troca de correspondências. Ele logo descobre que Eloise, além de uma solteirona que nunca encontrou o par perfeito, é uma confidente de rara inteligência. E ela fica sabendo que Sir Phillip é um cavalheiro honrado que quer encontrar uma esposa para ajudá-lo na criação de seus dois filhos órfãos. 
Após alguns meses, uma das cartas traz uma proposta peculiar: o que Eloise acharia de passar uma temporada com Sir Phillip para os dois se conhecerem melhor e, caso se deem bem, pensarem em se casar? 
Ela aceita o convite, mas em pouco tempo eles se dão conta de que, ao vivo, não são bem como imaginaram. Ela é voluntariosa e não para de falar, e ele é temperamental e rude, com um comportamento bem diferente dos homens da alta sociedade londrina. Apesar disso, nos raros momentos em que Eloise fecha a boca, Phillip só pensa em beijá-la. E cada vez que ele sorri, o resto do mundo desaparece e ela só quer se jogar em seus braços. 
Agora os dois precisam descobrir se, mesmo com todas as suas imperfeições, foram feitos um para o outro. 

Bom, depois de tanta sofrência, eu merecia uma leitura leve e cheia de suspiros, por isso peguei Julinha e seus maravilhosos Bridgertons. Juntei assim, a necessidade de algo para me confortar, com a necessidade de dar andamento a série que eu desejo concluir esse ano, se Deus quiser.

quarta-feira, 10 de abril de 2019

:: Resenha 485 :: "Mr. Romance", Leisa Rayven


Sinopse: Max Riley pode fazer com que as fantasias mais incríveis ganhem vida: sob o alter-ego de Mr. Romance, ele pode ser um bilionário dominador, um bad boy inocente, um geek sexy ou qualquer outro homem que satisfaça os desejos das mulheres solitárias da alta sociedade de Nova York. No entanto, nada disso envolve sexo: são apenas encontros inesquecíveis. Intrigada com a lenda urbana de Mr. Romance, a jornalista Eden Tate está determinada a publicar uma matéria revelando sua identidade e suas artimanhas. Desesperado para proteger seu anonimato, Max desafia Eden a ter com ele três encontros: se ela não se apaixonar por ele, poderá publicar a matéria. Caso contrário, deverá esquecer a história. Eden não tem dúvidas de que conseguirá resistir a todos os falsos personagens de Mr. Romance, mas será que é seguro entrar no jogo do maior mentiroso de todos? 

Acredito que todo mundo tenha aquela série ou aquele autor que é muito bem recomendado pelos amigos, que você fica doido para ler, mas por razões diversas acaba deixando o livro rolar na estante (ou na coleção do Kindle). Pois é, um dos meus inúmeros casos desse tipo atende pelo nome Leisa Rayven, muito recomendada por amigos. Vi a autora vir na Bienal do Rio de 2017 e naquela época já tinha os livros da série Meu Romeu, por isso acabei não acompanhando a presença dela no Brasil. Faltava ler, coisa fundamental, até então nem sabia se gostaria da escrita dela, estava comprando confiança e já vou te dizer: como estou arrependida de não ter lido antes! Mr. Romance, meu primeiro contato com essa autora e sua escrita deliciosa será o primeiro de muitos livros dela que vou ler, pode me cobrar, já virei fã da Leisa!

segunda-feira, 8 de abril de 2019

:: Resenha 484 :: “Mil beijos de garoto”, Tillie Cole





Sinopse: Um beijo dura um instante. Mas mil beijos podem durar uma vida inteira. Um garoto. Uma garota. Um vínculo que é definido num momento e se prolonga por uma década. Um vínculo que nem o tempo nem a distância podem romper. Um vínculo que vai durar para sempre. Ao menos era o que eles imaginavam. Quando, aos dezessete anos, Rune Kristiansen retorna da Noruega para o lugar onde passou a infância – a cidade americana de Blossom Grove, na Geórgia –, ele só tem uma coisa em mente: reencontrar Poppy Litchfield, a garota que era sua cara-metade e que tinha prometido esperar fielmente por seu retorno. E ele quer descobrir por que, nos dois anos em que esteve fora, ela o deletou de sua vida sem dar nenhuma explicação.






Meu. Deus. Do. Céu. Que livro é esseeeeeeeee??? Sim, eu sei que estou atrasada no rolê, eu seeeeiii! Se você leu minha última resenha, você viu que eu fui coagida pela Anastacia do blog Notas Literárias, a ler dois livros incríveis o quanto antes, ou nossa amizade estaria abaladíssima! Foi por isso que nos últimos dias eu quase morri desidratada, porque é emoção demais para um pobre coração, ler Na Ilha e logo depois, Mil Beijos de Garoto.

quarta-feira, 3 de abril de 2019

:: Resenha 483 :: “Na Ilha”, Tracey Garvis Grace


Sinopse: Anna Emerson é uma professora de inglês de 30 anos desesperada por aventura. Cansada do inverno rigoroso de Chicago e de seu relacionamento que não evolui, ela agarra a oportunidade de passar o verão em uma ilha tropical dando aulas particulares para um adolescente. T.J. Callahan não quer ir a lugar algum. Aos 16 anos e com um câncer em remissão, tudo o que ele quer é uma vida normal de novo. Mas seus pais insistem em que ele passe o verão nas Maldivas colocando em dia as aulas que perdeu na escola. Anna e T.J. embarcam rumo à casa de veraneio dos Callahan e, enquanto sobrevoam as 1.200 ilhas das Maldivas, o impensável acontece. O avião cai nas águas infestadas de tubarão do arquipélago. Eles conseguem chegar a uma praia, mas logo descobrem que estão presos em uma ilha desabitada. De início, tudo o que importa é sobreviver. Mas, à medida que os dias se tornam semanas, e então meses, Anna começa a se perguntar se seu maior desafio não será ter de conviver com um garoto que aos poucos torna-se homem.

Fala aí, pessoal. Tudo tranquilo?
Vou começar a resenha de hoje com uma pergunta importante: Vocês também têm amigas(os) que fazem bullying com vocês do tipo “Não acreditoooo que você ainda não leu esse livro!!!!!”? Se vocês não tiverem, fiquem sabendo que é o que eu mais tenho nessa vida e vivo sofrendo por conta disso. Na última sessão de maus tratos, a dona Anastacia Cabo, do blog Notas Literárias, me obrigou (sim, ela praticamente me coagiu!) a ler dois livros em sequência que eu quase morri! O primeiro é este aí, da resenha de hoje, e o outro vocês vão descobrir na minha próxima resenha. E aí vocês vão ver como as minhas amigas são cruéis.