Pular para o conteúdo principal

:: Resenha 16 :: O Julgamento de Gabriel, Sylvain Reynard


Sinopse: Gabriel Emerson e Julia Mitchell se conheceram há muito tempo, quando ela ainda era adolescente, numa noite mágica e confusa. Mas, apesar de todo o sentimento que nasceu entre eles, no dia seguinte seus caminhos se separaram.Anos depois eles se reencontraram quando Julia começou o mestrado na Universidade de Toronto. Gabriel era um professor enigmático, sedutor e muito arrogante que a atormentava e perseguia. No entanto, o que mais fazia Julia sofrer era ele não se lembrar dela.

Mas nem mesmo o insensível Gabriel é capaz de resistir à profunda conexão que existe entre eles e logo os dois embarcam numa tórrida paixão proibida. Com o fim do semestre e do curso ministrado por Gabriel, eles deixam de ser professor e aluna e enfim estão livres para viver seu amor. Ou pelo menos era o que pensavam.

Após uma viagem romântica para a Itália, durante a qual Gabriel ensina a Julia todos os mistérios do prazer e, em troca, aprende com ela o significado do amor verdadeiro, os dois veem seus sonhos ameaçados.

Duas denúncias junto ao Comitê Disciplinar da Universidade põem em risco o emprego de Gabriel e a carreira brilhante e promissora de Julia. Será que o professor vai ceder às ameaças ou irá lutar até o fim por sua amada? Será que essa paixão conseguirá resistir a um julgamento implacável?

Na apaixonante sequência de O inferno de Gabriel, Sylvain Reynard constrói uma bela história de amor, da qual os leitores jamais se esquecerão.


Eu demorei a escrever essa resenha, na verdade eu acho que é uma das mais difíceis que eu já fiz. Julgamento já teve um pequeno azar no começo, pois quando eu ia começar a leitura, chega A morte de Sarai e foi impossível não adiar um para começar o outro. Ok, não estou comparando, mas eu já disse que a série da Redmerski é a minha segunda série favorita, só perdendo para IAN (por motivos afetivos) e no fim, Gabriel teve que esperar um pouco para Victor e Sarai se reentrarem na minha vida!


Passado esse momento, eu sou obrigada a confessar que passei por um período de DPL - Depressão pós livro. Quem já leu Sarai sabe a razão, então levei mais uns dois ou três dias para voltar a ler.
DPL e trabalho, enfim... quando superei, peguei Julgamento para ler. E esse livro não é fácil de ler!
Eu vou tentar não dar spoilers durante a resenha, como sempre, mas esse livro é uma montanha russa emocional. Ainda temos todos os elementos que fazem os livros de Sylvain (eu nunca sei se escrevo da ou do Sylvain!): temos o romance, a arte, os momentos onde somos praticamente obrigados a confrontar a nós mesmo, e claro, temos a delicadeza. E isso é maravilhoso!

"Todos querem saber e onde vem o mal e por que o mundo está cheio dele. Por que ninguém se pergunta de onde vem o bem? Os seres humanos possuem uma incrível capacidade para a crueldade. Por que a bondade não existe? Por que pessoas como Grace e Richard são tão boas? Porque existe um Deus, e ele não permitiu que a Terra fosse inteiramente corrompida."

Mas temos também momentos agonizantes. Todo o julgamento que eles enfrentam por terem se envolvidos quando eram professor e aluna, é de ler com o coração na mão. Eu sofria a cada linha, eu me sentia desolada como Julia, angustiada, implorando por alguma solução. E é aqui que faço um aparte para demostrar toda a minha admiração pelo Sylvain. Todos sabem que essa trilogia, assim como Cinquenta tons, surgiu inspirada em Crepúsculo. E quando eu li Crepúsculo pela primeira vez (está na minha lista de segunda tentativa) eu não gostei, justamente na parte que seria algo equivalente ao momento de Julia e Gabriel, e eu fiquei com medo de não gostar desse momento. Ledo engano! Apesar da angustia, foi lindo ver a Julia se refazendo, crescendo, e os momentos do Gabriel eram de partir o coração. 

"Graças a um estranho golpe do destino, Gabriel agora sabia o que era estar exilado de seu trabalho, da sua cidade, e do seu lar, pois era isso que os braços de Julianne sempre seriam para ele."

Eu tenho que falar de dois personagens que se destacam muito nesse livro, um positivamente e outro negativamente: Paul e Christa. O melhor amigo da Julia, faz honra ao seu sobrenome (Vírgilio), sendo um verdadeiro guia durante o momento onde ela está de certa forma no Inferno, agora Christa... se eu fosse capaz de matar uma personagem, Christa estaria na lista! Mulherzinha nojenta! Vaca! -_-

Voltando a partes mais agradáveis que essa pu*a... Qual é a melhor parte desses momentos de tensão que enfrentamos em Julgamento? Quando tudo fica melhor! E eles valem a pena, Julgamento de Gabriel vale a pena! Lindo, perfeito, delicado, terno, como não amar esse livro? Como não amar Gabriel Emerson? Demorei a ler, mas terminei com lágrimas nos olhos e um leve sentimento de saudade por saber que só falta Redenção, e eu definitivamente vou sentir falta deles quando essa trilogia acabar.

"Eu respiro você - sussurrou ele. - Você é tudo. Você é o meu ar."


Título: O Julgamento de Gabriel
Série: Gabriel's Inferno #2
Autor: Sylvain Reynard 
ISBN: 9788580411850
Ano: 2013
Páginas: 384
Editora: Arqueiro
Compre aqui: Amazon
Classificação: 

Comentários

  1. Amei essa trilogia, ela me envolveu do início ao fim, eu queria saber o que iria acontecer...cheguei a ler um dos livros em 2 noites!!!, já que durante o dia tenho que cuidar dos meia filhos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

:: Resenha 181 :: "After 5 - Depois da Promessa", Anna Todd

Sinopse: Bem quando Hardin acreditava já ter enfrentado todos os fantasmas de seu passado, um terrível segredo sobre seus pais é revelado, despertando os seus piores demônios internos. Tessa sabe que só ela tem o poder de aliviar todos os sentimentos de raiva, traição e confusão que afligem seu amado badboy. Só ela sabe como salvá-lo de seu ciclo autodestrutivo. Mas dessa vez ela não pode. Porque, quando menos espera, sua vida é para sempre alterada por uma tragédia. Hardin e Tessa prometem lutar com todas as suas forças para que o destino não os separe para sempre. Mas o que acontecerá quando suas forças chegarem ao fim? Depois da promessa... qual será o desfecho dessa história? G ente... *pausa dramática*... Eu sobrevivi à série After ... "É isso aí, garota!!!" (Crika e Mari, do Grupo de Apoio After, representadas pelas lindas Meryl Streep e J.Lo)

:: Resenha 153 :: “After 3 – Depois do Desencontro”, Anna Todd

O k, vai ter spoiler sim e se reclamar vai ter mais! Brincadeeeeeeiraa!!! =P É que assim, vamos combinar? Resenha do terceiro livro onde acontece coisa pra diabo, não tem como, vai rolar uns spoilerszinhos de leve, então fique avisado, certo? Se quiser seguir, siga, se não quiser, comenta assim mesmo hahahaha. Bom, parece que todo livro dessa mulher termina com uma bomba. O segundo terminou com a Tessa guardando um segredinho básico do Hardin, lembra que eu até comentei na resenha ? Então, além disso, terminou com ela dando de cara com o pai e é assim que este terceiro livro começa. Confesso que antes de começar, ao ler a contracapa que diz... Sinopse: Tessa passa pelo momento mais difícil de sua vida. Enquanto luta para crescer na carreira com a qual sempre sonhou, seu mundo é virado de ponta-cabeça: a inesperada aparição de seu pai e uma traição imperdoável a deixam mais fragilizada do que nunca. Hardin — com seus beijos viciantes, seu toque incendiário e seu ch

:: Resenha 168 :: “After 4 – Depois da esperança”, Anna Todd

Sinopse: Depois de tantos obstáculos, Tessa e Hardin estão, enfim, mais maduros como casal. As dificuldades causadas pelo gênio forte dele e pela impulsividade dela ainda existem, mas eles já não conseguem negar o amor que sentem um pelo outro. Mesmo morando em cidades diferentes, estão mais apaixonados do que nunca. Se a química entre os dois já era explosiva antes, agora que eles se entregaram de vez a essa paixão, cada encontro será mais ardente do que o anterior. Mas uma cruel reviravolta do destino trará à tona todos os fantasmas do passado de Hardin. Depois da esperança, haverá forças para enfrentar mais dificuldades? Q uem acompanha as minhas resenhas de After, sabe que eu sofro lendo esses livros, sabe que surto querendo jogar ele na parede ou que eu morro de vontade de entrar no livro pra socar o Hardin. Nesse quarto livro, por incrível que pareça isso foi bem sutil, não que eu não tenha sentido vontade, mas foi bem mais tranquilo e eu confesso, no final eu cheguei