Resenhas

quarta-feira, 17 de junho de 2015

TAG #04 . Liebster Award

Aleluia, irmãos!!!!! Finalmente essa TAG saiu!! Hahaha!!!! 

Pra vocês terem uma ideia, no dia 21 de abril, de ABRIL, as nossas amigas e parceiras do Conchego das letras responderam essa TAG, nos marcaram e só HOJE estamos postando. Isso porque eu falei que as quatro iam responder, mas sabe como é a vida, né? Estudos, trabalhos, família, enfim, vida! rsrs Tudo isso foi atrasando a coisa, mas tudo bem, antes tarde do que nunca. =D


Vamos lá? Confere aí que ficou bem bacana e vocês vão poder conhecer um pouquinho mais sobre cada uma de nós! ;)


Regras:

  • Escrever 11 fatos sobre você.
  • Responder as perguntas de quem te indicou a TAG.
  • Indicar de 11 a 20 blogs.
  • Fazer 11 perguntas pra quem você indicar.
  • Inserir no post uma imagem com o selo Liebster Award.
  • Linkar de volta quem te indicou.


11 fatos sobre você


Bia:
  1. Tenho pavor de altura, insetos (principalmente os que voam) e filme de terror.
  2. Assim como amo ler, amo ouvir música e comer.
  3. Apesar do romance sempre ganhar, leio de tudo. Menos terror, óbvio.
  4. Rio de tudo, adoro falar besteiras e vejo maldade em tudo.
  5. Sou muito ligada à minha família.
  6. Odeio malhar.
  7. Não consigo ler nem escrever com gente falando por perto.
  8. Do mesmo jeito que rio de tudo, choro por qualquer coisa também.
  9. Apesar de ser desorganizada, tenho alguns TOCs.
  10. Não gosto de dias nublados.
  11. Sou muito indecisa, muito!

Talita:
  1. Adoro assistir The Walking Dead e viciei meu pai na série só para conseguir ver! 
  2. Odeio falar de mim mesma! 
  3. Odeio gatos e amo cachorros! 
  4. Tenho problemas em acentuar o “e” 
  5. Não sou normal... 
  6. Sou teimosa e meio infantil. Uma combinação péssima. 
  7. Apesar de amar romances, adoro um triller policial cheio de suspense e mistério; 
  8. Eu não sei escolher, eu sou do tipo que até para comprar roupa precisa de uma opinião externa; 
  9. É Deus no céu e família na terra, ponto! 
  10. Quero MUITO uma tatuagem, mas não decidi o lugar, o desenho, as cores... indecisa gente! 
  11. Eu odeio feijão e sou anêmica por isso, mas continuo sem comer feijão eca! 

Graziela
  1. Sou eclética em relação a gênero de leitura, música, filmes, séries...
  2. Sou muito criativa, minha mente viaja de uma maneira inexplicável, sem fronteiras.
  3. Leio muito rápido, principalmente quando curto desde começo o livro. 
  4. Sou muito fã de Breaking Bad e Sons of Anarchy, Corey Taylor e Matt Shadow.
  5. Sou explosiva e direta demais, quando acontece eu falo o que penso. Tento me controlar, mas é bastante difícil.
  6. Quando gosto de algo (tipo roupa ou sapato) uso até acabar, não ligo se estou repetindo as peças que gosto. Ligo o foda-se e uso mesmo assim. 
  7. Não gosto quando fico obsessiva com alguma música, série ou livro que gostei muito.  É terrível, fico presa procurando qualquer novidade sobre aquilo e quando é música então, fico escutando ela milhares de vezes.  
  8. Apesar de fazer amizades com facilidade e ser bem comunicativa, eu sou bem fechada quando se trata sobre mim. Poucas pessoas sabem a real sobre como eu sou ou sobre a minha vida. Dou bastante risada quando algumas pessoas criam conclusões, baseadas naquilo que acham que sabem hahahaha.
  9. Sou bem intensa em tudo que faço.
  10. Quando gosto de algum livro, eu praticamente dissolvo o cérebro da pessoa, dizendo que ela tem que ler. E essa pessoa é a Bia.
  11. Odeio pão de queijo!!!
Emanuella
  1. Pode-se dizer que sou uma máquina de ler livros e coletar informações; muito rápido. Por vezes me perco tanto em leituras, que esqueço do mundo ao meu redor.
  2. Caso esteja lendo, escrevendo ou estudando, sou capaz de não ouvir nada ao meu redor, mesmo que esteja no meio de um tiroteio.
  3. Tenho um problema muito sério com construções de texto e erros de português: quanto mais corretamente escrito, melhor. Na verdade, sou assim desde criança; sempre escrevi e falei de maneira mais formal, da mesma forma que a minha mãe. De alguém tinha de ter vindo isso...
  4. Escrever e inventar são coisas que fazem parte de mim desde sempre. A criatividade, aparentemente, não tem limites; sou capaz de escrever textos e mais textos em espaços muito curtos de tempo, algo que faço com afinco há quinze anos.
  5. Explico tudo detalhadamente. É um problema, devo dizer; nem todas as pessoas têm paciência de ouvir uma criatura que precisa explicar as coisas e parece um “Sheldon”. Eu não sou prolixa, não sou enroladora, apenas preciso explicar tudo!
  6. Tenho uma atração e curiosidade fora do comum por tudo o que me dá medo, independente do que for. Talvez seja a questão de testar os limites ou ter certeza de que sou afetada por aquilo... Um pouco ridículo, quem sabe, mas é inerente ao ser humano: tentar se superar.
  7. Sou extremamente crítica e incapaz de dar um tempo a minha própria pessoa. Sou a definição de workaholic e “está tudo errado e precisa melhorar”.
  8. A minha fome não tem nem tamanho; sou capaz de comer como um homem de cem quilos, mas é só a ansiedade bater, que paro de comer completamente.
  9. Já fui extremamente sociável; hoje sou extremamente distante e fechada.
  10. Tenho TOC sério de limpeza e organização. Sim... é sério. Muito sério. Sério mesmo...
  11. Existem duas coisas que compõem a minha existência: a minha profissão e a minha família. Sem essa última, a minha profissão jamais existiria, de forma que, acima de qualquer coisa, o amor da minha vida sempre será a minha família; é uma ligação que não é sobreposta por nada.


Perguntas feitas pelo Conchego das letras:


O que mudou na sua vida desde o surgimento do blog?

Bia: 
Agora eu tenho um tempo dedicado ao blog, desde que me animei a escrever a Retrospectiva literária no final do ano passado e decidi que faria uma resenha dos livros que eu fosse lendo esse ano. E como falar de livro é bom, outros posts foram surgindo, sempre pinta uma ideia pra uma coluna nova e é gostoso escrever e ver os comentários do pessoal, e ver que estão curtindo.

Talita: 
Porran... cabeluda para começar! Como eu disse eu odeio falar de mim, mas enfim, eu acho que o que mais mudou foi que eu me reaproximei de pessoas que estava afastada por bobeiras minhas, não vou entrar no mérito, não foi intencional, mas acho que foi a melhor coisa que aconteceu e o que mais me animou em tudo isso. E eu descobri que adoro falar de livros!

Graziela: 
No meu caso foi escrever. Mesmo com o tempo apertado eu amo demais fazer as resenhas. Como sou muito eclética quanto a gêneros eu fico empolgada para expressar sobre os diversos livros que leio.

Emanuella: 
É algo mais para me permitir escrever. O tempo é curto, mas me foi dado um espaço particular para que pudesse criar do meu jeito, independente do que fosse, e isso me dá uma liberdade que poucas situações dão. Não é algo imposto, mas, sim, uma maneira de me divertir e permitir que os outros se divirtam da mesma forma. Fato que o tempo não é muito gentil comigo, mas, quando tenho, é sempre agradável saber que alguém gosta do que você escreve. Não foi sempre que me permiti apreciar por outras pessoas.

Porque resolveu criar um blog?

Bia: 
Talita resolveu criar o blog e na época eu não via necessidade, achava que o grupo e a página no facebook bastava, mas como falei na pergunta anterior, no final do ano eu me animei e estamos aí com o blog.

Talita: 
Pergunta cavernosa dois! O Grupo já existia há muito tempo, e então eu fiz a página e comecei a ver coisas de html, que é um desejo antigo meu de aprender. Daí fiz o blog para segurar o endereço na plataforma Blogger e brincar um pouco com o HTML, mas postava bem pouco, guardava as resenhas para mim, com vergonha, foi só quando a Bia começou a se envolver que fui mostrando algo e ele foi crescendo. Por outro lado, eu sabia que o Viciados tinha muito potencial e era composto por pessoas muito queridas, seja no grupo ou no grupo do Whatsapp e que o blog seria o próximo passo, o caminho a seguir. Eu espero que esse passo nos leve ao infinito e além (Go Buzz!).

Se pudesse viver em um livro, qual seria e por quê?

Bia: 
Eu não falei que era indecisa? Eu nunca sei responder essa pergunta, mas ta... hum... gostaria de viver no complexo da Irmandade da Adaga Negra.

Talita: 
Eu queria ser um Bastardo do bando do Xcor e sair por Caldwell matando os redutores! Eu não sou normal #Fato

Graziela: 
Nossa essa é difícil, porra tem vários. Mas já que é para escolher um, vou então com os livros de Cassandra Clare.

Emanuella: 
Apesar de pouco complexo, acho muito divertido o meio da Irmandade da Adaga Negra. Eu sou pouco ligada a enredos simples, mas realmente me parece bastante cômico e o tipo de coisa que poderia fazer diferença e me fazer rir um pouco mais. É apenas uma questão de diversão mesmo e acho que isso poderia vir com facilidade.

De qual livro você mudaria o final e por quê?

Bia: 
Apesar do livro ser lindo e perfeito do jeito que é, eu mudaria o final de Como eu era antes de você.

Talita: 
Cabulosa 3! Posso escolher nenhum? Eu vivo sob a máxima “confie no autor”, basicamente se um autor acha melhor matar X, eu vou sofrer, mas vou confiar nele que é para o melhor, então eu não vejo nenhum final que eu mudaria. 

Graziela: 
Todo dia do David Levithan, amo esse livro. Não vou falar o motivo porque não quero soltar algum spoiler. Curti muito ele, mas mudaria apenas uma única coisa.

Emanuella: 
“Cântico de Sangue”, Anne Rice. Acho que ela se perdeu completamente no que dizia respeito aos vampiros e às bruxas, embolando e terminando da pior maneira possível. Fiquei muito desconfortável com aquele final. Não foi algo surpreendente como ela sempre teve o costume de fazer, mas, sim, algo fora do padrão dela, como se estivesse jogando qualquer coisa para dar um fim a tudo.

Indique um autor(a) que você acha que todos deveriam conhecer e explique o porquê de sua escolha.

Bia: 
A indecisão tomou conta aqui, mas escolho Nicholas Sparks. Muita gente não lê porque acha muito meloso, muito clichê, mas o cara é bom no que faz e escreve as coisas mais lindas.

Talita: 
J. R. Ward. Existe, infelizmente muito mimimi literário, que para mim se chama de preconceito. Ward escreve romance hot paranormal e muita gente torce o nariz para o gênero, chama de fantasia, de besteira. Relato, já ouvi de uma colega de trabalho, professora de literatura que ela não lê os romances de hoje em dia porque eles não “ensinam nada” então eu quero que todos leiam a Ward e vão aprender a SONHAR! Sonhar que é um vampiro, que vai ser a Shellan de alguém, sonhar não custa nada, faz bem, tira o estresse, diverte!

Graziela: 
Eu vou de Colleen Hoover e Amy Harmon, quem nunca leu nada delas, deveriam dar uma chance. Elas são fantásticas e considero a escrita delas intensamente cativante.

Emanuella: 
Audrey Niffenegger. Pode-se dizer que é uma das minhas escritoras favoritas. Apesar de não ter sido a primeira ou a mais exuberante, ela é o tipo de escritora que consegue passar com perfeição a personalidade dos personagens da maneira mais simples possível. É difícil ver uma escrita tão fluída e, ao mesmo tempo, tão rica e simples. Personagens tão absurdamente paradoxais são explicados por ela da maneira mais fácil, como se descrevesse uma receita de bolo. Você se sente, você vive cada personagem e cada traço superficial e profundo de cada um. Definitivamente é uma leitura que se pode perder o fôlego e jamais se cansa de ler, independente do final.

Qual seu gênero literário preferido?

Bia: 
Romance.

Talita: 
Romance, baby!

Graziela: 
Não tenho um gênero preferido,  pois como falei antes sou muito eclética. A história me prendeu, eu tô dentro. Não importa o gênero.

Emanuella: 
Sou bastante eclética nesse sentido, então, não saberia dar um gênero com precisão; sei, apenas, que policial não é exatamente o meu favorito.

Qual livro te fez derramar mais lágrimas ou te deixou com a ressaca literária mais longa?

Bia: 
Impossível para mim, uma chorona de carteirinha que chora com todos, TODOS os livros, escolher um só. Mas os que eu mais chorei foram: Diário de uma paixão, O melhor de mim e Uma longa jornada (Nicholas Spraks), Amante Desperto e Amante Renascido (JR Ward), Louco por você (Jasinda Wilder), Perdida (Carina Rissi), Como eu era antes de você (Jojo Moyes). Quanto a ressaca literária mais longa, foi depois de ler a trilogia O Inferno de Gabriel.

Talita: 
Eu não sou chorona, de verdade. Tenho trauma com isso, mas Louco por você, da Jasinda Wilder, Paixão sem Limites da Abby Glines e Ugly Love que li em inglês em dezembro passado, da Colleen Hoover, me levaram ao limite do choro. Redenção de Gabriel do Sylvain Reynard e a Morte de Sarai me deram ressacas literárias do nível master!

Graziela: 
Louco por você da Jasinda Wilder e Making Faces (no Brasil o nome é Beleza Perdida)  da Amy Harmon.  Esses dois a Bia é prova de como eu fiquei, quando terminei de lê-los.

Emanuella: 
Arrancar lágrimas minhas em um livro não é algo muito difícil, pois sou extremamente emotiva com a leitura. A imaginação é ótima para esse tipo de coisa e piorar toda e qualquer situação. Mas, então, existe o livro que MAIS me fez derramar lágrimas: “Pandora”, Anne Rice. De longe não é maior e mais exuberante livro dela, mas ele, especificamente, conseguiu me arrancar soluços verdadeiros. Anne Rice brilhante, com toda a certeza; foi o livro mais romântico e menos romântico que já li. Esse, devo dizer, foi um pequeno diamante que ela criou. Até hoje, mesmo dez anos depois de ler o livro, não consegui esquecer como fui capaz de chorar tanto em apenas duzentas páginas.

Quando iniciou sua paixão pela leitura?

Bia: 
Filha de professora, morando numa casa cheia de livros, eu sempre gostei de ler desde pequena, começando com as revistinhas da Turma da Mônica. Como eu tenho a mania de colocar no cantinho do livro o meu nome, o mês e o ano que eu comprei, é engraçado ver o tempo entre os livros e quando eu comecei o vício de fato. O meu amarelado exemplar de Drácula/Frankenstein/O Médico e o Monstro é de 2003. Em 2005 vieram os livros de Chico Buarque, em 2009 a saga Crepúsculo e em 2012, depois de Cinquenta Tons de Cinza, eu desembestei e não parei mais.

Talita:
Eu sempre li quando era mais novinha, minha madrinha é professora então ela me dava muitos livros que chegaram até ela pelas editoras. Eu ficava mega animada quando a tarefa era ler na escola, mas quando cheguei na adolescência minha escola parou com os livros, e como minha madrinha é alfabetizadora, obviamente seus livros não me satisfaziam mais, e na época não tinha aqui na minha cidade biblioteca pública (agora tem 1 ou 2) nem livraria (temos 1!! ). O prazer foi meio que morrendo, por falta de comida. No terceiro ano do médio, meu professor de literatura, ouvindo meu triste relato, me emprestou (mão de vaca!)
Secreções, Excreções e Desatinos  e O Caso Morel do Rubem Fonseca, o monstro não morreu, só hibernou, ele acordou faminto e eu comecei a ler várias outras obas, descobri que amo Romances e Thriller, o Caso Morel é meu top Thriller policial, e recentemente adquiri um gosto por vampiros... e graças a internet o monstro se mantém bem alimentado!

Graziela:  
Com Stephen King e Jane Austen. Gêneros totalmente diferentes, mas que me encantaram nas primeiras páginas. Depois disso, não parei mais de ler.

Emanuella: 
Quando aprendi a ler, efetivamente. Dentro de casa, desde os dois, três anos, sempre tive o costume de pegar livros e folhear; me parecia muito mais interessante do que assistir a uma televisão ou algo que já estivesse com algo pronto. Eu gostava de ver as figuras e imaginar, sentir o que estava acontecendo. Com a alfabetização, consegui ter muito mais atração pelos mesmos livros que folheava quando mais novas; eu queria entender o que aquelas imagens queriam dizer, o que aquele monte de palavras desejava explicar. A minha paixão começou, por incrível que pareça, com a leitura mais didática; eu queria aprender sobre as coisas. A imaginação e o desejo de ler histórias vieram com os livros infantis, que sempre existiram dentro da minha casa e foram compondo o meu gosto. Foi algo que me cativou efetivamente em torno dos onze anos de idade, quando aprendi que os livros fantásticos eram muito mais interessantes sem gravuras.

Se você pudesse escolher conhecer qualquer autor já existente (entre vivos e mortos), qual seria? Justifique sua resposta.

Bia: 
Queria muito conhecer a louca da JR Ward, só pra ver se aquela branquela fala como um negão, do mesmo jeito que ela escreve como se fosse um. XD Mas a Colleen Hoover e a Abbi Glines também seria bem bacana.

Talita: 
Colleen Hoover! Sem pensar duas vezes, eu amaria conhecer ela, Colleen é uma grande inspiração para mim não só como escritora, mas como pessoa, eu li uma entrevista dela que me fez pensar muito e me deu coragem para mais ainda. Eu amaria agradecer a ela, mas eu conheço a minha sorte e tenho certeza que o dia dela a Bienal vai ser logo no meu dia de trabalho!

Graziela: 
Com certeza Jane Austen, uma das minhas escritoras preferidas (tendo Orgulho e Preconceito como meu livro de cabeceira) eu amo suas histórias e principalmente a magnífica capacidade dela em caracterizar seus personagens. São personagens muito bem construídos e descritos com certa ironia (o que particularmente eu acho fantástico). Sem se preocupar com a sociedade completamente conservadora do seu tempo, que era preocupada principalmente com a conservação da moral e os bons modos, Jane mandava muito bem em analisar e retratar o cotidiano.  Ela também retratava muito sobre a falta de oportunidade profissional e intelectual para as mulheres daquela época, principalmente para as mulheres pobres e também escrevia sobre as outras situações sociais e políticas de seu tempo. Mas como disse antes, tudo com uma dose de ironia (o que deixa suas histórias muito mais cativantes). E claro o amor,  ele sempre esteve presente de uma maneira bem forte em seus romances. Enfim... eu posso ficar horas falando de Jane Austen e do meu amor pelos seus romances, e seria extremamente surreal, fascinante e inesquecível se eu pudesse conhece-la. =D

Emanuella: 
H.P. Lovecraft. Ele seria um dos escritores que desejaria muito conhecer, mas foi o primeiro que me veio à mente, então, vou me ater a ele. Para aqueles que leram qualquer coisa, sabem muito bem o que é temer e ter certa dificuldade em dormir com tal leitura. Um dos mais fantásticos escritores de terror com toda a certeza tem de ser analisado de cima abaixo! Seria o tipo de conversa absolutamente intrigante, que sequer me deixaria piscar os olhos. Sendo  uma grande apreciadora de contos de terror, especialmente no que diz respeito ao grande detalhamento e inteligência para descrever o que se quer passar, não poderia ser menos do que fabuloso descobrir o que se passava na cabeça daquele homem.

Qual o melhor vilão de livros, de todos os tempos, para você?

Bia: 
Devina, da série Fallen Angels.

Talita: 
Bom Pastor, do livro Não brinque com fogo. Cara, eu demorei a te descobrir... e ele é cruel, sagaz, inteligente! Um grande serial killer! VILÃO!!

Graziela: 
Ah tem vários vilões, poxa... Devina, da série Fallen Angels, A grande vilã Annie Wilkes do Misery de Stephen King, Voldemort da série Harry Potter... Mas se tem que escolher um, vou citar um desgraçado que me deixou aterrorizada durante um bom tempo depois que li o livro. É aquela porra do Pennywise (também conhecido por “It - A Coisa” do mestre do terror Stephen King). Aquele ser é a verdadeira essência do mal, eu já odeio palhaço e a porra ainda se veste como ele e toca o horror com suas vítimas.

Emanuella: 
Pode não ser a melhor, mas com certeza foi muito bem trabalhada como vilã: Claudia. A criança-vampiro de Anne Rice, com toda a certeza, foi capaz de arrancar ódio das pessoas mais pacientes. Poucas coisas são tão desconfortáveis quanto uma mulher presa no corpo de uma criança cruel e sem qualquer resquício de culpa. Até mesmo após a sua morte, não foi capaz de ser gentil com o homem que a amava e a invocara uma última vez. Definitivamente, posso dizer que nunca senti tanta raiva de um personagem e tanto gosto, porque foi uma perfeita descrição do quão uma criatura é capaz de ser podre e má. É uma personagem fantástica.

Qual sua série ou saga preferida?

Bia: 
Saga Crepúsculo e Academia de Vampiros, agora séries são tantas... mas, vai, escolho Irmandade da Adaga Negra.

Talita: 
Na companhia de Assassinos da J. A. Redmerski e empatado, cabeça a cabeça com Irmandade da Adaga Negra, da Ward!

Graziela: 
Série eu gosto muito de Instrumentos Mortais e Anjo Mecânico da Cassandra Clare e Fallen Angels da Ward e Saga eu vou de As Crônicas de Gelo e Fogo do George R. R. Martin.

Emanuella: 
A saga dos vampiros e das bruxas da Anne Rice; escolher entre uma e outra realmente não será possível!

Nossas perguntas: 

  1. Qual o pior erro numa resenha?
  2. O que motivou você a fazer o seu blog?
  3. Se decidisse escrever um livro, qual seria o gênero?
  4. Você costuma ler livros nacionais? Se sim, qual o seu preferido?
  5. Você já comprou um livro pela capa? Qual foi?
  6. Qual a sua opinião sobre spoilers?
  7. Que personagem você gostaria de ter como amigo(a)?
  8. Qual é o seu hábito de leitura mais esquisito?
  9. Qual personagem ou autor você gostaria de passar um dia?
  10. Qual é sua maior paixão platônica literária?
  11. Escolha um personagem que mais te representa. Justifique.

Blogs que indicamos:



É isso, beijinhos e podem marcar a gente nas TAGs que a gente promete não demorar uma vida pra responder. ;)

Comente com o Facebook:

20 comentários:

  1. Oi Bia.

    Gostei muito da respostas de vocês e amei ser indicada para Tag. Muito obrigada de coração!

    Bjos

    http://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, Kênia!!! Vou esperar pra ver suas respostas. ;)
      Bjks

      Excluir
  2. Olá
    adorei essa tag, me fez lembrar que eu já fui tagueado nela, mas ainda não deu tempo de me fazer rsrsr, muito legais suas respostas
    Bjks
    Passa Lá No meu Blog Pleas - http://ospapa-livros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Boa tag. Bia você fala tão bem dessa saga "Irmandade da Adaga Negra", que vou pegar pra ler. Qual é o primeiro livro mesmo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amante Sombrio é o primeiro livro! Caí dentro que vale a pena escapar nele ;)

      Excluir
    2. Leiaaaaaaaaaaaa!!!!! Vampiros enormes, lindos, problemáticos, gostosos, enfim, tudo de bom! =D

      Excluir
  4. Boa Tag e boas respostas!!
    (Pão de queijo é muitooooo bom)

    ResponderExcluir
  5. adorei essa super Tag e as respostas
    nao vejo a hora de ler os livros que vcs citaram e eu nao conhecia ainda.

    ResponderExcluir
  6. Oláaa!!!
    Muito obrigada pela indicação! ^^
    Respondi essa TAG anos atrás, mas vou adorar responder de novo.

    Beijos,
    Amanda
    http://minhasconfissoesfemininas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. kkkkkkkkkkkk Faz tanto tempo que a gente indicou vocês pra essa TAG que nem lembrava ou esperava mais! kkkkk

    Achei muitíssimo legal todas terem respondido as perguntas de forma pessoal, bem diferente de como fizemos lá no blog, já que procuramos colocar tudo voltado par ao blog em si. Deu pra perceber o quanto cada uma é diferente pelas respostas que apresentaram.

    Ri muito com o "porran..." e "pergunta cavernosa 2"! kkkkkkk

    Vocês estão de parabéns! Valeu a espera!
    bjs

    conchegodasletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahaha pois é, Mari, demorou, mas saiu hahaha. Que bom que gostou!!!!! ^^
      Bjks

      Excluir
  8. Boa tag :D

    Eu queria conhecer o George Martin, antes que ele morra e leve o final de Got pro tumulo :o

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahahahhahaa não jogue palavras ao vento! XD Ele precisa escrever o sexto livro! hahahaha

      Excluir
  9. Bem legal as respostas de vocês nessa tag.
    Vou procurar ler alguns livros de autores que voes citaram.
    beijos

    ResponderExcluir
  10. Graziela_> Peloamordedeuzin como assim odiar pão de queijo? Mande todos para cá que eu devoro!
    bia-> o final eu trocaria "Sou muito indecisa, muito!" para "Sou muito indecisa, acho." - hauahuauha
    Talita-> tb quero uma tatuagem mas morro de medo de agulhas, sempre desmaio quando vou tirar sangue

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahahahahaha boa, mas isso é uma das poucas coisas que eu tenho certeza absoluta hahahahaa.

      Excluir