Resenhas

sexta-feira, 31 de julho de 2015

:: Resenha 65 :: O Duque e Eu, Julia Quinn

Sinopse: Simon Basset, o irresistível duque de Hastings, acaba de retornar a Londres depois de seis anos viajando pelo mundo. Rico, bonito e solteiro, ele é um prato cheio para as mães da alta sociedade, que só pensam em arrumar um bom partido para suas filhas. Simon, porém, tem o firme propósito de nunca se casar. Assim, para se livrar das garras dessas mulheres, precisa de um plano infalível. É quando entra em cena Daphne Bridgerton, a irmã mais nova de seu melhor amigo.Apesar de espirituosa e dona de uma personalidade marcante, todos os homens que se interessam por ela são velhos demais, pouco inteligentes ou destituídos de qualquer tipo de charme. E os que têm potencial para ser bons maridos só a veem como uma boa amiga. A ideia de Simon é fingir que a corteja. Dessa forma, de uma tacada só, ele conseguirá afastar as jovens obcecadas por um marido e atrairá vários pretendentes para Daphne. Afinal, se um duque está interessado nela, a jovem deve ter mais atrativos do que aparenta.
Mas, à medida que a farsa dos dois se desenrola, o sorriso malicioso e os olhos cheios de desejo de Simon tornam cada vez mais difícil para Daphne lembrar que tudo não passa de fingimento. Agora ela precisa fazer o impossível para não se apaixonar por esse conquistador inveterado que tem aversão a tudo o que ela mais quer na vida.

Que leitura gostosa! Pensei em começar essa resenha de diversas maneiras, escrevi e reescrevi o começo várias vezes, mas só existe uma frase que faz jus ao livro da Julia Quinn: que leitura gostosa, leve, divertida, fluida. O tipo de livro que você lê sem pressão, sem alarde, apenas sonha em cada página que está nos salões de baile que a autora descreve, sonha em ler as famosas Crônicas da Sociedade de Lady Whistledown, apenas sonha. Foi assim que fiquei nas pouco mais de 280 páginas de O Duque e Eu e apenas fui transportada até Londres de 1813 e queria desesperadamente viver tudo que a autora descreveu. Leitura fácil, porém, brilhante. Imperdível.

"– Por causa desse comentário, talvez eu deva começar a apresentá-lo às debutantes pessoalmente.
– Se fizer isso – alertou Simon –, em pouco tempo sofrerá uma morte muito lenta e dolorosa.
O rapaz sorriu.
– Espada ou pistola?
– Ah, veneno. Definitivamente, veneno.
– Ai!"

O Duque e Eu conta a história de Simon Basset, o novo Duque de Hasting e de Daphne Bridgerton, a quarta entre oito irmãos. Apesar da história ser dos dois, os personagens secundários roubam a cena em diversos momentos a tal ponto que quando acaba o livro você precisa ir para o próximo para continuar se divertindo com esses personagens.

Simon Arthur Henry Fitzranulph Basset, o nosso Duque, teve uma infância difícil. Claro que já encontramos diversos personagens masculinos com passados sombrios, tristes e dolorosos, mas Simon tem um diferencial, ele não sofreu abuso físico, ele cresceu sem o amor do pai. Pior, ele cresceu com um pai que literalmente disse que ele estava  morto só porque o pequeno Simon era gago! É claro que Simon controla sua gagueira, mas isso fez uma marca em sua personalidade e fez ele nutrir um profundo ódio pelo seu pai e por aquilo que seu pai mais estimava, ter um perfeito Basset, e quando Simon ficou mais velho jurou ser exatamente o oposto que seu pai esperaria e se isso significasse nunca ter um herdeiro, assim seria.

"Ele não era muito falante, mas, quando dizia alguma coisa, tinha um humor sagaz e muitas vezes irônico – o tipo de temperamento que conquistava a atenção de todos. E mais uma vez, como não falava sem parar, como tantos outros membros da sociedade, as pessoas ficavam ainda mais obcecadas pelo que ele tinha a dizer."

Em contraponto a esse passado triste de Simon temos a delicada e leve Daphne Bridgerton. Daff cresceu cercada de amor, afinal, ela é a quarta filha (e a mais velha das meninas) dos oito, eu disse OITO filhos, do casal Bridgerton, que tiveram a leveza de espírito de batizar seus filhos em ordem alfabética, ou seja, temos Anthony, Benedict, Colin, Daphne, Eloise, Francesca, Gregory e Hyacinth. Como Daphne já chegou aos seus 20 anos e já está na hora de casar, Violet (uma das minhas personagens favoritas de todos os tempos) está empenhada em arrumar um bom marido para a sua filha, afinal, depois dela ainda tem mais 3 meninas pra casar. Sem esquecer dos filhos mais velhos, que ela também está na campanha por um casamento deles.

"- Mas sua tentativa foi bastante admirável. Sinceramente, sinto-me lisonjeada que tenha me considerado merecedora de uma demonstração tão magnífica de libertinagem duquífera. – Ela sorriu, um gesto amplo e sincero. – Ou prefere duquice libertina?"

E é por causa dessa campanha casamenteira que o destino de Daphne e Simon cruzam de uma maneira pra lá de divertida! Para começar, Simon é amigo de farra de Anthony, irmão mais velho de Daff e atual Visconde de Bridgerton, que avisa o amigo sobre as mães desesperadas em casar as filhas, incluindo a própria mãe. Depois de um encontro inusitado, e de ter experimentado a "tortura" de um baile da sociedade sendo um Duque solteiro, Simon tem a brilhante ideia de propor a Daphe um falso namoro, assim ele foge das mães casamenteiras e ela, quando o falso namoro acabar, vai ter muitos pretendentes, afinal, ela teria encantado um duque. Não é difícil perceber que o plano dá errado e os dois se apaixonam, mas o que acontece, você só vai descobrir se ler.

"Simon olhou para baixo, para sua mão desocupada, e percebeu que estava com o punho cerrado. Esquadrinhou a sala, tentando decidir em que rosto iria cravá-lo.
Daphne sorriu de novo, e mais uma vez não foi para ele.
O poeta idiota. Sem sombra de dúvida, o poeta idiota. O duque inclinou um pouco a cabeça para o lado enquanto analisava o rosto do jovem apaixonado. Seu punho se encaixaria melhor no olho direito ou no esquerdo? Ou isso era violento demais? Talvez um leve corte no queixo fosse mais apropriado. No mínimo, poderia fazê-lo calar a boca."

Esteja preparado para ler uma história com muito humor, um herói teimoso, uma heroína de época sem papas na língua, irmãos super protetores que ainda morrem de medo da mãe e uma fofoqueira que merece um destaque a parte. Eu preciso saber quem é a Lady Whistledown! PRECISO! Ao longo do livro temos essa figura misteriosa que publica um jornal com as fofocas da sociedade, uma espécie de Nelson Rubens de época! Seus comentários são sempre carregados de sarcasmo e bom humor, dando um toque especial ao livro.

"Um duelo! Existe algo mais excitante, mais romântico... ou mais imbecil?
Chegou aos ouvidos desta autora que um duelo ocorreu no início desta semana no Regent’s Park. Como acontecimentos desse tipo são ilegais, esta autora não revelará os nomes dos envolvidos, mas que fique claro que ela reprova seriamente tal demonstração de violência.
É claro que, como a notícia chegou a este jornal, parece que os dois idiotas que participaram da luta (nego-me a chamá-los de cavalheiros, pois isso implicaria algum grau de inteligência, uma qualidade que, se eles algum dia possuíram, por certo os deixou na mão aquela manhã) saíram ilesos."

Se eu tive problemas para começar, vou ter para terminar, tem tanta coisa que gostaria de falar sobre esse livro, mas não vou, para fazer vocês lerem. Entretanto, o que eu não revelei até agora é que O Duque e Eu foi meu primeiro romance histórico! Na realidade, eu já li os clássicos romances nacionais, como Senhora e A Moreninha, mas nunca li um romance escrito nos dias atuais que se destina a tratar de uma época passada e vou lhes dizer: amei! A primeira vez que li O Duque foi ano passado e amei reler e terei sempre um carinho especial por ele, já que me fez querer ler um novo gênero de romance, e que venham os próximos!

Título: O Duque e Eu
Título Original: The Duke and I
Série: Os Bridgertons #1
Autor: Julia Quinn
ISBN-13: 9788580411461
ISBN-10: 8580411467
Ano: 2013
Páginas: 288
Editora: Arqueiro
Compre aqui: Amazon, Submarino
Skoob | Goodreads
Classificação:

A série Os Bridgertons:
O Duque e eu #1
O Visconde que me amava #2
Um Perfeito Cavalheiro #3
Os Segredos de Colin Bridgerton #4
Para Sir Phillip, Com Amor #5
O Conde Enfeitiçado #6

Comente com o Facebook:

8 comentários:

  1. Esse livro é muito demais !!! Realmente é uma leitura leve e muito gostosa.
    Talita, a resenha está tão fofa que me deu vontade de ler novamente :D

    ResponderExcluir
  2. Depois que li O Príncipe dos Canalhas minha visão por romances de época mudou.
    Nunca imaginei que fosse gostar desse gênero, e hoje já estou colocando esse livro em minha lista de livros que TENHO que ler.
    Amo quando o autor escreve o personagem com algum problema, eu acabo me afeiçoando muito a eles.
    Ai.. já estou querendo muito ler esse livro *_*

    ResponderExcluir
  3. Não li nenhum livros de Julia Quinn e confesso que não me chama muito tenção porque eu n]ao gosto de romances de epoca, por enquanto não pretendo ler quem sabe algum dia

    ResponderExcluir
  4. Não consigui me encanta por esse livro apesar de ter muitos falando que é bom.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Ai, Bia, nunca li Julia Quinn acredita? Mas talvez por ler resenhas como a sua, ou pelas capas tão lindas, tô com uma vontade enorme de ler todos hahaha

    beijão

    ResponderExcluir
  8. já li o livro O duque e eu,quer dizer, já li todos os livros Bridgertons e amei! sao meus romances de época favoritos!
    agora só estou esperando lançar os livros restantes para poder comprar!

    ResponderExcluir