Resenhas

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

:: Resenha 70 :: Encruzilhada, Kasie West


Sinopse: A vida de Addison Coleman é um grande “e se…?”, graças à sua habilidade especial: Investigar Destinos. Addie é capaz de prever duas possibilidades de seu futuro toda vez que precisa tomar uma decisão.
Quando os pais dela anunciam o divórcio, a garota deve escolher se vai morar com o pai entre os Normais ou se prefere ficar com a mãe no Complexo Paranormal. Para ter certeza do que a espera, Addie resolve Investigar.
Em uma alternativa, ela conhece Trevor, um Normal sensível com quem logo sente uma conexão. Na outra, se envolve com Duke, o garoto mais popular da escola Paranormal. Mas aos poucos ela percebe que esses dois destinos aparentemente maravilhosos podem causar muitos estragos e sofrimento.  E agora, em qual futuro Addison estará disposta a viver?

Quando a Editora Seguinte divulgou a capa nacional do livro Encruzilhada, o primeiro volume da duologia homônima escrita por Kasie West, eu fiquei muito curiosa. Mas não foi pela sinopse que fiquei com vontade de ler.
Sério... Não sei vocês, mas no meu caso, quando eu li a sinopse me pareceu ser um triângulo amoroso com uma pitada de ficção e tal. E a real é que tenho um pé atrás com triângulos amorosos, se não for bem construído e muito bem narrado eu fico tentada a deixar o livro de lado. Acho um porre ler aquela coisa enfadonha, aquele lenga-lenga de "Ai, não sei se gosto desse ou desse ou do diabo à quatro..."  Enfim, eu resolvi comprar o livro depois de fazer uma pequena "investigação" que atiçou mais a minha curiosidade.

Mas antes de contar do que se trata essa investigação, eu gostaria de saber qual foi a última vez em que você pensou seriamente a respeito das suas escolhas? Quão cuidadosa(o) você tem sido em selecioná-las? Você tem, conscientemente, escolhido aquelas que melhor possam lhe servir? Talvez você esteja se perguntando: Qual a importância disso tudo? A resposta é muito simples: As suas escolhas têm um poder incrível, até mesmo as pequenas. E mesmo que você saiba disso, mesmo que você saiba que elas podem te levar a um lugar muito bom, que podem abrir oportunidades únicas e inesquecíveis, como também podem destruir tudo que você construiu até agora. Mesmo que você esteja careca de saber que as suas escolhas podem trabalhar contra ou a seu favor, e que a decisão é sua (óbvio). No final, você nunca vai saber qual escolher para não errar. Antes de escolher, vai ser como dar um tiro no escuro. Para saber o resultado do seu tiro, você vai ter que esperar.
Ah... sério Grá? Sério que você tá me dizendo isso? Gastou um monte de palavras e meu tempo para falar que não temos bolas de cristal?! E que dependendo da escolha, eu me ferro ou não?! Hahahaha é sério, eu estou dizendo isso sim, e desculpe se gastei o seu tempo tentando mostrar que nossas escolhas consistem num processo mental de pensamento envolvendo o julgamento dos méritos de múltiplas opiniões e a seleção de uma delas para ação. E que a maioria das pessoas considera ter alternativas, uma boa coisa, embora uma escolha severamente limitada ou artificialmente restrita possa levar ao desconforto com a opção selecionada e possivelmente a um resultado insatisfatório. No extremo oposto, alternativas ilimitadas podem levar à confusão, remorsos pelas opções não escolhidas e indiferença, numa existência amorfa. Hahahahaha ok, parei!

Vamos ao que interessa...
Imagina você ter a capacidade de saber qual escolha certa a tomar. Seria bacana, né? Você vai lá, faz uma pequena investigação, dá uma boa olhada nos dois caminhos e escolhe o que é melhor para você. Já pensou? Quanta merda você evitaria se soubesse o futuro das suas escolhas, hahahaha ok... não que você esteja fazendo só merda na vida, mas acho que você entendeu o ponto.

Então, a Addison Coleman a personagem do livro tem essa habilidade, ela é uma Investigadora de Destinos, mas não confunda com Clarividente, pois ela só pode investigar as escolhas dela e não ver o futuro dos outros.

É como um caminho que no final se divide em dois, toda vez que ela depara com uma escolha, ela consegue verificar o que aconteceria nas duas alternativas do seu futuro. Ela tem a chance de poder escolher o melhor caminho antes mesmo de acontecer de verdade. Evitando assim desastres. Essa habilidade faz Addie (para os íntimos) ser sempre muita cuidadosa, nunca chegando de fato a se arriscar.

Alguns anos atrás, Laila apareceu no intervalo do almoço com o código de acesso ao carrinho do zelador e um skate. - Não vamos ser pegas. Investigue – ela disse quando me recusei a ir com ela. Investiguei. Mesmo que o skate nos levasse a um dos melhores dias de toda a minha vida, também nos levava à sala do diretor.
Escolhi a outra opção. A opção segura.

Quando os pais dela se divorciam, Addie precisa optar com quem vai morar. Enquanto seu pai vai mudar de cidade para viver no mundo Normal, sua mãe vai continuar seguindo a rotina a que a filha já está acostumada. Um "Complexo Paranormal", onde todos conseguem aproveitar melhor a sua capacidade cerebral e por isso desenvolvem habilidades especiais. Sua melhor amiga Laila tem a habilidade em "Apagar Lembranças", enquanto sua mãe é "Persuasiva" e seu pai, um "Discernidor" ou um "Detector de Mentiras", como Addison gosta de chamar. Um mundo totalmente diferente de nós, os "Normais".

E Addie gosta da sua vida do jeito que está, e acredita que a decisão vai ser fácil, mas mesmo assim ela decide "Investigar" seis semanas de sua vida em cada alternativa. Quando a "Investigação" começa, acompanhamos junto os dois caminhos e gente... É MUITO LEGAL!

Cada capítulo é um futuro alternativo, a trama vai surgindo e você vai devorando o livro. Você não percebe a hora passar, porque a narrativa é muito bem construída e inteligente. As investigações começam a ficar mais complicadas para a Addie. Em uma possibilidade do futuro, ela está se adaptando à vida fora do Complexo, como a nova aluna de uma escola normal e antes de ir para fora, ela até tem um curso intensivo sobre os normais. Mas mesmo assim ela fica bem perdida no dia-a-dia com interruptores, fechaduras e outras coisas. Como no mundo dela é tudo muito avançado, dá para entender o quanto é difícil para ela em compreender sobre alguns itens básicos para executar as nossas tarefas cotidianas. Para ela é tudo muito ultrapassado hahahaha.

Nesse mundo normal, ela acaba conhecendo Trevor, o sensível, artista, meigo e ex-melhor quarterback da escola (por causa de um acidente bem grave durante o jogo, ele teve que se afastar) e seu melhor amigo Rowan tem uma teoria de que a lesão de Trevor não foi um incidente isolado. O mesmo aconteceu com outros jogadores de outras escolas e Trevor estava a caminho do estrelato, então ele coloca na cabeça que tem que fazer uma investigação sobre isso. A partir daí, Addie tem novas dúvidas e decide ela mesma descobrir se Rowan está certo, até porque Addie e Trevor  entram em um entrosamento bacana desde o começo, uma sintonia única que faz Addie no começo se assustar, mas depois gostar.

Já na outra versão do seu futuro, Addie conquistou Duke o "Telecinético", mais bonito e popular da escola Paranormal. Duke é oposto de tudo que Addie deseja em um cara, mas mesmo ela não sabendo como isso pode ser possível, Duke faz Addie se sentir bem. A relação dos dois flui rapidamente e é bem engraçado como Duke consegue quebrar aos poucos os muros de resistência de Addie. Além de ter um forte apoio nesse relacionamento, que é a Laila.  

Então Grá, você disse que o livro não era apenas um triângulo amoroso, mas pelo que você escreveu até aqui, parece que a escolha da Addie é apenas qual caminho tomar e assim qual garoto ficar. Então... não é isso, e é agora que falo que o livro é muito mais que isso.

Quando o pai da Addie decide abandonar o Complexo para viver no mundo dos normais, ele se torna um consultor do FBI num caso de assassinato do Complexo e aí Addie acaba se envolvendo em um jogo bem perigoso que ameaça tudo o que mais importa para ela. Addie encontra amor e perdas nas duas versões do futuro e só vai poder viver em uma dessas realidades.



Encruzilhada é uma história que mistura poderes paranormais, mistério e romance. O livro é narrado em primeira pessoa e tem uma parada bem bacana, que são os significados de certas palavras em cada capítulo.

Pa.Ra.mi.lha.ção: sf. humilhação acima da média.

in.ves.ti.ga.NOR.MAL: sm. Tentativa de uma pessoa Normal de resolver um mistério sem ajuda.

dis.PA.RA.tar: v. dizer idiotices para alguém.

dis.PA.RA.ta.do: adj. uma parte não combina com a outra.

Com uma narrativa excelente que te prende até o fim, Kasie West tem uma escrita ágil, inteligente e envolvente. É um YA ótimo que recomendo com certeza!

Vou colocar uma parte aqui que eu amei do Trevor!
  

(...) Só me prometa uma coisa: se isso for uma Investigação e você não me escolher, se não escolher esse caminho por algum motivo, prometa que não vai me Apagar.
 

Own <3 <3
To bem curiosa para ler o segundo livro Split Second, que foi publicado nos Estados Unidos no início de 2014:


Mas até agora sem data de lançamento aqui no Brasil. Ohh dureza que é isso... E agora? O que eu faço com essa minha ansiedade? =(



Eu adorei essa capa. 


E a editora Seguinte mais uma vez lançou o livro com o marcador junto, mas como eu tenho dó de recortar (me julguem) eu vou deixar ele aí quietinho mesmo! ;)


Enfim é isso, como disse antes, é um livro que recomendo e então dou cinco bolinhos (ou Cupcake se preferirem) que corresponde  a EXCELENTE! 

Título: Encruzilhada
Título Original: Pivot Point
Autora: Kasie West
Gênero: Ficção/YA
ISBN-13: 9788565765718
ISBN-10: 8565765717
Ano: 2015
Páginas: 298
Editora: Seguinte
Skoob | Goodreads
Compre aqui: Amazon
Classificação: 

Comente com o Facebook:

14 comentários:

  1. Nossa, curti a resenha Grazi !!!
    Estou imaginando se eu tivesse o poder de ser uma "investigadora de destinos" acho que todo mundo queria ter esse poder né ??? Ai me fiz a seguinte pergunta: Será que isso seria bom ??? Sim ? Não ? Talvez ? hehehehehhehe Vou ter que ler esse livro, fiquei curiosa !!! :D :D :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha Fran ao mesmo tempo que acho que seria bom, eu ainda fico com o pé atrás. Seria legal sim em certos casos para evitar a tal "merda" que falei acima hahahahaha, mas depois fiquei pensando e se é um caso em que nenhum lado é bom e mesmo assim você tem que escolher? Tipo, no caso da Addie ela vivencia os dois caminhos como se realmente tivesse acontecendo, isso quer dizer que o "sofrimento" é bem real.Então se você tem dois caminhos e os dois são dolorosos, aí é foda! Eu acho que só aceitaria esse poder se tivesse uma amiga como a Laila (que tem o poder de apagar as lembranças), senão já imaginou? Você escolhe um e mesmo assim, tem a lembrança do outro caminho... Nossa.. tenso isso!

      Excluir
  2. Essa capa é linda e eu fiquei beeem curiosa com esse livro. Vou por na listinha de compras sem fim rsrs.

    ResponderExcluir
  3. Eu gostei desse livro desde que li a sinopse, mesmo tendo visto muitos comentários negativos.
    E agora lendo sua resenha, só confirmou que tenho que ler esse livro. Fiquei bem animado lendo tudo o que dizia, e com certeza irei ler esse livo.
    Ótima resenha, e obrigado pela indicação.

    ResponderExcluir
  4. Preciso ler, super curiosa. A capa é linda!

    ResponderExcluir
  5. As suas palavras sobre escolhas, me fez lembrar o livro Uma Curva No Tempo.
    Agora estou muito curiosa para ler esse livro, parece ser muito bom. E a capa é linda!
    Eu sou que nem você, tenho pena de cortar o livro para pegar o marcador.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thaísa é bom esse livro? Depois me diga, pois agora fiquei curiosa!
      Nossa eu tenho muita dó de cortar hahahaha, se depender de mim, eles vão ficar lá quietinhos e seguros.... Hahahahahaha

      Excluir
  6. Eu adoro livros em que o personagem tem algum poder, então já adorei a premissa desse livro.
    Acho que o poder dela não é tão bom, imagina você saber coisas que vão acontecer. É como sofrer por antecipação!
    Já estou muito curiosa para ler esse livro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também adoro livros assim Kellis, e em relação ao poder é como falei para a Fran, é tenso e no meu caso só vale se tiver uma Laila na minha vida hahahaha.

      Excluir
  7. Na sinopse achei que era triangulo,não curtu triangulo,só trilogia rock star me ganhou pois amo Kellan,mas queria dar uns tapa em Kiera.Voltando,como disse na resenha nossas escolhas é que ditam nossas vidas,boas ou ruins.Mas acho que não da pra escolher pois o que poda ser bom agora no futuro pode mudar.Melhor viver cada dia no presente.Não curto livros assim,leitura pra MIM,fica cansativa.

    ResponderExcluir
  8. Quando vi essa capa não me interessei em nenhum aspecto pelo livro. A Encruzilhada é uma leitura que me conquistou por sua trama/estória/sinopse, não imaginava, na verdade não cheguei nem perto de imaginar, que seria uma estória tão envolvente e encantadora.

    ResponderExcluir