Resenhas

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Entrevista: F.P. Rozante


Oi, oi, pessoal!!! Hoje, finalmente, venho trazer pra vocês uma entrevista muito bacana que eu estava devendo tem um tempinho já - mas como a Ana diz: antes tarde do que mais tarde! =P

A entrevista de hoje é com a nossa parceira, F.P. Rozante, autora de Tinha que ser você, Alguém como você, Quando você voltar (resenha aqui) e Minhas para proteger (resenha aqui).

Como eu queria ter feito essa entrevista depois de ter lido Quando você voltar, eu juntei perguntas baseadas nele e no Minhas para proteger que eu li depois, então, vocês vão poder conferir um pouquinho sobre cada um deles, e claro, conhecer mais um pouquinho sobre a Biia - minha xará de apelido rs - Rozante. Vamos lá? Continue lendo!
F. P. Rozante, 24 anos, taurina, bacharel em Ciências Contábeis, descobriu nos livros sua verdadeira paixão. Leitora compulsiva e voraz desde pequena, decidiu se aventurar na escrita após um período conturbado de mudanças em sua vida. Recolhendo cadernos e rascunhos onde sempre costumava escrever pensamentos e textos aleatórios se viu concluindo seu primeiro romance e agora caminha para transformar sua segunda obra em um novo sonho realizado.



Pra começar, eu queria que você contasse pra gente como que surgiu a história de “Quando você voltar”. No que e em quem você se inspirou, se produzi-lo foi tranquilo ou se você teve alguma dificuldade em algum momento, e se quando você começou, você já tinha na cabeça como a história iria terminar.

Quando Você Voltar, foi o segundo livro que escrevi. Desde muito pequena sempre anotei pensamentos, tinha diários e essas coisas (risos), e um dia eu escrevi uma mensagem que falava de saudade, de pessoas importantes que acabam se distanciando, e eu encontrei esse rabisco quando me mudei de cidade. Como estava começando a me arriscar na escrita, resolvi arriscar e usar parte destes pensamentos. Foi quando veio o enredo na minha mente. Pensei em soldados, na maneira como é preciso dizer adeus, mesmo quando tudo que se quer é ficar.
Tive muitas dificuldades, na criação de personagens que fossem opostos e conseguir fazer com essas diferenças persistissem até o final. Outra dificuldade foi o cenário em si, nunca tive um contato pessoal com militar, por isso pesquisei bastante.
Nick foi inspirado em um amigo, que tornou-se soldado, mas que perdi o contato ao longo dos anos. Os demais foram surgindo enquanto conversava com as minhas betas.
O final da história seria totalmente diferente do que foi publicado. Mudei pelas minhas leitoras. Como o Wattpad te oferece essa interação, acabei focando nos comentários delas e na maneira como elas pediam que tudo acabasse.

É muito bacana ver como a plataforma Wattpad tem revelado novos autores. Quando você começou, você tinha ideia de que teria os milhares de seguidores que as suas histórias têm no Wattpad e que um dia eles seriam publicados no mercado?

Não. Jamais imaginei alcançar leitores. Comecei a escrever como um desabafo, utilizando a escrita como fuga. Havia passado por uma mudança recente e acabei me perdendo no percurso e escrever me ajudou a ficar sã.
Quando tive a oportunidade de publicar Minhas Para Proteger, foi fantástico, um aprendizado único e ao qual sempre serei grata.
Até hoje tenho dificuldades de acreditar que existem pessoas que realmente gostam do que escrevo. Que estão sempre lá me apoiando e incentivando. É tudo muito surreal.

Comentei na resenha de “Quando você voltar”, que Heitor, com seu jeito sério, mandão e totalmente dominante, me lembrou inevitavelmente de Christian Grey (Cinquenta Tons de Cinza) e James Cavendish (Up in the air/Perdendo o Controle) em certos aspectos. Houve alguma influência e/ou inspiração de algum personagem que a gente conhece? Quais são os seus autores e personagens preferidos que de certa forma te inspiram?

Sim, Heitor tem essa pegada mais dominante e possessiva, entretanto não foi nenhum deles  que me inspiraram (risos). Amo Maya Banks e quando comecei a escrever Quando Você Voltar, e a história pendeu para este lado mais erótico, ela pode ter me influenciando um pouco. Hoje é difícil você escrever algo que venha ser julgado como original. Toda vez que um mocinho é dominante, logo vem às comparações com Grey. Se tem uma pegada mais Hard, com a Megan Maxwell, infelizmente existe essa pré-definição.
Meus autores preferidos são – MUITOS (risos). Só não vou especificar para evitar problemas de por uma infelicidade esquecer de mencionar alguém.
Personagem preferido, Uau... essa pergunta é difícil. Vou dizer que vivo me apaixonando e que a cada nova leitura, encontro um novo amor e um ponto único que faz dele meu preferido.

Como é o processo de criação dos seus livros? Você ouve música? Tem um cantinho especial para escrever? É daquelas que escreve até em um guardanapo se pintar uma ideia do nada?

Eu sempre ando com papel e caneta na bolsa, vivo escrevendo. Como mencionei anteriormente, tenho essa necessidade de extravasar. Quando as ideias vêm, escrevo no que tiver mais próximo.
Escrevo quando a inspiração vem, normalmente desenvolvo melhor nas madrugadas, quando tudo está silencioso e tranquilo. Apenas eu e meu universo paralelo. Infelizmente não tenho um cantinho só meu, então acabo escrevendo onde dá mesmo. Mas sempre estou escutando alguma música, que de alguma forma representa o momento da trama.
Não sigo um roteiro, por isso às vezes escrevo o final antes de começar a história. Vou escrevendo as cenas conforme elas vão surgindo e depois só vou encaixando.

Você é contadora por profissão e de repente se viu uma escritora, tendo várias pessoas lendo as suas histórias, tendo seus livros publicados. Como é essa sensação e como você lida com as críticas?

Sigo trabalhando como contadora, infelizmente (risos).
Eu recebi muitas críticas, e acredito que isso continuará. Não tem como agradar cem por cento. Os gostos são muito particulares. Mas acredito que tenho lidado bem com isso. Quando a crítica é construtiva, que vem sem maldade, sem a intenção de denegrir realmente, eu a anoto e as uso, corrigindo nos próximos livros que estou trabalhando. Acho que é super válido e necessário para que eu aprenda e amadureça minha escrita.
Quando a crítica vem apenas no intuito de insultar, denegrir e ferir, eu absorvo o que julgo bom e útil e ignoro o restante.

Em “Minhas para proteger” você aborda um tema bem pesado que é o abuso sexual. Como foi escrever sobre isso?

Doloroso. Algumas vezes chorei.
Para construir a Vivi, eu li muitos relatos de pessoas que passaram por isso. E a realidade pode ser ainda mais cruel. Talvez por não ter a estrutura emocional  necessária para trazer isso com tanta veemência,  eu tenha focado mais na superação do trauma e não nele em si.
Foi uma grande aprendizagem, e com toda certeza me marcou para o resto da vida.

“Minhas para proteger” é tão gostoso que deixa muuuuito aquele gostinho de quero mais. Teremos alguma continuação?? Quem sabe ver a pequena Raio de Sol, grande? Owin! S2

Sabe que recebo muitos pedidos para Raio de Sol, ganhe seu livro.
Enlaçados é o segundo volume da série, e se tudo der certo, ele deve sair ainda este ano. E sim, vocês poderão ter um pouco mais da nossa Raio de Sol, já que a trama se passa na mesma fazenda que o primeiro livro.
Eu fico imensamente feliz e honrada toda vez que recebe um recado dizendo que gostaram e que estão com saudades. É muito amor envolvido.

Quais são os seus autores e gêneros literários preferidos?

Meus autores preferidos são – MUITOS (risos). Só não vou especificar para evitar problemas de por uma infelicidade esquecer de mencionar alguém.
Gêneros literários preferidos. Romance com certeza é o principal (Históricos, dramáticos, contemporâneos... Amo tudo que é romance). Mas estou me descobrindo fã de distopia e Chick-lit.
Leio de tudo, amo descobrir novas histórias e me surpreende. Gosto de desafios e ler independente do gênero. Leia, leia mais e mais, apenas leia, é o meu lema.

Qual foi o primeiro livro que você leu e que te fez pensar “Eu posso fazer isso, eu posso escrever o meu próprio livro”?

O primeiro livro que li, que realmente me marcou e viciou para a vida, foi Rebelde da Nora Roberts, eu tinha 12 ou 13 anos de idade. Foi um tiro certeiro.
Nenhum livro que li me fez pensar isso (risos), muito pelo contrário. Por ser extremante crítica e insegura, sempre que leio meu pensamento é: Menina, tu não ta fazendo isso direito. Precisa melhorar, está vendo só, isso aqui sim é escritora.

Quais são os seus próximos projetos? Tem mais algum livro seu que sairá em brochura/livro físico?

Muitos projetos. Se eu te disse que tenho 7 histórias começadas você acredita?
Alguém Como Você, deve sair por agora no começo do ano, seguido por Campo de Guerra.
O resto é surpresa.
Em formato físico ainda não sei se terá. Mas está nos planos tornar todas as minhas históricas em livros físicos. Torcendo para que de certo.

Como foi criar o personagem da doce Julia (Raio de Sol)? Quem foi a sua inspiração?

Julia foi um presente. Ela surgiu do nada e se encaixou perfeitamente. Depois que a inseri nos livros, me inspirei na filha da minha prima e na filha de uma amiga.
Foi mágico, se um dia tiver uma filhinha gostaria que ela fosse doce e esperta como a Raio de Sol.
Uma personagem que sempre irá me marcar por sua doçura. Dei muitas risadas escrevendo-a.

Muitos autores e principalmente os fãs gostam de visualizar os personagens. Quem você imagina que poderia interpretar Carol, Nick, Adriana e Heitor (Quando Você Voltar) e Viviane e Romão (Minhas para proteger)?

Quando você voltar




Minhas para proteger

Viviane

Queeeeesso, hein Romão? :3
Pingue-pongue:

Um livro: Aquele que te faça bem.
Uma palavra: GRATIDÃO
Um sentimento: AMOR
Um lugar: Minha casa.
Uma frase: Viva o hoje, o ontem você não pode mudar, o amanhã pode não existir. Você está onde deveria estar, aproveite e lide com isso.
Uma comida: Da minha mãe.
Um filme: Nossa... Silêncio constrangedor. Realmente não consigo escolher um (risos).

Por fim, deixe uma mensagem para os seus fãs e para aqueles que têm escondido o desejo de escrever, mas que ainda tem receio de colocar pra fora as suas ideias.

Aos meus leitores, OBRIGADA. Vocês são os melhores do mundo. Se consegui publicar um livro, foi graças a vocês e se sigo tentando nesta vida, é por vocês também. Tudo que alcancei vocês possuem participação ativa e eu sempre serei grata. Vocês me inspiram a continuar.
E para quem está começando, ou querendo começar, meu conselho é: Divirta-se. Escreva por amor, aquilo que gosta, que se identifica. Se agrade primeiro, depois tente agradar aos outros. Se estiver feliz e satisfeito tudo será mais fácil. Pesquise bastante e mantenha a mente e o coração aberto para sempre aprender mais a cada dia.
Ao blog e a Bia, muito obrigada. Por todo carinho, apoio e oportunidade. Muito feliz em poder responder a entrevista e dividir com vocês um pouquinho mais sobre mim.
Beijos.


Só eu fiquei morreeeendo de curiosidade pra saber como seria o final de Quando você voltar???? OMG!!! Biia, conta pra gente!!! E que todos os seus livros ganhem o formato físico!!! Quero todos!!! XD
Beijo!

Comente com o Facebook:

10 comentários:

  1. Bia, muitooooooo obrigada por todo carinho, atenção e apoio sempre. Eu amei poder ter este bate-papo com você. Feliz em saber que gostou. OBRIGADA mesmo por me acolher com tanto amor sempre. Um beijo gigante <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nós todas aqui do blog agradecemos e ficamos muito felizes em apoiar e compartilhar o seu trabalho que é tão fofo e lindo. Todo sucesso pra ti!!! <3 :*

      Excluir
  2. Aii que lindona, amo a escrita da Biia essa menina vai longe!

    ResponderExcluir
  3. A autora me parece ser tão fofa !!! E para variar a entrevista ficou show !!!!!
    Parabéns Bia !!!! :D
    Fui correndo ler as resenhas publicadas aqui no blog, já estão na minha lista de "desejos sem fim" hehehehehehehehehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahahah ela é uma fofa mesmo. Leia sim os livros dela, vc vai gostar. ;)

      Excluir
    2. Vida de leitor não é fácil né ? A lista só cresce, não temos tempo suficiente para ler tudo que queremos kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
  4. Olá,
    Adorei os livros da Bia, são maravilhosos!!
    Muito bom conhecer um pouco mais da autora.
    Parabéns!!
    beijos
    Conchego das Letras

    ResponderExcluir
  5. Own que entrevista legal, super me identifiquei com ela ainda mais no gênero literário, também sou louca por romances e Chick-lit. Ela parece ser muito simpática, adorei o Minhas para proteger, li só a sinopse e gostei bastante, já está na minha lista!

    ResponderExcluir
  6. Oi!
    Ainda não conhecia os livros da Bia mais pela entrevista deu para conhecer um pouco melhor me deixando curiosa, achei legal conhecer suas influencias e a historia e também gostei de conhecer os personagens !!

    ResponderExcluir