Resenhas

quarta-feira, 20 de abril de 2016

:: Resenha 162 :: "As Garotas de Corona del Mar", Rufi Thorpe


Sinopse: Amizade entre garotas pode ser intensa e, no caso de Mia e Lorrie Ann, não há dúvidas de que isso é verdade. À medida que crescem, a vida de Mia e Lorrie Ann é preenchida com praia, diversão e passeios ao shopping. Por outro lado, como toda amizade, há conflitos e dores. Mia e Lorrie Ann convivem há muito tempo e possuem personalidades opostas. Mia é a bad girl, vivendo em uma família problemática. Lorrie Ann é linda e amável, quase angelical, e tem uma família que parece ter sido arrancada de um conto de fadas. Mas, quando uma tragédia acontece, a vida perfeita sai fora de controle...

Oi, oi! Este foi o primeiro livro que recebi da editora Novo Conceito depois da parceria. Eles nos deram algumas opções de e-book e a sinopse de As Garotas de Corona del Mar me chamou atenção, por isso eu o escolhi. O início da leitura foi um pouco lenta, confesso. Primeiro por ser e-book e ler somente pelo celular, segundo que eu não conhecia a escrita da Rufi Thorpe, o que me fez demorar um pouco pra pegar o ritmo de como a história é contada neste livro. Vou explicar pra vocês o porquê.

No livro praticamente todo nós vamos acompanhar a Mia narrando a vida dela e de sua amiga Lorrie Ann, desde a adolescência. Então é o tempo todo ela voltando ao passado, mostrando os problemas e as conquistas de cada uma delas e como tudo isso pode interferir numa amizade. O começo eu achei bem cansativo, não um livro ruim, a história é muito boa, mas talvez a maneira como ela é contada, de início, tenha me travado um pouco, tanto que eu cheguei a comentar com umas amigas que até então eu daria somente 3 bolinhos aqui no blog (3 estrelas no skoob), mas depois eu fui pegando o ritmo e me envolvendo mais com a história dessas duas amigas e com isso elas conquistaram mais um pontinho.

Mia e Lorrie Ann são bem diferentes. Na adolescência elas viviam grudadas como irmãs. Uma dormia na casa da outra, pegavam sol juntas, passeavam juntas e quando Mia, aos 15 anos precisou fazer um aborto, era Lorrie Ann que estava ali ao seu lado.

Mia sempre foi a mais descolada, a que se exibia para os meninos, a que tinha uma família barulhenta, que sofreu a separação dos pais, mas que por sorte teve um bom padrasto, que tinha que cuidar dos dois irmãos mais novos. Lorrie Ann era vista por Mia como o seu oposto. Uma menina doce e extremamente linda e perfeita, com uma família certinha e amorosa, apesar da pouca grana que tinham.

“De certa forma, Lorrie Ann fez de mim tudo o que sou, pois minha personalidade tomou forma como uma reação igual e oposta ao que ela era, assim como, tenho certeza, a personalidade dela se formou como resultado da minha. As pessoas fazem esse tipo de coisa. Elas dividem qualidades como se a realidade, para poder ser manipulada, precisasse ser classifica, rotulada, presa com alfinetes. Até hoje, minha mãe se considera a mais esperta e a irmã dela a mais bonita, apesar de a irmã dela ter conseguido um Ph.D em biologia marinha e a minha mãe ter se tornado maquiadora. Para mim, minha amiga Lorrie Ann era a boa, e eu, a má. Ela era linda (de uma forma chocante, como uma pintura do Vermeer), mas eu era sexy (aos treze anos, um excesso de brilho labial era tudo de que eu precisava). Nós duas éramos inteligentes, mas Lorrie Ann era contemplativa onde eu era astuta, era sincera e eu sagaz. Onde ela era sentimental, eu ficava sarcástica. Normalmente, amizades entre meninas são guardadas em caixas com cartões-postais e canhotos de entradas, mas o que quer que houvesse entre eu e a Lorrie Ann não era assim tão fácil de colocar de lado.”

Esse trecho, grande eu sei, se fez necessário só pra eu mostrar pra vocês a imagem que Mia sempre teve de Lorrie Ann. A gente vai lendo o livro, conhecendo a história dessas duas meninas, achando que Lorrie Ann tem tudo pra ser feliz, cheia de realizações pelo simples fato dela ser linda, perfeita e vir de uma família amorosa, enquanto Mia, mesmo com seu jeito sagaz, deveria suar para conseguir ter suas próprias conquistas.

No decorrer da história, porém, nós somos surpreendidos, pois acontece completamente o contrário, fazendo as duas se afastarem.

Já adultas, Mia vai estudar em Yale. Lá tudo é incrível e ela acaba se achando uma impostora por estar seguindo sua vida, enquanto Lorrie Ann ainda está na pequena Corona del Mar, grávida, e pra piorar, numa condição bem ruim.

Por conta de complicações no parto, Zach, filho de Lorrie Ann tem paralisia cerebral, e ela se vê sozinha tendo de criar o pequeno, já que Jim, o pai, fora recrutado. Mia não simpatizava muito com essa Decisão-do-Exército-do-Jim, mas ele havia entrado para o Exército a fim de conseguir um plano de saúde para o filho. E tudo só fica pior quando Jim, em guerra, morre.

A partir daí a vida e Lorrie Ann desanda completamente, como se ela estivesse marcada pelo azar. Na metade pro final eu senti muita raiva dela, quando ela chegou a um ponto em que, completamente desacreditada e de rolo com um cara que apesar de gente boa, usava drogas, Lorrie começa a usar também e com isso os cuidados com Zach se tornam praticamente zero. É muito controverso, despertando sentimentos conflitantes na gente, porque ora nós vemos o amor e o cuidado dela, ora nós vemos a negligência total e cada vez mais constante. Chega um ponto que o menino está cheio de feridas por ficar sempre na mesma posição e isso me revoltou de um jeito que, nossa! Eu queria dar na cara da Lorrie Ann!

Muita coisa acontece na vida dessas duas e o livro é muito mais sobre a história de Lorrie, do que de Mia. Eu poderia falar sobre um monte de coisas, mas essa resenha ficaria imensa e o bacana do livro é você ir lendo e descobrindo todas as terríveis coisas que aconteceram na vida delas e como isso refletiu, positiva e negativamente na amizade das duas.

Apesar desse jeito exagerado de Mia, ao endeusar Lorrie e de vermos muito mais sobre a sofrida vida dela, Mia foi quem mais me conquistou, principalmente no final em relação a Zach.

As Garotas de Corona del Mar foi um livro que me surpreendeu de uma maneira boa. Se não fosse a parceria, eu não teria procurado, nem lido a sinopse. O mais engraçado é que quando eu li a sinopse eu não fazia a mínima ideia do que viria, pensei em algo completamente diferente e leve. Só que a história de Mia e Lorrie Ann é densa, é triste, é conturbada e bem real. Se você tem algum amigo ou amiga de longa data, não que vocês tenham passado por exatamente tudo o que elas passaram, mas todos nós que temos amigos de anos, com certeza já tivemos aquele período de distância por conta da vida e dos caminhos que cada um de nós seguimos.

As Garotas de Corona del Mar é um belo e intenso livro sobre amizade que te fará pensar e refletir sobre a vida.



Título: As Garotas de Corona del Mar
Título original: The Girls From Corona del Mar
Autora: Rufi Thorpe
ISBN-13: 9788581638089
ISBN-10: 8581638082
Ano: 2016
Páginas: 288
Editora: Novo Conceito
Compre aqui: Amazon (e-book)
Classificação:


Sobre a autora:


Rufi Thorpe é californiana e recebeu seu mestrado pela Universidade da Virgínia em 2009. Adora falar com cachorros e crianças. Escreveu As Garotas de Corona del Mar inspirada em sua infância vivida no local. Atualmente vive em Washington com o marido e o filho.

Comente com o Facebook:

16 comentários:

  1. Eu não conhecia essa autora.

    Tão bom quando um livro te surpreende né ? Gosto bastante dessas história que chegam próximas a nossa realidade.
    Vou incluir As Garotas de Corona del Mar na minha lista de desejos !!!!! :D

    ResponderExcluir
  2. Oiii Bianca,sérioo que você demora mais para ler por que é em ebook? kkk Nossa,98% dos livros que eu leio é em ebook,e apesar de ter até bastantinhos livros físicos,como eu trabalho e estudo bastante,só tenho mais tempo de ler a hora que deito para dormir,então no escuro só se for livro digital,aí acostumei! Livro físico eu só leio quando tenho um bom tempo disponível,mas eu coleciono livros físicos <3 <3 Adoroo =D

    Enfim,esse também é o tipo de livro que eu não leria,pois o meu negócio é romance,masss uma vez quando eu era adolescente eu li um livro da Talita Rebouças sobre melhores amigas e amei o livro,surpreendente amei os tipos de conflitos descritos...É diferente,mas interessante...me parece,pelo que você falou,que esse livro é o mesmo caso!

    Então no fim,apesar do começo lento,ainda bem que você persistiu na leitura não?! Mas realmente é difícil você ter disposição em continuar lendo um livro que não te prende desde o começo...

    Bjãoo

    ResponderExcluir
  3. Fiquei bem chateada de não conseguir ter mantido minha parceria com a Editora em 2016, adoro os livros deles.
    Eu demoro muito para ler um livro se for em ebook, eu não gosto muito hehehehehe.
    O livro me parece ter uma aventura bem legal com as moças, gosto de de livros assim acho eles leves e gostosos para um final de semana e a capa ajuda.
    Beijinhos, Helana ♥
    In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

    ResponderExcluir
  4. Adorei a premissa da história, embora fiquei triste com o fato do cara morrer, mas o bacana é que te surpreendeu né?
    Eu tbm não curto ler em ebook, mas vou ver se encontro o físico pra conhecer a história e a escrita da autora.
    Parabéns pela resenha.

    http://blogliteraturanacional.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Olá

    Eu não conhecia e tenho um pouco de dificuldade de ler pelo celular.
    Acho tão bom quando o livro surpreende de forma positiva. Eu tenho uma amiga de longa data e já tem um tempo que ela mudou de cidade e muita coisa aconteceu nesse período. Lembrei muito dela durante a resenha.
    Eu gostei e com certeza vou procurar por esse livro.

    bjs
    Fernanda
    http://pacoteliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Adoro livros sobre amizade, e esse me parece bem interessante. Você não foi a única que não simpatizou muito com a Lorrie Ann, pois já li algumas resenhas em que ressaltaram justamente as controvérsias da personagem. Gostei muito da sua resenha e dos pontos ressaltados. Acho que irei gostar! Já coloquei nos desejados, mas espero que a editora lance a edição física também.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Saudações literárias! A editora Novo Conceito sempre lança livros tops. Adorei a premissa do livro e vai parar na lista de desejados do skoob.

    ResponderExcluir
  8. Olá,
    Amei a sua resenha, confesso que não compraria pela capa, mas, pela sua resenha vi que o livro deve ser muito bom, amo esse tipo de livro e irei incluí-lo na minha lista infinita. :)

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Olá,

    Eu confesso que eu também fico um pouco com o pé atrás quando histórias ficam remetendo ao passado, isso porque sou uma pessoa muito ansiosa, aí fico louca para saber o desenrolar de tudo haha. No entanto, gostei muito dos fatos da vida das garotas que você abordou e isso realmente me deixou interessada. Fico feliz que a leitura tenha se tornado agradável para você. E ah, gostei bastante da capa, me lembra aquelas fotos de verão que tiramos nas férias haha

    Abraços
    colecoes-literarias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oii... Não conhecia essa autora, mas o livro parece ser bem interessante, eu curto mais romance mas gosto de variar de vez em quando e acho que esse livro vai ser uma ótima ideia. Eu não gosto muito de ler livro em e-book pois tenho o mesmo problema que você, de ler eles somente pelo celular. Gostei muito de saber que o livro fica voltando ao passado, adoro ler livros assim, na minha opinião ajuda a entender melhor a estória. Enfim... As Garotas de Corona del Mar já foi para listinha, espero gostar desse livro também! bjs

    ResponderExcluir
  11. Oi, Bia
    Eu não gosto de ler pelo celular, acho péssimo!!
    Mas gostei bastante da sua resenha, se não tivesse lido, nem ia conhecer o livro.
    Muito boa essa parceria do blog com a editora!!!
    Bom saber que ele te surpreendeu.
    Quem não tem amigas de longa data, né?
    beijos

    ResponderExcluir
  12. Não conhecia o livro até então, mas gostei bastante do plot. Adoro livros que tratam de amizades, prefiro mil vezes a romances. Eu, como você leio livro pelo celular, mas já me acostumei. Sempre falo que vou compra um e-reader, mas como nunca dá, acabei me acostumando.

    ;D
    Nelmaliana Oliveira

    ResponderExcluir
  13. Oii,

    Tinha visto esse lançamento no Facebook. Mas como parceira da editora não recebi nada, nem um informativo sobre esse livro. Bom, não conhecia a autora e confesso que essa história não me interessou muito, apesar da capa ser bem bonita.

    beijos

    ResponderExcluir
  14. Oi

    não conhecia esse livro, geralmente não é o estilo de leitura que eu goste, mas sua resenha me fez pensar...bastante....

    parabéns pela resenha!!!

    bjs

    ResponderExcluir
  15. Hi baby, tudo bem? assim como você só conheceu esse livro por causa da parceria, eu só conheci por causa da sua resenha hehe parece ser bem interessante, gostei da premissa da amizade e tal mas no momento não estou querendo ler nada relacionado ao tema (culpa de uma amizade longa que foi desfeita) mas gostei muito da sua resenha, parabéns!

    Lilian Valentim
    http://speakcinema.blogspot.com.br/
    beijinhos

    ResponderExcluir
  16. Olá... tudo bem??
    Nossa me deu arrepios quando você falou da negligência da mulher... com o filho... não a justifico e nem a defendo... mas o que ela passou e não chegou a enlouquecer, foi louvável... as coisas não são fáceis para quem tem filho ainda mais deficiente e ter que arcar com tudo... chega uma hora que você explode... e falo isso por experiência própria.... eu tive depressão pós parto e se não fosse minha mãe não sei o que teria sido de mim e minha filha... não justifica nenhum um pouco os maus tratos do menino, mas sei lá... acho que ela não tinha ninguém por ela... e ela achou mais fácil se render... eu gostei da premissa do livro e fiquei curiosa pela história... assim que eu tiver a oportunidade vou ler...

    ResponderExcluir