Resenhas

terça-feira, 3 de maio de 2016

Livros que deveriam virar filme [2]


Bom...  Na minha opinião, existem livros que nos cativam com uma intensidade indescritível e que em um determinado momento, acabamos querendo ver seus direitos vendidos aos grandes estúdios. Imaginamos atores que poderiam interpretar nossos personagens queridos e rezamos para que a adaptação seja boa e não frustrante. Até porque, geral concorda que mesmo que exista aquela parada onde o livro é sempre melhor, no fundo gostaríamos sim, de ver nossa história preferida na tela dos cinemas. Aceitamos algumas mudanças das adaptações, porque é impossível isso não acontecer e seguimos com fé.

Então, caros amiguinhos, hoje é a vez da titia Grá traz dois livros que deveriam virar filmes. Bora começar então...




Chava é uma golem, criatura feita de barro, trazida à vida por um estranho rabino envolvido com os estudos alquímicos da Cabala. Ahmad é um gênio, ser feito de fogo, nascido no deserto sírio, preso em uma antiga garrafa de cobre por um beduíno, séculos atrás.
Atraídos pelo destino à parte mais pobre de uma Manhattan construída por imigrantes, Ahmad e Chava se tornam improváveis amigos e companheiros de alma, desafiando suas naturezas opostas. Até a noite em que um terrível incidente os separa. Mas uma poderosa ameaça vai reuni-los novamente, colocando em risco suas existências e obrigando-os a fazer uma escolha definitiva.
O romance de estreia de Helene Wecker reúne mitologia popular, ficção histórica e fábula mágica, entrelaçando as culturas árabe e judaica com uma narrativa inventiva e inesquecível, escrita de maneira primorosa.




Cara... As palavras me faltam quando preciso explicar o que senti quando terminei esse livro e é por isso que não fiz a resenha ainda. Mesmo assim vou tentar passar para vocês a parada do porque ele deveria virar filme. Certo... além dele virar um dos meus livros favoritos (outro fato), a história é tão fantástica e tão bem construída que fiquei dias com ela na cabeça. A narrativa é fluida e os personagens são apaixonantes. É uma mistura de contos das culturas árabe e judaica que deu muito certo, em uma Nova York crescente no final do século XIX. E a autora mandou tão bem, que ela tem o dom de conseguir fazer você viajar na leitura, imaginando as cenas e cenários com uma facilidade surpreendente. Você realmente sente como se estivesse ali, presenciando tudo de pertinho. E isso caro coleguinhas, é difícil ao meu ver, porque sabemos que histórias fantásticas exigem detalhes e que algumas vezes a parada fica cansativa e maçante, ainda mais quando a construção da história envolve culturas diferentes. Fora isso, vamos conhecer esses seres míticos totalmente diferentes e como conseguem completar um ao outro de uma maneira bela e intensa. Então, temos uma história de amizade, descobertas e amor, além da trama à parte que apresenta um cenário muito bem construído e outros personagens que completam magnificamente o enredo. Enfim, merece uma adaptação, certo?Até porque não é a toa que o romance de estreia de Helene Wecker, foi eleito como uma das melhores fantasias históricas pelo Goodreads e ganhou o Prêmio da VCU Cabell de Melhor Romance de Estreia. Então, sim! Merece uma adaptação cinematográfica! Só penso que sendo bem feita, vamos ser presenteados no final com um grande sorriso no rosto.

Aahhhhhh momento babando na capa do livro. Gente... o que é essa capa? É tão maravilhosa! Tão perfeita! Sério... DarkSide não brinca em serviço, isso é fato!







Dante sabe nadar. Ari não. Dante é articulado e confiante. Ari tem dificuldade com as palavras e duvida de si mesmo. Dante é apaixonado por poesia e arte. Ari se perde em pensamentos sobre seu irmão mais velho, que está na prisão. Um garoto como Dante, com um jeito tão único de ver o mundo, deveria ser a última pessoa capaz de romper as barreiras que Ari construiu em volta de si. Mas quando os dois se conhecem, logo surge uma forte ligação. Eles compartilham livros, pensamentos, sonhos, risadas - e começam a redefinir seus próprios mundos. Assim, descobrem que o amor e a amizade talvez sejam a chave para desvendar os segredos do Universo.





Ok, vamos para outro livro favorito e vocês podem conferir isso na resenha que fiz, clicando aqui.

Como disse antes, Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo é cativante, bela, sensível e intensa história de amizade e amor. Com uma sucessão de acontecimentos que te prende do começo ao final. A leitura foi tão rápida e prazerosa, que realmente não vi o tempo passar. A sensibilidade apresentada pelo autor Benjamin Alire Sáenz é um dos pontos fortes e merece sim uma adaptação de cinema. Imagino que se tivéssemos sorte na escolha do roteirista, cara... Sairíamos do cinema com os olhos inchados de tanto chorar, mas com o coração cheio de amor para dar. É clichê o que tô falando? Não ligo, pois a forma como o autor narrou essa história é totalmente única, e não tem como não se apaixonar! Só lendo para entender...  Então, eu desejo que vocês leiam hahahaha e que vire filme.

Então por hoje é só, coleguinhas! Espero que comentem o que acharam, pois titia Grá adora ler a opinião de vocês.  =D 

Comente com o Facebook:

3 comentários:

  1. Oii... O primeiro eu não conheço mas o segundo eu já li muitos comentários a respeito, falaram que é um livro muito bom, que a estória te envolve de uma maneira que você não quer largar o livro. A capa dos dois são lindas! Eu vou adicionar o Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo a listinha pois agora fiquei curiosa para saber mais dessa obra!!

    ResponderExcluir
  2. Desde que li sua resenha eu fiquei super curiosa com "Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo". E só pelo que li já deu pra imaginar um filme.
    Preciso colocar na minha listinha do skoob pra não esquecer. ;)

    ResponderExcluir
  3. Concordo com a Bia , só que a resenha a gente imagina um super filme !!!! :D

    ResponderExcluir