Resenhas

quarta-feira, 15 de março de 2017

:: Resenha 263 :: "A Rosa Branca", Amy Ewing


Sinopse: A CONTINUAÇÃO DE DA CIDADE SOLITÁRIA PROMETE SER AINDA MAIS EMOCIONANTE!
No livro "A Joia", primeiro volume da série - A Cidade Solitária - Violet Lasting é comprada por uma das mulheres mais poderosas da realeza, a Duquesa do Lago, e vai viver com ela na Joia, o círculo onde mora toda a nobreza. Agora, Violet tem de fugir da Joia, do círculo nobre da Cidade Solitária para salvar a própria vida e a do seu amor, Ash. Junto com seu amado e Raven, sua melhor amiga, Violet tenta se libertar da terrível vida de servidão e crueldade. Só que ninguém disse que deixar a Joia seria fácil, e ela terá que passar por grandes obstáculos. No meio disso tudo, a jovem ainda descobre que há uma revolução sendo planejada contra a realeza e que seu papel nisso é fundamental. É hora de Violet descobrir que é muito mais poderosa do que sempre imaginou! A Rosa Branca é o segundo volume da trilogia "A Cidade Solitária" e traz novas e incríveis reviravoltas. Será impossível não ficar ansioso pelo último livro da saga.

Olá, pessoas lindas! Vamos falar de mais um livro que ganhamos através da Aliança de Blogueiros RJ? Vamos!! Vamos falar de mais um livro da nossa nova parceira LeYa que acabou com a minha estrutura? Vamos!! E finalmente, vamos falar de mais um livro da LeYa, cedido em parceria através da Aliança e que eu preciso da continuação urgentemente? SIM!!

É isso aí minha gente, é o segundo livro da LeYa que me deixa louca para o próximo. Olha, se rolar mais um, quero música no Fantástico! Mas chega de enrolação e vamos falar sobre o livro de hoje. A Rosa Branca, de Amy Ewing, é uma trilogia distópica e apesar dos segundo livro ter a fama de ser aquele com a trama de transição, aqui ele te deixa superligada. Não falta ação nele, mais até do que no primeiro! E eu vou já dando o meu parecer de cara, eu li algumas críticas negativas, especialmente no Goodreads, mas eu adorei o livro e o universo criado pela Amy! Além de uma trama cheia de reviravolta e tensão, vamos combinar que hoje em dia, livros onde a personagem feminina é A Poderosa e não a donzela em perigo, são sempre bem-vindos! Então, vem ver a resenha dele, vem!

Falando sobre o primeiro livro, vou ficar devendo a resenha dele para vocês. Estamos com uma situação de deadline no blog e acabei correndo na leitura de A Joia. Fiz ela de forma rápida, mais para conhecer a história e os personagens e não de forma mais calma, analisando tudo que está acontecendo, a escrita, os personagens com mais detalhes. Acabei deixando essa análise para o segundo que foi cedido e por isso ganha a resenha, e pretendo fazer essa resenha de forma que você entenda o que está acontecendo, mesmo sem conhecer A Joia, mas eu sou uma pessoa de palavra e em breve trago a resenha do primeiro livro dessa trilogia! #Prometo



A história basicamente acontece em uma ilha que está dividida em 5 círculos, mas antes de falar sobre os círculos, deixa eu falar rapidinho das substitutas e especialmente da Violet. Nesse enredo criado pela Amy, as mulheres da Realeza (vou falar dos círculos já) não podem ter filhos, e para isso usam as Substitutas, meninas que são testadas tão logo menstruam pela primeira vez e se o teste revela que elas tem o poder dos Presságios, elas são retiradas de suas casas, mantidas presas em alojamentos onde são educadas para um dia serem vendidas. Violet sabe que esse sistema é ultrajante, ser vendida, numerada e perder sua família não é nenhum privilégio, mas ela não sabe o poder que tem, coisa que só vamos descobrir em A Rosa Branca. Mas antes, vamos conhecer os círculos e já ter uma boa ideia do que é A Cidade Solitária.

Meus pulmões se expandem e o peso de tudo me oprime. Uma torrente de lágrimas transborda dos meus olhos quando escondo o rosto em seu peito. O motor do carro é ligado, e sinto a vibração percorrendo meu corpo. Ouço os ruídos abafados da porta da garagem abrindo e fechando, e depois sou jogada contra Ash quando Garnet põe o carro em movimento.

Pântano, camada mais pobre, seus moradores trabalham nos outros círculos, mas não tem dinheiro para não viver fora do Pântano, descrito por ser sujo, abandonado e com baixos recursos, é nele que nascem todas as substitutas, mas não é explicado porque elas só nascem lá;

Fazenda, o nome já explica tudo, mas um bom detalhe sobre a ilha, é que tudo que se planta lá, cresce. Violet, nossa protagonista descreve a Fazenda como um lugar colorido e com exceção do Pântano é o círculo mais afastado da realeza;

Fumaça, zona industrial onde seus moradores geralmente ficam doentes de algo chamado de pulmão negro, em decorrência a poluição, é um lugar onde o cinza predomina e os moradores que trabalham nas fábricas pareciam carregar o peso do mundo, segundo a descrição da Violet;

Banco, nesse círculo já existem pessoas com dinheiro, muitas lojas e mercados mais vivos e coloridos, algumas mulheres do Banco tem dinheiro para inclusive comprar uma substituta, apesar delas terem a capacidade de gerar filhos;

Joia, lugar onde vive a Realeza e onde as meninas do Pântano que demonstram a habilidade dos presságios vão morar com o único objetivo de ser incubadoras para as mulheres de realeza que são incapazes de gerar filhos.

Pela descrição dos círculos já dá para entender como funciona essa sociedade criada nessa ilha, e ela é descrita para nós pela Violet, a nossa protagonista que acaba de fazer 16 anos e por isso vai para o Leilão, ser vendida, literalmente, para uma das famílias da Joia e assim poder gerar um filho.

O que vemos no primeiro livro é que todo o luxo e opulência da Joia, que até mesmo encanta algumas das substitutas mais inocentes, esconde um lugar onde a traição e a morte são práticas comuns e quando o livro acaba, Violet está vivendo um verdadeiro inferno, já que seu romance proibido com Ash, um acompanhante, acabou de ser descoberto pela Duquesa do Lago, sua compradora e uma mulher muito cruel.

Substitutas não são meninas bobas que podem ser compradas e vendidas, tratadas como animais de estimação ou peças de mobília.
Somos uma força a ser reconhecida e respeitada.

E aí começa o segundo livro já todo trabalhado na tensão. Não faltam momentos de fugas e corridas desenfreadas pelos círculos, já que Lucian, uma dama de companhia (sim, ele é homem, e para ficar nessa função ele foi castrado cruelmente!) que está fazendo de tudo par salvar Violet, mas porque tem suas próprias razões para tal, manda ele ir para a Fazenda. A cada círculo que Violet, Ash e Raven (outra substituta e melhor amiga de Violet) atravessam, mais partes eles ficam de ficar seguros, mas o risco de serem reconhecidos nunca passa e o livro fica repleto de tensão! Gente, pode me chamar de sádica, mas foi maravilhoso!

“Escolher o que eu quero: escolher é liberdade, Violet.”

Fazendo uma comparação rápida, A Joia foi bem morno, quase lento na narração, nós vamos descobrindo o círculo da realeza e suas maldades junto com a Violet e isso arrasta a leitura, mas em A Rosa Branca, não só a fuga, mas tudo que a Violet descobre sobre si mesma e seus poderes que são muito maiores que a realeza permite que elas descubram, faz o livro ser eletrizante! E o final é de deixar todo mundo ansioso com crise nervosa! Preciso do último livro para ontem! Sério, o final é de deixar até o mais calmo dos seres nervoso! Estejam avisados!

No geral, a série Cidade Solitária é uma daquelas que você vê a capa, fica achando que a trama é algo mais para o lado de A Seleção, e por uns momentos o primeiro livro meio que me enganou nesse ponto, mas a coisa muda de figura totalmente no segundo! A revolução está chegando, a Realeza e suas maldades vão receber por tudo que fizeram e eu quero ver de camarote o circo pegar fogo! Foi uma grata surpresa e já me encantei com eles, vale a pena!

Nome: A Rosa Branca
Série: A cidade solitário #2
Autora: Amy Ewing
ISBN-13: 9788544104415
ISBN-10: 854410441X
Ano: 2016
Páginas: 320
Editora: LeYa
Compre aqui: Amazon
Classificação:

Sobre a autora: 

Ela cresceu em uma pequena cidade nos arredores de Boston, onde sua mãe bibliotecária incutiu a ela um profundo amor pela leitura. Amy mudou-se para Nova York em 2000, para estudar teatro na Universidade de Nova Iorque. Ela trabalhou em restaurantes, como assistente administrativa, babá, e representante de vendas para um distribuidor de vinho antes de começar a escrever. Amy tem mestrado em Escrita Criativa para Crianças por The New School, onde ela teve a sorte de encontrar uma comunidade fabulosa de escritores YA. Ela mora no Harlem, onde ela passa os dias escrevendo, comendo queijo, e, ocasionalmente, assistindo The Vampire Diaries.

Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Olá Tali!!!
    Adorei a resenha!!!
    Preciso contar, q nunca li uma distopia...Mas como nunca é tarde, pra se conhecer coisas novas e como amo as indicações de vcs, não custa experimentar ;-)
    Então vai pra imensa lista kkkkk ;-)
    Bjs :-*

    ResponderExcluir
  2. O terceiro livro da série ja foi lançado no Brasil??!

    ResponderExcluir