Resenhas

quarta-feira, 31 de maio de 2017

:: Resenha 292 :: "A Melodia Feroz", Victoria Schwab


Sinopse: Kate Harker e August Flynn vivem em lados opostos de uma cidade dividida entre Norte e Sul, onde a violência começou a gerar monstros de verdade. Eles são filhos dos líderes desses territórios inimigos e seus objetivos não poderiam ser mais diferentes. Kate sonha em ser tão cruel e impiedosa quanto o pai, que deixa os monstros livres e vende proteção aos humanos. August também quer ser como seu pai: um homem bondoso que defende os inocentes. O problema é que ele é um dos monstros, capaz de roubar a alma das vítimas com apenas uma nota musical. Quando Kate volta à cidade depois de um longo período, August recebe a missão de ficar de olho nela, disfarçado de um garoto comum. Não vai ser fácil para ele esconder sua verdadeira identidade, ainda mais quando uma revolução entre os monstros está prestes a eclodir, obrigando os dois a se unir para conseguir sobreviver.

Sabe aquelas coisas que quando acontecem só pode ser destino? Vou dar um exemplo: Eu estava com o celular na mão pesquisando livros no Goodreads. Aquela coisa de auto-tortura, porque nem sempre os livros vem para o Brasil, quando vi A Melodia Feroz, que na verdade se chama The Savage Song. Eu fui toda pelo nome e quando li a sinopse, eu só amei e já pensei hummm... quero! Foi então que eu lembrei que já tinha visto a Editora Seguinte falando no canal deles que esse livro chegaria em 2017. Daí começa o que? A ansiedade! De repente, há algumas semanas, chega um e-mail de proposta de prova da editora. E qual era o livro? Qual? SIIIMMMMMMM! A Melodia Feroz!!! Só não gritei porque minha família já acha que sou louca e não poderia arriscar um tarja preta quando eu finalmente poderia ler essa fantasia sensacional, porque sim, meus amores, esse livro é SENSACIONAL!!!!

A Melodia Feroz é uma fantasia brilhante, narrada em terceira pessoa que segue a vida da Kate Harker e do August Flynn. Até aí nada de muito novo, mas vamos aos detalhes. Nesse universo criado pela Victoria Schwab (desafio: falar esse sobrenome!) a sociedade que conhecemos está desfeita, em seu lugar temos o que seria o Estados Unidos dividido em dois grandes centros, a Cidade Norte e a Cidade Sul, e cada uma controlada por um homem. A Norte é controlada pelo cruel e ganancioso Callun Harker, e a Sul, pelo bondoso Henrry Flynn. Porém, não é isso que faz esse universo ser brilhante, o que é realmente genial é o fato de que, nesse universo, a violência gera monstros de verdade! #shocking

Ela disse, esforçando-se para ser a Kate certa, aquela que queria ser perto dele, aquela que merecia estar ao lado dele. Não a menina deitada no campo ou chorando no carro antes do acidente. A que não tinha medo de nada. De ninguém. Nem mesmo dele.

Existem três tipos de monstros nesse universo, os Corsais, criaturas sombrias e disformes que surgem através de atos violentos, tem os Malchais, pálidos, translúcidos com garras e dentes meio vampirescos e que ainda tem uma aparência meio humana que aparecem quando acontece homicídios, e por fim, existem os monstros Sunais, que possuem aparência completamente humana, suas únicas marcas de monstros, vamos assim dizer, são marcas em suas peles que contam os dias desde que um Sunais sucumbiu as trevas e voltou a sua forma original. Os Sunais, que na história são apenas três, Ilsa, Leo e August (isso não é spoiler, tá na sinopse!), surgem quando acontecem muitas mortes violentas e são descritos como praticamente invencíveis e extremamente poderosos, já que para um Sunais matar, basta ele tocar uma música.

Bom e mau eram palavras frágeis. Os monstros não ligavam para intenções ou ideais. Os fatos eram simples. O Sul era o caos. O Norte, a ordem. Era uma ordem comprada e paga com sangue e medo, mas ainda assim ordem.

É nesse universo que vamos conhecer melhor a Kate, filha do líder da Cidade Norte que possui uma personalidade totalmente #badass, que já passou por 5 internatos longe do pai e só quer voltar para a cidade Norte e provar para Callun que ela não é medrosa e é digna de ficar ao lado dele. A única coisa que ela quer é provar ser tão cruel quanto Callun, um homem que controla os monstros sendo o juiz, juri e o carrasco, vendendo proteção para aqueles que podem pagar. Já August, um monstro Sunais criado como filho pelo Henrry Flynn, um ex cirurgião, quer ser exatamente como o pai, um homem que protege os homens sem cobrar, que acredita na paz. 

Quando alguém aperta um gatilho, dispara uma bomba, faz um ônibus cheio de turistas cair da ponte, o resultado não são apenas escombros ou cadáveres. Existe outra coisa. Algo mau. Uma consequência. Uma repercussão. Uma reação a todo o ódio, dor e morte. O Fenômeno era isso na verdade: um ponto crítico. (...) Era uma questão de tempo até todo esse mal começar a tomar forma.

O problema é que existe uma trégua entre as duas cidades e essa trégua está com os dias contados. Conflitos isolados estão cada vez mais frequentes e é uma questão de tempo até a guerra voltar as portas dos dois homens. Enquanto Callun parece querer esse conflito, Henry deseja manter a paz e usa August, aproveitando de sua aparência humana, para estudar com a Kate, e assim, ficar de olho na filha de Callun. Simples? Claro que não! Nem tudo é o que parece nesse mundo criado pela Victoria, e tanto August quanto Kate vão precisar colocar algumas diferenças de lado, aprender mais sobre si mesmo e sobre o que está acontecendo para poder sobreviver em um lugar onde a violência não é simplesmente comum. Ela literalmente cria monstro ainda mais cruéis! 

- E você? - Kate perguntou. - Seu irmão é um justiceiro; sua irmã, dispersa. Você é o quê?
A resposta de August saiu quase baixa demais para se ouvir.
- Um perdido. - Ele suspirou, parecendo tirar muito mais do que ar de seus pulmões. - Sou o que acontece quando uma criança tem tanto medo do mundo que vive que escapa da única maneira que conhece: com violência.

Dá para sentir que esse livro é brilhante, e sim, eu percebi que usei essa palavra umas três vezes nessa resenha, porque não tem melhor forma para definir essa distopia! Dividido em 4 versos, teve momentos em que eu precisei me forçar a parar de ler para poder ir trabalhar! O livro prende, a trama não arrasta, mesmo o começo sendo mais lento porque precisamos entender esse mundo estranho, ainda vão acontecendo coisas que você sabe que vai dar ruim, se não agora, mais para frente! Os personagens principais são dos melhores protagonistas de distopias que li nos últimos tempos, Kate tem uma fachada durona, mas dá para notar sua fragilidade, e August, que aparentemente é mais frágil, tem muito problema em ser quem ele é, mas quando está em “modo monstro”... MEU DEUS!!!!! 

- Ser. Não ser. Me entregar. Me conter. Não importa o que eu faça, tudo dói.
Kate inclinou a cabeça para trás, apoiando-se na banheira.
O nome disso é vida, August. Você queria se sentir vivo, certo? Não importa se é monstro ou humano. Viver dói.
Eu vou resumir tudo que eu senti ao chegar no fim do livro: pelo amor de tudo que é mais sagrado, eu estou aqui implorando para a Editora Seguinte publicar ainda esse ano Dark Duet, o segundo volume dessa duologia, porque que final foi aquele minha gente?? Eu preciso ler logo esse livro, aceito antecipado, de boa! Uma trama maravilhosa e muito bem amarrada, personagens que me levaram de cara, muita ação e muita treta e uma escrita de tirar o fôlego! Já sou fã da Victoria! Por favor, Seguinte! Eu nunca te pedi nada!



Nome: A Melodia Feroz
Série: Monstros da Violência #1
ISBN-13: 9788555340413
ISBN-10: 8555340411
Ano: 2017
Páginas: 384
Compre aqui: Saraiva
Classificação:


Sobre a autora:

Victoria é o resultado de uma mãe britânica, um pai de Beverly Hills e uma educação sulista. Por causa disso, ela é conhecida pelo seu sotaque. Ela também conta histórias, além de amar contos de fadas, folclore e histórias que a fazem imaginar se o mundo realmente é o que parece.

Comente com o Facebook:

9 comentários:

  1. Imagino que por essa trama ser brilhante (risos), deve ter sido muito cativante, envolvente, e surpreendente, e pela sua descrição a estória aborda tudo isso e muito muito mais. Outra coisa que me chamou a atenção foi a originalidade dessa escrita, tudo para mim me pareceu novidade, a divisão do pais, enfim, tudo de uma forma geral me surpreendeu. Quando li a sinopse desse livro já imaginei que o desenvolvimento desse livro seria bom, mas não que fosse tão brilhante quanto parece ser.

    ResponderExcluir
  2. Olá Tali!!!
    Ameiii a resenha!!! E seus surtos kkkkkkkk
    Não li nada dessa autora, mas já quero...apesar desse final de comentário, me deixar ansiosa pra ter todos antes de começar...mas tomara q já tenha o segundo, quando ler o 1...Já tá na lista!!! ;-)
    Bjs :-*

    ResponderExcluir
  3. Oi Talita, a resenha tá bem empolgada e animada e se já não estivesse curiosa sobre esse livro com certeza iria terminar a leitura da resenha ansiosa pra conhecer também essa história. Gostei que a história vem de uma duologia e espero que a editora logo logo lance a continuação pro seu bem e pro meu também que quero ler ;) Enfim, gostei da resenha e de saber que o livro é brilhante, espero poder lê-lo também logo :D

    ResponderExcluir
  4. Oi!
    Estou bem curiosa sobre esse livro, quando vi no lançamento ele logo me chamou atenção, achei bem interessante essa historia e principalmente esse mundo que a autora criou, achei interessante como ela trabalha essa questão da violência e fiquei curiosa para poder conhecer os personagens, a capa desse livro está linda !!

    ResponderExcluir
  5. Oi.
    Quanta empolgacao kkkkkk.
    Eu adorei a premissa do livro e Fiquie bastante curiosa para ler, o fato de que é um mundo completamente novo ja me cativou enfim esse vai para minha listinha com toda certeza.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  6. Estou bem animada com esse livro e porque de novo vi coisas ótimas sobre ele. As resenhas estão elogiando muito.
    Adorei essa ideia do universo dele, a fantasia envolvida...e parece ser um ótimo livro por prender mesmo, a gente começa sem esperar tanta coisa mas depois parece que não dá pra largar de tão envolvido que deixa!
    Adorei esses personagens. A Kate me deixou um pouco receosa por umas coisinhas que vi, mas no fim das contas ela parece muito legal. Bem feita, com suas complexidades e etc. O August foi quem mais me encantou. Eita personagem! Nem conheço mas acho que vou adorar, esse aí tem muito a oferecer.
    Parece um ótimo livro e não vejo a hora de poder ler também ^^

    ResponderExcluir
  7. Oi Talita :)
    Estou doida para ler esse livro desde que a Ed. Seguinte anunciou o lançamento!
    Além de achar essa capa magnífica, pelo que você disse parece ser uma história bem diferente, do jeito que eu gosto *-*
    Adoro quando o autor cria um livro que tem tanta singularidade!
    Acho que vou gostar bastante *-*
    Bjos

    ResponderExcluir
  8. Talita
    Também tenho parceria com a Seguinte e queria muito ter ganho esse livro nas provas, mas perdi. Parece que a autora virá na Bienal, ansiosa já

    beijos

    ResponderExcluir
  9. Talita, mulher! Pisa menos na resenha!
    Eu li A Guardiã de Histórias e amei, e pela sua resenha que está MEGA completa (mesmo sem ter lido, mas já captei todo espírito do livro), quero muito! Seguinte, me envia! Nunca te pedi nada hahahaha

    Beijos!
    Paulinha C.
    www.naoleia.com

    ResponderExcluir