Resenhas

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

:: Resenha 310 :: "As cores do amor", Camila Moreira


Sinopse: O que define uma pessoa? O dinheiro? O sobrenome? A cor da pele? Filho único de um barão da soja, Henrique Montolvani foi criado para assumir o lugar do pai e se tornar um dos homens mais poderosos da região. No entanto, o jovem se tornou um cafajeste aos olhos das mulheres, um cara egocêntrico segundo os amigos e um projeto que deu errado na concepção do pai. Quando o destino coloca Sílvia em seu caminho, uma jovem decidida e cheia de personalidade, Henrique reavaliará todas as suas escolhas. O amor que ele sente por Sílvia o fará enfrentar o pai e transformará sua vida de uma maneira que ele nunca pensou que fosse possível. Um sentimento capaz de provar que nada pode definir uma pessoa, a não ser o que ela traz no coração.

Oi, amores e amoras! Vamos de romance hoje? E que tal um romance que caiu na minha mão antes mesmo do lançamento do livro? Tá phina a coisa hoje, minha gente!
A resenha de hoje é do romance nacional As Cores do Amor, da Camila Moreira, que recebemos uma cópia adiantada, uma semana antes de chegar nas livrarias de todo esse Brasil de meu Deus. E antes mesmo de falar sobre o enredo e dar as minhas opiniões, quero deixar uma coisa esclarecida: As Cores do Amor é um spin-off de 8 Segundos, que saiu pela Suma de Letras em 2015, porém, você pode ler Cores sem ter lido o anterior, coisa que eu fiz, na verdade esse é o meu primeiro livro da Camila. Um spin-off é um livro que se passa dentro do universo de outro livro. Personagens vão aparecer, mas não tem nada de um livro que você precise saber para entender o outro. É claro que para uma experiência completa é bom ler os dois, já estou prometendo fazer isso em breve (entrou na lista Bienal), mas se você não fez e quer começar por Cores, pode! Dito isso, vamos a resenha!

Creio eu que não exista um ser que nunca parou para ver pelo menos um capítulo de novela mexicana, aquelas maquiagens exageradas, reações enormes e o drama, muito drama! Choro, lágrimas e armações para separar o casal acontecem a todo instante, e a gente curte isso! Se a mocinha não estiver chorando, não tem graça, por mais forte que ela seja, ela vai chorar, tem que chorar! E essa é a melhor forma de definir As cores do Amor, novela mexicana, das boas! Daquelas que param o Brasil para ver o destino do vilão, que faz todo mundo cantar a trilha sonora em um portunhol penoso e deixa eu explicar porque isso.



A história começa com um prólogo já de partir o coração com o Henrique novinho sofrendo nas mãos do capeta, digo, do seu pai, o Coronel Enzo Montolvani. Já nesse começo dá para perceber que o pai do Henrique é racista e trata o filho de forma muito cruel. Anos depois, quando Sílvia vai ser madrinha no casamento da sua amiga Pietra com o Lucas (Pietra e Lucas são os protagonistas de 8 Segundos), Henrique, que está no altar pelo lado do Lucas, fica fascinado pela negra linda que está bem ali, reluzente e muito sedutora. Como ele não passa vontade no quesito mulher, parte logo para uma investida e os dois acabam se beijando no casamento, mas no meio da festa, com toda aquela agitação, acabam esquecendo de trocar contatos.

Quando eu era criança, ficava imaginando por que eu era diferente, mas hoje sei que sou normal, e diferentes são aqueles que me tratam com desrespeito por causa da cor da minha pele. Eu sou assim: absorvo o que me faz bem e ignoro o que não me acrescenta.

E aí acontece a primeira desavença na vida deles. Quando Henrique vai acompanhar o pai em uma consulta médica (Enzo está com câncer), acaba encontrando Sílvia e com medo da reação do pai, como eu disse, um racista que não se importa em ofender a tudo e a todos, acaba fazendo o esquecido e fingindo não conhecer a moça. Segundo ele, não queria que o pai humilhasse a menina. É claro que, para Sílvia, isso pega muito mal e ela vai embora fazendo a pior pintura possível do Henrique.



Não, ela não foi embora correndo! A Sílvia começa o livro muito forte, ela lida com preconceito a todo instante, seja na faculdade ou no trabalho, e ela precisou criar uma carapaça dura, quando se viu sozinha, aos 18 anos tendo que terminar de criar a sua irmã, depois da morte do pai e do abandono da mãe. É claro que o mal entendido entre o casal se esclarece e os dois passam a viver um romance bem quente e com muitos empecilhos no caminho. O principal, o racismo do Enzo que não vai aceitar que seu único filho tenha um romance com uma negra.

- Até parece que você não aprende, Sílvia - murmurei sozinha enquanto ligava o carro. - Contos de fada não existem. E, se existem, não vão acontecer com você.

O livro é bom, é bem verdade que algumas coisas me incomodaram bastante durante a leitura. Por exemplo, a Sílvia é descrita como forte, decidida e no começo ela é assim, mas depois de um dado momento ela chora, mas chora o tempo todo, e “como nunca antes chorou em sua vida”.



E não pense que é só a Sílvia não! O Henrique tem a sua dose de lágrimas e teve momentos em que eu falei: Mais choro? Ai, Deus! Uma última coisa que me incomodou foi uma decisão da Sílvia, que não bateu com o perfil de mulher forte que eu tinha dela, eu não vou falar muito para não dar spoiler, mas é uma decisão que é muito importante para o rumo da trama, mas vou só dizer que o que bateu negativo para mim. Foi que a todo momento alguém apontava o Henrique como o culpado, ele mesmo fica numa bad de culpa, mas ninguém vira para a Sílvia e fala que naquela decisão ela errou! Um passado sofrido não dá salvo conduto para personagem e o excesso de perfeição também irrita, personagens precisam ter algo de real e a gente quer...



Claro que não foi o livro todo com isso e no saldo final não interfere muito na avaliação do livro, até porque se me incomodou foi pela única razão do livro ter mexido comigo, e isso é culpa da Camila, sua escrita me envolveu completamente, eu senti os personagens, queria brigar com eles, abraçar, dar um consolo e brigar mais um pouco, mas eu me sentia ali com eles. E se um livro faz isso comigo é porque a escrita da autora foi excelente e me transportou para outro lugar. Se falta mais alguma coisa para te convencer, saiba que levei 7 dias para terminar o livro, o que nessa correria é um recorde! 

Muitas vezes, passamos a vida toda nos escondendo do amor, tentando evitá-lo, mas esquecemos que não temos controle sobre esse sentimento. Não tem como aprisionar um furacão em um corpo. Henrique me fazia sentir um turbilhão de emoções que não cabiam no meu coração.

Vamos ao saldo final, para aquela perguntinha marota. Vale a pena ler As Cores do Amor? Sim, amores e vale muito a pena! A trama é boa, Camila sabe fugir do clichê, mesmo com todos os caminhos podendo levar a ele. O Henrique é um fofo e sua jornada de crescimento é maravilhosa de se acompanhar e talvez um dos principais motivos que me fizeram torcer para pegar essa prova antecipada: temos uma protagonista negra, não moreninha e nem escurinha, ela é negra e se orgulha disso e vamos combinar que falta isso nos livros nacionais. Somos um país negro e precisamos expressar a nossa beleza negra nos livros (prometo falar disso em uma coluna assim que rolar tempo). Na soma de todos esses fatores, só posso dizer: fãs do romance, leiam As Cores do Amor, não vão se arrepender!


Nome: As Cores do Amor
Autora: Camila Moreira 
ISBN-13: 9788584390823
ISBN-10: 8584390820
Ano: 2017
Páginas: 320
Compre aqui: Amazon
Classificação: 


Sobre a autora: 

Camila Moreira, 29 anos, taurina, goiana por nascimento e mato-grossense de coração. Formada em Direito, começou a escrever nas horas vagas, no final de 2013. Mãe de primeira viagem, é fascinada pelo Universo Marvel, ama música sertaneja e botas. Lançados pela Suma de Letras, “O amor não tem leis”, “O Amor não tem leis – O julgamento final”, “8 segundos” e “Minha Melodia” venderam mais de 60 mil exemplares e as obras tiveram repercussão internacional: Camila foi citada pelo jornal The Washington Post como referência da nova literatura erótica brasileira. Sua frase inspiradora vem do livro As cinco pessoas que você encontra no céu, de Micht Albom: “Todos os fins são começos, apenas não sabemos disso na hora.” Mora em Lucas do Rio Verde com o namorado, o filho e três cachorros.

Comente com o Facebook:

4 comentários:

  1. Oi Talita, achei essa capa linda e apesar da choradeira haha achei a história interessante, espero ter a oportunidade de ler futuramente. Ainda não li nada da autora, mas já ouvi falar bem de 8 segundos também e não sei qual dos dois vou querer ler primeiro. Curti a resenha, acho legal histórias que nos despertam emoções e pelo que você descreveu a autora consegue fazer isso *__*

    ResponderExcluir
  2. Oi!!!! Acompanho o blog, mas acho que nunca tinha comentado. Parabéns pela resenha. Comecei a ler essa história quando a Camila começou a postá-la no Wattpad. Me lembro de ter ficado super curiosa, fico super animada pra ler. Paeace que é uma boa história

    ResponderExcluir
  3. Que resenha mara! Muito obrigada! Só pra constar: Amo novela mexicana. Adorei os gifs.Obrigada pelo carinho. ❤

    ResponderExcluir
  4. Olá Tali!!! Volteiii kkkkkk
    Ameiii a resenha!!! Ameiii saber q a protagonista é Negra!!!
    Da Camila, só li até agora, o ABC do Amor e adorei a escrita dela...Quero Muitooo ler esse livro e os outros tb, estão todos na imensa lista, mas acho q esse vai furar fila ;-) kkkkkkk
    Bjs :-*

    ResponderExcluir