Resenhas

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

:: Resenha 340 :: "Jantar Secreto", Raphael Montes





Sinopse: Um grupo de jovens deixa uma pequena cidade no Paraná para viver no Rio de Janeiro. Eles alugam um apartamento em Copacabana e fazem o possível para pagar a faculdade e manter vivos seus sonhos de sucesso na capital fluminense. Mas o dinheiro está curto e o aluguel está vencido. Para sair do buraco e manter o apartamento, os amigos adotam uma estratégia heterodoxa: arrecadar fundos por meio de jantares secretos, divulgados pela internet para uma clientela exclusiva da elite carioca. No cardápio: carne humana. A partir daí, eles se envolvem numa espiral de crimes, descobrem uma rede de contrabando de corpos, matadouros clandestinos, grã-finos excêntricos e levam ao limite uma índole perversa que jamais imaginaram existir em cada um deles.


Bora começar a resenha, hahahaha...



Bom coleguinhas, cá estou (de volta) para falar do livro Jantar Secreto, do autor Raphael Montes. Antes tenho que confessar que esse é o primeiro livro que leio desse autor. E mesmo eu só ouvindo comentários positivos em relação ao Raphael, eu ainda estava no modo automático: “Ah que legal!”, “Que interessante!”... e vida que segue!
Dessa forma, o tempo foi passando e outras leituras foram surgindo, até que um dia, em uma noite de insônia, estava eu navegando nesses sites famosos do mundo virtual, colocando livros no carrinho, sabendo que não ia comprar (quem nunca?), quando vi um livro do Raphael chamado Suicidas - Col. Série Negra. Achei interessante a premissa e resolvi investigar ele. Tipo, tentar conhecer um pouco mais dele, sabe como é, né? Ver quais outros livros ele publicou, ver as críticas quanto ao seu estilo de escrever, como seus livros foram recebidos pelo púbico, coisas normais, de pessoas normais, né? Ou não....
Enfim, nesse tempo de stalkeamento, a nossa parceira Companhia das Letras me enviou o mais novo lançamento do seu selo que era essa belezinha aí: Jantar Secreto. Hahahahaha confesso que fiquei bem feliz e agradeci internamente. Então, mais uma vez, eu não sabendo nada do que se tratava a história, a experiência acabou sendo muito melhor do que eu esperava. É verdade, gente! Depois de conhecer a narrativa fluída e o desenrolar da história que o Raphael criou, eu só posso dizer uma coisa em alto bom tom: Por que demorei tanto para pegar um livro dele?
Jantar Secreto foi um daqueles livros que eu acabei lendo em um dia. Cada página me instigava cada vez mais a querer descobrir os próximos passos dos quatro amigos: Dante, Leitão, Victor Hugo e Miguel, que deixaram a cidade Pingo d'Água, uma cidadezinha no interior do Paraná, para ir estudar no Rio de Janeiro. Dessa forma, posso dizer que Raphael tem o dom em elaborar personagens. Ver o rumo que chegaram suas vidas depois de cinco anos e acompanhar os dias atuais em relação a merda de escolhas deles, foi tipo... a cereja do bolo.

A decisão dos quatro, quando se vêem apertados de grana, chega a proporções inimagináveis. A partir daí o livro mostra a tal "experiência humana" da angústia ao fracasso (com um toque de humor) até ao incômodo do primeiro ato de violência. Ali, mesmo vendo a incerteza, a tendência quase inexorável ao erro e a impotência frente a uma lógica (deles), o caminhar da carruagem mostra em tempo implacável e às vezes incompreensível o desenvolver de suas ideias e as consequências de seus atos.

Não é segredo do que se trata o livro, uma vez que a sinopse lá em cima já mostra que a parada é carne humana servida em jantares secretos. Sendo assim, mesmo que para alguns a tendencia é deixar de lado, já que a história não seria capaz de ser "digerida bem", eu insisto em dizer que é uma leitura muito interessante e que faz você se questionar em vários momentos. E apesar da trágica cadeia de acontecimentos, fica impossível não "comer" o livro. Muitas vezes, você tem aquela sensação que está do lado deles, pois as cenas dos momentos tensos, a violência e suas emoções, são realmente muito bem discretivas.  E quando a força do que vem a ser dispensável pontua qualquer julgamento, cético ou não, agnóstico ou não, quanto à confusão bizarra que eles mesmo criaram, Raphael consegue combinar o humor seco com a ironia da situação e isso, coleguinhas, é a outra cereja do bolo.

Até hoje, esse enigma exerce grande fascínio sobre mim. Nessa história, o que não sai da minha cabeça não é a morte da mulher do sujeito, nem o fato de ele ter jantado a coitada achando que era carne de gaivota, nem de ter se matado por isso. O que me fascina é que o marido comeu carne humana sem saber. E mais: gostou.

Cora estava certa: não dava para ser hipócrita. Eu comia carne desde criança, não comia? Nunca me importei com o sofrimento do boi, com a tortura do ganso, nunca perdi um segundo de sono em homenagem aos porcos e aos frangos que devorei ao longo de toda a minha existência. No fundo, aquelas pessoas não eram tão diferentes de mim.


Enfim, é inegável o dom que esse homem tem para escrever. Sua escrita é ágil, intensa e envolvente, além da criatividade e desempenho da trama. Dessa forma, em minha opinião,  esse é um livro que mexe com você definitivamente. E mesmo que você ame ou odeie ele, no final você vai ter aquela certeza de que depois que terminar, ele ainda vai estar com você por um bom tempo. Tirem suas próprias conclusões, vamos lá... Coloque esse livro na lista de vocês, pois eu recomendo.

Título: Jantar Secreto
Autor: Raphael Montes
ISBN-13: 9788535928358
ISBN-10: 8535928359
Ano: 2016
Páginas: 360
Editora: Companhia das Letras
Compre aqui: Amazon, Submarino
Skoob
Classificação:



Sobre o autor:

Raphael Montes nasceu em 1990, no Rio de Janeiro. Escreveu os romance: Suicidas, Dias Perfeitos e O Vilarejo, todos sucessos de público e de críticas, com os direitos de adaptação vendidos para o cinema. Dias Perfeitos foi traduzido para 22 países e escolhido como o Livro do Mês na Amazon norte-americana.Atualmente, Raphael assina uma coluna semanal em O Globo e escreve roteiros para cinema e TV. www.raphaelmontes.com@montesraphaelraphael_montes 


Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário