Resenhas

segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

:: Resenha 363 :: "A Garota Corvo", Erik Axl Sund

Sinopse: Tudo começa em um parque da cidade de Estocolmo, onde o corpo de um menino é encontrado. A detetive superintendente Jeanette Kihlberg lidera a investigação, lutando contra um promotor apático e uma força policial burocrática que não quer dedicar recursos para resolver o assassinato de uma criança imigrante. Todavia, com a descoberta dos cadáveres mutilados de mais duas crianças, fica claro que um serial killer está à solta. Kihlberg procura a psicóloga Sofia Zetterlund, uma especialista em recuperar crianças que sofreram violência, e as vidas das duas mulheres se entrelaçam de forma quase instantânea profissional e pessoalmente. À medida que se aproximam da verdade sobre os assassinatos, as duas vão aos poucos perceber que os crimes escondem um mal subterrâneo que parece abraçar toda sociedade sueca. Na veia da série Millenium, A Garota-Corvo é um thriller sombrio e de tirar o fôlego, e uma investigação dos recantos mais sombrios da mente humana.

Imagine que dentro de você vive uma outra pessoa.
Suponhamos que esta outra pessoa passe a maior parte do tempo dormindo.
Mas, quando esta "outra pessoa" desperta, você dorme.

Imagine que sua mente seja fragmentada em múltiplas personalidades.
Suponhamos que você saiba que uma destas personalidades é um criminoso.
Mas, não foi "você" quem cometeu os crimes, você estava dormindo.

Então, quem é o culpado?

Como condenar um assassino que vive dentro de um inocente?
Julgando a pessoa por todos os atos de todas as suas personalidades?

Como então, punir uma personalidade?
Prendendo em uma cadeia o corpo em que ela vive?

Mas e a personalidade que é inocente?
Seria justo condenar uma pessoa por um crime que ela não cometeu?

ESSAS PERGUNTAS AINDA ESTÃO NA MINHA MENTE
VOLTA E MEIA, ME PEGO PENSANDO SOBRE TAIS SITUAÇÕES ...


Fala aê, bando de viciados em leitura ^__^

Gao era apenas um menino, um imigrante ilegal, vindo para a Suécia.
A mulher que abordou Gao e o "aprisionou" é apenas uma das personalidades de alguém que não 
faz idéia das atrocidades que é capaz de cometer quando não está em "sã consciência".

Uma pessoa que sofreu abusos na infância teve bloqueios mentais e fragmentações de suas 
personalidades, hoje, "A Garota Corvo" é apenas uma das personalidades de alguém.

Então, quem é A Garota Corvo?


A Garota Corvo é a dona de Gao, ele agora é seu escravo sexual.
Gao e A Garota Corvo vivem um relacionamento que se iniciou em um abuso.
Assim como, teve inicio essa personalidade da pessoa que mantém-o em cárcere privado.
O abuso é a temática principal desta trama ABSURDAMENTE densa e surpreendente.

O tema é pesado e é abordado o tempo inteiro, em certas ocasiões de forma leve, apenas dando a entender e em outras ocasiões de forma explicita, descrito com detalhes.
Obviamente a ficção contida na trama, aborda temas sombrios de uma sociedade real.
Uma sociedade que criou um vilão que vive dentro de uma vítima.

A complexidade da história "bugou" a minha mente em diversos momentos.
Por diversas vezes eu tive que ler o mesmo trecho duas ou três vezes.
Monólogos entre as duas personalidades de uma pessoa são uma novidade pra mim.

No meio disso tudo, Jeanette Kihlberg é uma chefe de polícia, mãe e esposa.


Ela também tenta ser uma atleta amadora, jogadora de futebol feminino.
E está tendo alguns problemas dentro de casa, com o filho e com o marido.

Corpos de jovens que aparentemente foram torturados e mumificados, começam a aparecer.
Jeanette Kihlberg é a encarregada de comandar o grupo que investigará estes crimes.
Mas alguns figurões do alto escalão da justiça sueca vão dificultar as investigações.

Por que alguém dificultaria uma investigação?
EXATAMENTE, não somos bobos, com certeza tem gente grauda metida nisso.

E Gao?
Gao por enquanto é alguém que ainda não virou mais um corpo encontrado.
Talvez porque, para ele, o abuso tenha se tornado algo consensual.
Talvez A Garota Corvo goste dele como nunca gostou de um dos outros.
Talvez ele seja o escravo perfeito, que ela procurava e não encontrava.

Eu li algumas resenhas sobre o livro, a maioria muito boas, focadas na "Trama Policial Sueca". 
Uma espécie de moda que surgiu pra nós com a série "Millenium".
Mas de todas as resenhas que eu li, nenhuma comenta sobre a temática BDSM.
Não sei se as pessoas não perceberam ou se não comentam por falta de conhecimento.

Bom, eu não sou nenhum Christian Grey, até porquê não tenho a grana dele kkkkkkk.
Mas manjo de leve sobre uns paranauês que são explicitamente expostos na trama.

Então vamos lá, sem dar Spoiler porquê não pode e tentando resumir ao máximo, pois estamos falando de um livro de 584 páginas, com letras menores do que as que costumam fazer.

Uma personagem sofreu abusos na infância que acarretaram no desdobramento de sua personalidade, em algumas outras personalidades, que não vou dizer o número porque é legal descobrir.

A personalidade que é a dominante (dominante em termos de ser "a dominadora", em se tratando de relacionamentos "DS" baseados em dominação e submissão, não a personalidade dominante no corpo), tenta ter o escravo perfeito e enquanto não o encontra vai matando os que não servem ao seu propósito. Essa personalidadde é um verdadeiro MIX de todos aqueles que abusaram dela. Ela é um produto do meio em que viveu.

E este menino imigrante, Gao, que inicialmente, assim como ela, foi forçado e abusado, passa a admira-la e a aceitar servi-la de bom grado. Esse é o grande diferencial entre os dois. A personalidade dominadora encontra enfim uma personalidade submissa.

Neste ponto o relacionamento deixa de ser abusivo e passa a ser consensual.
Tanto que, o rapaz chega a conseguir fugir do cárcere e volta, pois lá agora é sua casa.
Pois aquela pessoa agora é sua dona e sua companheira, ele a ama e a venera.

Eu poderia focar em Jeanette Kihlberg que é uma personagem incrível, mas todas as outras resenhas focam nela e ninguém fala sobre a tenue linha que existe entre o abuso e a consensualidade. Obviamente, 99% do que é relatado são crimes, mas a personagem é abusada tantas vezes, em tantas situações óbvias, que fica claro que ela poderia ter evitado, os autores não falam isso, mas evidenciam que ela se colocava em situações de abuso.

A narrativa é muito dinâmica, com capítulos curtos que se passam em lugares reais, tendo inclusive passagens como "Jeanette dobrou na rua tal, no bairro tal", daí você corre no Google Maps e tá lá, no meio de Stockolmo, tudo idêntico ao descrito.

Que resnha enorme, que tema polêmico, espero que gostem, pois no apanhado geral é uma história muito boa. Os autores exageram em alguns pontos, principalmente em relação ao abuso, mas talvez tenha sido a forma que encontraram para abordar o tema.

A Garota Corvo é uma leitura ADULTA, eu recomendo-a para ADULTOS que gostem de thrilers psicológicos complexos e explicitos. É resumidamente "pesado", mas muito bem construido.

Vou aguardar para debater com outras pessoas que tenham lido, para saber se enxergaram da mesma forma que eu.

Lembrem-se, um corpo pode ser a morada de diversas personalidades...

Título: A Garota Corvo
Título original: The Crow Girl
ISBN-13: 9788535928747
ISBN-10: 853592874X
Ano: 2017 
Páginas: 584
Editora: Suma de Letras
Compre aqui: Amazon
Classificação:



Sobre os autores:


Erik Axl Sund é o codinome da dupla de autores suecos, Jerker Eriksson e Håkan Axlander Sundquist. Erik Axl Sund é o autor de quatro romances até agora: Crow Girl (2010), Hunger Fire (2011) e Pythia's Instructions (2012), que formam a trilogia sobre Victoria Bergman e Glass Bodies (2014), o primeiro romance autônomo na nova trilogia da Melancholia.

Comente com o Facebook:

8 comentários:

  1. Oi Bruno, ainda não foi dessa vez que eu já li o mesmo livro que você haha, mas vamos lá, o livro parece ser bem pesado mesmo e mesmo eu sendo adulta rsrs, tô achando ele bem forte pros livros que tenho lido no momento, tô numa vibe mais romântica, alias acho que minha veia é romântica e foge de thrilers psicológicos (quem sabe mais a frente). Ainda assim, achei a resenha super interessante e acho que se fosse um filme eu iria querer assistir. Agora sobre a personalidade dominadora e o submisso, eu não gosto muito kkkk... E ainda sobre a história, Jeanette Kihlberg e A garota corvo, são personagens distintas, ou dividem o mesmo corpo e ela é uma das personalidades? Ótima resenha ;)

    P.S: Cadê a resenha fofinha de natal Bruno?? kkkkkk (zoando)

    ResponderExcluir
  2. CA RA CA Lili, tu não dorme no ponto heim kkkkkkk
    Rápida e rasteira:

    "E ainda sobre a história, Jeanette Kihlberg e A garota corvo, são personagens distintas, ou dividem o mesmo corpo e ela é uma das personalidades?"

    Hummmmmmm O que você acha? Eu não posso dar spoiler, mas você foi num ponto chave.

    Mas é sim uma leitura muito pesada e devo dizer que muitas vezes chega a ser até "perturbadora".

    Mais uma vez agradeço por acompanhar minhas resenhas ^__^

    ResponderExcluir
  3. Brunooooo lembra que eu ja tinha te falado que os suecos são foda quando se trata de ferrar com nossa mente?!?
    Eu ainda não li o livro, mas as suas abordagens são excelentes.
    Acho que a colega que comentou avima pensou exatamente a mesma coisa que eu, mas o que me causa certa curiosidade é se o promotor apático é próximo da investigadora e já desconfiava de alguma coisa.
    Quanto as resenhas que você leu e que ninguém menciona o BDSM é, ao meu ver, claro, por dois motivos: ou não leram de fato a obra; ou não entenderam. Mas isso é paponpara outro dia rsrsrs.
    O que me espanta mesmo é a habilidade dos autores em colocar tantos aspectos psicológicos em uma unica história, multiplas personalidades, síndrome de estocolmo, xenofobia... ufa... cansei...
    Mas a resenha está aprovadíssima, e ja vou garantir o ebook pq não vou mesmo desfilar com esse tijolo disfarçado de livro pelo trem.
    Arrasou mais uma vez na resenha!!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Parceira,
      Lembro, claro !!!
      O que posso dizer é que estamos vendo somente a ponta do iceberg.
      Eu também acho, amiga, que ou o pessoal não leu, ou não entendeu.
      Esses autores são fantásticos, achei que se alongaram um tanto, a história poderia ser mais objetiva, inclusive, existem livros contando outras coisas que aconteceram ao longo dessa história. Algumas passagens que ficaram perdidas.
      Muito obrigado pela força ... esperar você ler pra discutirmos a respeito rsrsrs.
      Sabia que você iria gostar.
      Beijão.

      Excluir
    2. Ja estou louca pra começar, e já quero discurir tudoooo... prepara pq eu vou perturbar no whatsapp rsrsrsrs

      Excluir