Resenhas

segunda-feira, 16 de abril de 2018

:: Resenha 401 :: "Na Sua Pele - Rule", Jay Crownover


Sinopse: Quando o tatuador Rule Archer passa, todos os olhares se voltam para ele. O cara é alto, tem o corpo todo desenhado e penetrantes olhos azuis capazes de fazer qualquer garota suspirar. Rule não segue regras. Rule não namora. Ele é do tipo que passa cada noite com uma mulher diferente... um perfeito bad boy.
A estudante de medicina Shaw Landon é linda, rica e estudiosa. Ela sempre segue as regras. É o tipo de garota que namora alguém escolhido pelos pais. Mas não é isso o que ela quer. Tudo o que Shaw sempre deseja e sempre desejou é ter Rule Archer.
Apesar de se conhecerem há muito tempo, o bad boy nunca havia reparado naquela menina perfeita. Quase ninguém poderia imaginar que os dois formariam um casal. Rule e Shaw são opostos perfeitos. E um relacionamento entre os dois têm tudo para ser explosivo.
Na sua pele vai enlouquecer você. Uma história de amor improvável, muitas reviravoltas e cenas picantes. Esse livro marcará você como nenhum outro.

Como vocês devem ter notado, minha última resenha foi o tenso suspense Deixada para Trás e assim que terminei, meu primeiro pensamento foi que eu precisava de um livro que fosse na direção oposta no que diz respeito a gênero, estilo, narração, tamanho, finalidade, enfim, tudo diferente. Foi então que me vi navegando pelas minhas coleções no Kindle e encontrei a minha pasta que tinha os livros da Jay Crownover, com os 6 livros da série Homens Marcados que comprei na Amazon por preços bem bacanas e aí eu bati o martelo. Baixei para ler Na sua pele, o primeiro livro da série e como eu me dei bem na minha decisão, viu? O livro caiu como uma luva para o meu momento e eu me apaixonei por esse lindo bad boy quebrado e tatuado do Rule! Quer saber mais sobre isso? Vem acompanhar a minha resenha!

Na sua pele é um novo adulto (NA), estilo que fez um sucesso bem grande há alguns anos, quando livros como Belo Desastre e Real foram publicados no Brasil e no mundo, e todo mundo se apaixonou por um bom e velho romance entre uma menina certinha e um cara todo errado. Uma fórmula meio clichê, mas que eu adoro e amo, me julguem, não me importo! Nessa mesma época vários outros romances foram sendo escritos nessa linha, personagens jovens, no começo dos 20 anos, muito drama, muito romance proibido, algumas tatuagens porque, né… E nesse meio estava lá um achado chamado Rule, ou para nós, brasileiros, Na sua pele.

Shaw. Aquele nome era sofisticado como a dona, que tinha pele clarinha, cabelo loiro quase branco e uns olhos verdes que pareciam maçãs de tão grandes. Ela era baixinha, tinha fácil uns trinta centímetros a menos do que eu, que tenho 1,92. Mas tinha umas curvas… É o tipo de mina que não dá pra parar de olhar. Mas, quando ela olha de volta com aqueles frios olhos verdes, o cara vê na hora que não tem a menor chance. A Shaw tem um ar de inatingível, do mesmo jeito que umas minas têm cara de “me pega”.

Nele vamos conhecer a Shaw Landon, uma menina rica e que não liga para o dinheiro da família e isso não é só da boca para fora, ela tem motivos e realmente é afastada do luxo que a família poderia dar, afinal de contas, ela nunca recebeu amor, atenção ou afeto dessa família. Para ser mais exata, Shaw só foi perceber o que era uma família amorosa quando, aos 14 anos, conheceu o Remy Archer e ele a colocou debaixo de sua asa, se tornando o melhor amigo da menina e ela foi logo adotada (pelo menos sentimentalmente) pela família Archer, que conta com mais dois filhos, o mais velho, Rome e o irmão gêmeo idêntico e completo oposto de Remy, Rule. E vocês já podem ter certeza de uma coisa: assim que a Shaw viu o Rule pela primeira vez, foi amor a primeira vista!

Quando você deixa uma pessoa entrar no seu coração, morre quando ela resolve sair.

Mas não é nesse cenário que vamos conhecer os nossos personagens. O livro começa com a Shaw encontrando o Rule para levar ele para um brunch na casa dos Archer, evento que é um tormento porque desde a morte do Remy (isso não é um spoiler, é falado logo nas primeiras páginas!), Rule e sua mãe vivem em pé de guerra. Ela não aceita as escolhas do filho e de certa forma o culpa pela morte do irmão. E o Rule é, e sempre foi, uma pessoa do tipo, ou ame ou odeie. Ele não faz questão de agradar a ninguém e deixa isso sempre bem claro, é como a Shaw lhe diz em um determinado momento: não é fácil amar o Rule e ele faz questão que seja assim. 

Não tem como negar que o Rule é um cara bonito. Bonito demais, até, pra dizer a verdade. Mas ele é complicado, e essa beleza toda está enterrada e camuflada debaixo de uma porção de coisas que não passam despercebidas. De todos os irmãos, é o que tem os olhos de azul mais claro, quase cor de gelo. E o cabelo, mesmo pintado de roxo, verde ou azul, ainda é o mais cheio e brilhante. Tem todas as cores do mundo dançando pela pele e, ainda assim, as garotas sempre gostaram dele, mais do que dos outros dois.

Rule é um verdadeiro pegador, ele sabe que chama a atenção das meninas com sua altura, seu estilo desafiador e suas incontáveis tatuagens. Se tem algo que não falta na sua vida é alguém para esquentar a sua cama, mas ele faz a linha "uma noite e olhe lá"! Não foram poucas as vezes que a Shaw encontrou o Rule com uma, ou mais mulheres em sua cama quando foi busca-lo para os brunchs em família, e agora para ela já deu. Shaw não quer mais saber dele, e Rule, que sempre viu a Shaw como aquela menina novinha que andava sempre com seu irmão, literalmente cai para trás, quando da de cara com ela trabalhando em um bar de esporte, com um uniforme para lá de sexy e com um ex grudento que não sabe o que significa a palavra não.

– Não sou tão ruim assim.
O Nash me olhou feio e respondeu:
– É, sim. Pensa só: você só precisou ver a mina vestida de juiz de futebol sexy pra enxergar ela como uma mulher de verdade depois de todos esses anos. Você não presta.
– Mas, cara, ela ficou muito bem com aquele uniforme. Sério mesmo.
– Viu? Você não presta mesmo.

Logo ele começa ver a Shaw de verdade, não aquela menina que ele criou na sua cabeça e falando em cabeça, tem uma outra cabeça dele que fica bastante atraída pela Shaw, se é que vocês me entendem… E quando os dois começam a se entender, a coisa fica quente! Muito quente! Mas como esse romance pode dar certo quando o Rule tem um passado bem galinheiro que a Shaw conhece bem e um temperamento destrutivo pesado, e por outro lado, a Shaw tem que lidar com a sua família manipuladora, que não quer saber dela com um tatuador perturbado? E nem vamos falar aqui dos problemas dos Archer! Para saber como e se esse romance vai dar certo, só tem um jeito: ler Na sua pele!

Adoro o Rule. Acho que é meio geneticamente impossível não ser tipo apaixonada por ele quando se tem uma vagina. Aquele mal- humorado estiloso e inseguro tem alguma coisa que te dá vontade de abraçar e cuidar dele.

Uma coisa eu posso afirmar para vocês: é um romance imperdível! Olhando a minha conta na Amazon, descobri que comprei esse livro em outubro de 2016, pois é… Estou começando a ficar preocupada com os meus surtos de compras e a quantidade de livros não lidos e o quanto eu estou perdendo com eles lá parados na estante ou no Kindle! E falo isso porque eu me apaixonei muito por Na sua pele. Que livro delicioso de ler. Ele tem o estilo de romance que eu adoro, cheio de tretas, amor, quentura e drama! O mundo torce para um amor proibido desde Romeu e Julieta e eu não sou diferente!

Quando olho pra você, só vejo você. E você é perfeita, Shaw. Não me interessa a cor do seu cabelo, se é clarinha ou bronzeada, se tá maquiada ou acabou de acordar… A única coisa que me interessa é que, quando olho pra você, você olha pra mim e me enxerga como sou de verdade. Você é bonita por dentro e por fora. Se quiser tatuar toda essa sua pele branquinha linda, da cabeça aos pés, vai ser uma honra. Se não, fico com você assim, toda lisinha e cor de leite, sempre que tiver oportunidade.

Além disso, em Na sua pele temos um livro com escrita rápida, que usa e abusa das gírias e eu gosto disso, me perdoem os puristas, mas ninguém de 20 anos que eu conheço fala formalmente! Por favor meu povo, vamos deixar de ser cri-cri? Rule tem 22 anos, é meio rebelde, meio revoltado e jamais vai falar sem uma boa e velha gíria e elas estão na escrita original da autora. Falando na Jay Crownover, esse é o meu primeiro livro dela e já virei fã, ela conseguiu fazer a mistura certa de romance, drama e até mesmo criar momentos densos e pesados sem perder a mão e ainda criou personagens tão legais que já terminei o primeiro querendo saber mais sobre os outros 5 livros e seus personagens! 

Porque sempre te quis, mesmo quando não queria querer, até quando isso partia meu coração em mil pedaços. Sempre quis você.

Eu sei que esse romance tem já três anos de lançamento, mas livro é como vinho: não tem idade! Então se você, assim como eu, tem esse livro paradinho aí na sua estante, virtual ou real, fica a dica: pegue ele para ler! E se você não tem, esse romance, vez ou outra, aparece em promoção na internet e por não ser lançamento, não é um investimento caro, vale a pena investir e ler Na sua pele e eu posso apostar que os outros livros também vão ser apaixonantes, mal posso esperar para poder ler todos eles! 

Nome: Na Sua Pele – Rule
Série: Homens Marcados
ISBN-13: 9788576838128
ISBN-10: 8576838125
Ano: 2015
Páginas: 328
Editora: V&R Editoras
Compre aqui: Amazon
Classificação:

Sobre a autora:

Jay Crownover é autora best-seller da série Homens Marcados e agora nos brinda com sua nova série Saints of Denver. Jay ama música e sonhava em ser uma rock star, mas como não tem nenhuma aptidão para cantar ou tocar algum instrumento, ela se contentou em escrever histórias com personagens interessantes e que ativam muitas sensações no leitor. Ela mora no Colorado (EUA) com três cachorros.

Comente com o Facebook:

6 comentários:

  1. Olá Talita!
    Adorei conhecer o livro, ainda não tinha lido nd sobre ele, o enredo e a capa me chamaram atenção, a leitura parece ser mto boa e eu como curto mto esse gênero então vou add aos desejados e torcer pra que surja uma oportunidade de ler um dia.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Uau!
    Eu amo um bad boy quebrado e tatuado, amo clichês...
    Já quero esse livro. Me parece que não é apenas pegação e que tem uma certa profundidade.
    A primeira vez que leio sobre, amei essa resenha e vou procurar esse livro.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi, Talita.

    A partir do momento que o Rule começou a enxergar a Shaw com outros olhos, acho que não desencadeou somente desejo carnal, mas sim, sentimentos mútuos, antes desconhecido pelo Rule.

    E é nesse processo difícil, no qual o Rule está passando rente à sua família (principalmente à sua mãe), que eu acho que acontecerá um aproximamento a mais.

    ResponderExcluir
  4. Olá Tali!!!
    Amei a resenha!!!
    Não li nada dessa autora, mas super curti saber, q é a mesma pegada de Belo Desatre e Real, q Amo Muitooooo e já quero!!! <3 ;-)
    Esses tatuados "perturbados" e sexy, está na minha "IL" sempre...Anotado ;-) kkkkkk
    Ps. Comprar na promoção, deve ser considerado lucro, vamos focar nisso e tentar não nos preocupar kkkkkkk
    Bjs :-*

    ResponderExcluir
  5. Oi Tali, tem um tempinho que li esse livro, lembro que gostei bastante mas ainda não dei continuidade a série e tô perdendo tempo, eu sei haha. Ambos os protagonistas são bem cativantes e a trama é movimentada. A resenha tá ótima, mas eu tenho que destacar que as gírias que você citou me incomodaram um pouco, se me lembro bem, achei elas regionalistas (acho que é assim que fala, porque eram paulistas acho) e eu enquanto nordestina fiquei um pouco perdida com algumas haha, mas vale a pena sim e vou ver se retomo a série ;)

    ResponderExcluir
  6. Oi Talita,
    Um bom livro nunca fica ultrapassado!
    Gosto bastante dessa linha galinha que as autores seguem, só para poder ver a redenção deles quando caem de quatro por uma mulher. Gostei também de como ela colocou uma família problemática para dar uma diferenciada no enredo.
    A série já estava nos meus desejados, fico imaginando como Rule seria na vida real...
    Beijos

    ResponderExcluir