Resenhas

quarta-feira, 4 de julho de 2018

:: Resenha 424 :: "Deuses Americanos", Neil Gaiman

Sinopse: Obra-prima de Neil Gaiman, Deuses americanos é relançado pela Intrínseca com conteúdo extra, em Edição Preferida do Autor. Deuses americanos é, acima de tudo, um livro estranho. E foi essa estranheza que tornou o romance de Neil Gaiman, publicado pela primeira vez em 2001, um clássico imediato. Nesta nova edição, preferida do autor, o leitor encontrará capítulos revistos e ampliados, artigos, uma entrevista com Gaiman e um inspirado texto de introdução. A saga de Deuses americanos é contada ao longo da jornada de Shadow Moon, um ex-presidiário de trinta e poucos anos que acabou de ser libertado e cujo único objetivo é voltar para casa e para a esposa, Laura. Os planos de Shadow se transformam em poeira quando ele descobre que Laura morreu em um acidente de carro. Sem lar, sem emprego e sem rumo, ele conhece Wednesday, um homem de olhar enigmático que está sempre com um sorriso no rosto, embora pareça nunca achar graça de nada. Depois de apostas, brigas e um pouco de hidromel, Shadow aceita trabalhar para Wednesday e embarca em uma viagem tumultuada e reveladora por cidades inusitadas dos Estados Unidos, um país tão estranho para Shadow quanto para Gaiman. É nesses encontros e desencontros que o protagonista se depara com os deuses — os antigos (que chegaram ao Novo Mundo junto dos imigrantes) e os modernos (o dinheiro, a televisão, a tecnologia, as drogas) —, que estão se preparando para uma guerra que ninguém viu, mas que já começou. O motivo? O poder de não ser esquecido. O que Gaiman constrói em Deuses americanos é um amálgama de múltiplas referências, uma mistura de road trip, fantasia e mistério — um exemplo máximo da versatilidade e da prosa lúdica e ao mesmo tempo cortante de Neil Gaiman, que, ao falar sobre deuses, fala sobre todos nós.




Fala aê, bando de viciados em leitura ^_^

Deuses Americanos é um livro que passei muito tempo querendo ler e não comprava.
Um belo dia, apareceu o dito cujo, bem na estante da minha amada sogra e eu sorri ao vê-lo.
Pedi emprestado e logo nas primeiras páginas o livro já me ganhou, pois eu lia imaginando a narrativa de uma revista em quadrinhos, que é o que a escrita de Neil Gaiman me remete.

Nosso protagonista parece, inicialmente, bastante sombrio, mas aos poucos se revela o maior "boa praça" das galáxias. Eu o imaginei com a aparência do The Rock, sendo descrito pelo N.G. como um sujeito ENORME, com ascendência/sangue Indígena, Africana, Cigana e Egípcia rsrsrs ... conforme a história se desenrola.

No seriado Deuses Americanos ele é interpretado por esse ator:

Ricky Whittle

Assisti ao primeiro capítulo do seriado, parece bom, parece bem fiel à obra.

Shadow inicia a história encarcerado, ele está cumprindo os últimos dias necessários para iniciar sua liberdade condicional. Para "matar o tempo" na cadeia, treinava truques com moedas (ilusionismo/prestidigitação) e fazia exercícios, a fim de manter o condicionamento. Antes de ser preso, nosso personagem principal era preparador físico e trabalhava em uma franquia de loja de suplementos alimentares, Muscle Pharm.

A vida "lá fora" aguardava seu retorno. Os preparativos já não eram mais preparativos. Estava tudo pronto. O melhor amigo de Shadow já tinha um emprego esperando por ele. E sua esposa, Laura, o aguardava ansiosamente. Parece que Laura tem algo haver com a prisão dele e se sente muito culpada. Mas faltando BEM POUCO para a tão sonhada liberdade, o cara é chamado pelo diretor da penitenciária, para ter a notícia que mudaria totalmente o rumo de sua vida.

Laura lhe passara um código numérico, para que pudesse retirar a passagem de avião no guiche do aeroporto. Depois de alguns problemas atípicos, Shadow acaba na primeira classe, sentado ao lado do Sr. Wednesday. Um homem muito misterioso, que parece saber TUDO a respeito da vida dele. Papo vai, papo vem, o homem faz uma proposta de trabalho para Shadow ser seu motorista particular e "guarda costas", quando necessário teria que machucar algumas pessoas. O grandão não aceita. Acha que aquilo pode ser alguma espécie de pegadinha ou que aquele Sr. era um golpista.

Imaginei Wednesday, descrito como um homem alto, sendo Liam Neeson, mas na série é esse ator:

Ian McShane

Depois de alguma insistência, nosso cara topa o emprego proposto pelo Sr Wednesday.

Colocando algumas condições, tais como;

1- 2.000 dólares por semana.
2- Posso machucar pessoas se elas tentarem te machucar,
mas não vou machucar ninguém por diversão ou por lucro.
3- Vou trabalhar pra você até a hora que você me irritar, aí eu caio fora.

Com o desenrolar dos fatos, percebemos que toda a trama gira em torno de uma guerra, silenciosa e praticamente invisível, entre os velhos deuses e os novos deuses. Mas o que será que Shadow tem com isso? Ele só aceitou um emprego "honesto", era o melhor que ele tinha no momento.

Outras figuras emblemáticas e muito carismáticas vão aparecendo e você se pega no meio de uma brincadeira muito bacana, de adivinhar qual deus cada personagem representa. Um dos meus favoritos é CZERNOBOG, que se pronuncia TCHERNOBÔ. Fui pesquisar no google tradutor, porque o nome era bem complicado. Aí fiquei escutando a mulher do google tradutor pronuncia-lo no idioma iugoslavo.

Esse foi o único que imaginei exatamente o cara que foi escalado para representá-lo no seriado:

Peter Stormare
Eu realmente imaginei o Peter Stormare como Czernobog e fiquei feliz por ser ele mesmo  <3

Outros deuses, assim como o velho Czernobog, recebem a proposta de Wednesday para "lutarem" ao seu lado, nessa guerra entre novas e antigas divindades. Guerra essa, que a maioria dos antigos deuses acreditam ser uma perda de tempo. Mas as novas divindades parecem pensar diferente e tomam a dianteira no início do ataque.

Tem ação, aventura, romance, mistério... Muitas referências à cultura pop e uma dose de TEOR ADULTO que faz com que você pense: "Eu queria que todos lessem este livro, é o tipo de livro que eu indicaria para qualquer conhecido(a), mas é uma história BEM adulta," 

Alguns personagens são sarcásticos, outros são sedutores, quase todos são carismáticos, mas nem todos são deuses. Todavia, 100% têm seu "Q" de irreverência e são importantes na trama.

Como, Mad Sweeney, um leprechau ENORME, que já viveu dias de glória, mas hoje não passa de um bêbado encrenqueiro. E adivinhem com quem ele arruma confusão?


Espero que vocês leiam Deuses Americanos e depois assistam o seriado, e depois leiam os quadrinhos, na verdade, façam isso na ordem que acharem melhor, mas façam. É muito boa a trama.

Pelo que fiquei sabendo, a primeira temporada do seriado é a metade inicial deste livro, mas Neil Gaiman já confirmou que existirá uma segunda temporada. Pelo que diz na abertura, o próprio autor faz parte da direção executiva do seriado.


Título: Deuses americanos
Autor: Neil Gaiman
ISBN-13: 9788551000724
ISBN-10: 8551000721
Ano: 2016
Páginas: 576
Editora: Intrínseca
Compre aqui: Amazon
Skoob
Classificação:


Sobre o autor: 


Neil Gaiman foi citado no Dicionário de biografia literária como um dos dez maiores escritores pós-modernos vivos, tem mais de vinte livros publicados para leitores de todas as idades e já foi agraciado com inúmeros prêmios literários, incluindo o Hugo, o Bram Stoker e a Newbery Medal. Começou a carreira como jornalista, mas logo seu talento para construir tramas e universos únicos foi levado para o mundo dos quadrinhos, com a aclamada série Sandman, e, depois, para a ficção adulta e a infantojuvenil. Algumas de suas obras foram adaptadas para o cinema e para a tv. Nasceu em Hampshire, Inglaterra, e hoje mora nos Estados Unidos. Pela Intrínseca, publicou também Alerta de risco, O oceano no fim do caminho, Faça boa arte, A verdade é uma caverna nas Montanhas Negras, Lugar Nenhum, Os filhos de Anansi e João & Maria.

Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. E quando eu pensava que vc não ia combinar nenhuma descrição com os personagens da série na sua mente, você combinou um com a produção da série rsrs.
    Oi Bruno, Neil parece ser quase uma unanimidade entre os leitores, quase todas as opiniões que leio sobre seus livros são positivas, então tenho curiosidade de ler e ver se vou fazer coro com a maioria. Já ouvi falar bem dessa história e achei tua resenha bem divertida, me animou pra ler ou ver a série, ainda não resolvi qual dos dois fazer primeiro, mas um dos dois tentarei fazer ainda esse ano :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lili, esse livro é MUITO BOM
      Leia sim, eu vou partir para o próximo, me indicaram "Os Filhos de Anancy".
      Leia e venha debater a respeito.

      Excluir