Resenhas

quarta-feira, 25 de julho de 2018

:: Resenha 430 :: “A Hora do Lobisomem”, Stephen King




Sinopse: UMA CRIATURA CHEGOU A TARKER’S MILLS. A HORA DELA É AGORA. O LUGAR DELA É AQUI.

O primeiro grito veio de um trabalhador da ferrovia isolado pela neve, enquanto as presas do monstro dilaceravam sua garganta. No mês seguinte, um grito de êxtase e agonia vem de uma mulher atacada no próprio quarto. 
Agora, a cada vez que a lua cheia brilha sobre a cidade de Tarker’sMill, surgem novas cenas de terror inimagináveis. Quem será a próxima vítima? 
Quando a lua cresce no céu, os moradores da cidade são tomados por um medo paralisante. Uivos quase humanos ecoam no vento. E há pegadas por todo lados de um monstro cuja fome nunca é saciada. 
Ilustrações originais de Bernie Wrightson e inéditas de Giovanna Cianelli, Rafael Albuquerque, Rebeca Prado e Lucas Pelegrineti.





Fala aê, bando de viciados em leitura ^_^

Hoje venho falar à vocês, sobre uma história que marcou a minha infância.
Muito antes de imaginar que eu leria um livro.
Pois é, antes mesmo de eu saber ler.
Muito antes de imaginar quem era Stephen King.
Isso mesmo, ainda não o chamava de Tio King, eu era muito pequeno, não me ligava nos nomes das pessoas que escreviam as histórias. Principalmente filmes.

Ainda assim, tive certeza absoluta, aquela fera assustadora que no filme não era tão bem apresentada, pois os efeitos especiais da época não eram muito perfeitinhos, aquela besta que, na minha mente era muito mais MAJESTOSA e IMPONENTE do que aquilo que eu via no filme, seria para sempre o meu monstro favorito. O Lobisomem. Ele ATERRORIZARIA meus pesadelos de criança e futuramente seria uma das peças principais das minhas de adulto. 

Mas porque esta história marcou sua infância, Bruno?

Em 1982, nascia este que vos escreve.
Em 1983, Stephen King escreveu "Cycle of the Werewolf".
Em 1985, fizeram uma adaptação da obra para o cinema chamada "Silver Bullet".
Em 1989, eu assisti este filme em sua versão traduzida, "Bala de Prata".

Tá louco, como uma criança de 6 anos (porque só faço aniversário em setembro) assiste um filme de terror desses?
Que tipo de pais malucos deixam uma coisa dessas acontecer?

Em 1988 eu tive meningite e fiquei internado entre a vida e a morte  por mais de 15 dias.
Quando eu finalmente me recuperei e fui para casa, digamos que, tive certas regalias rsrsrs.
Também disseram que a meningite não me deixou nenhuma sequela, eu não acredito muito.

Brincadeiras a parte, o filme tinha como protagonista um menino em uma cadeira de rodas.
Eu não sabia bem o que significava "sequela", mas um dos meus primos me disse que eu poderia ter ficado em uma cadeira de rodas, se tivesse ficado com alguma sequela da doença (meningite). A "chamada do filme", porque naquela época não falávamos TRAILER, dava a entender que a história girava em torno de um menino, que enfrentava um monstro, mesmo numa cadeira de rodas.
Isso foi a primeira coisa que chamou a minha atenção e fez eu me identificar com a história.

Porque é assim que acontece, o que "ganha" o leitor e, no meu caso, a pessoa que assistiria o filme, o que nos ganha de verdade é a possibilidade de se imaginar na história. Fazendo parte da trama. Quanto mais você conseguir se imaginar dentro de uma história, mais ela vai te ganhar como leitor e/ou ouvinte.

O filme passaria no SBT, em uma sessão de filmes inéditos, bem tarde da noite.
Sendo assim, meu pai gravou o filme pra mim, em fita VHS e eu assisti no dia seguinte.

O personagem principal, Marty, interpretado pelo ator Corey Haim, um menino que devia ter 10 anos de idade, inicia o filme em uma cadeira de rodas normal. Ele tinha uma amizade muito forte com seu tio Red, interpretado pelo ator Gary Busey, que lhe dá de presente uma cadeira de rodas motorizada, como se fosse um triciclo, que tem o nome de "Silver Bullet", o mesmo nome do título do filme.


Essa foi uma das coisas que mais achei legais, no filme, na época.
O menino que tem limitações, óbvias, consegue algo que o ajuda muito.
Não somente um meio de locomoção muito bom, mas também, IRADO.
Algo que toda criança dessa idade iria adorar ter, mas jamais imaginaria.
Hoje, quase 30 anos depois, lendo o livro, A Hora do Lobisomem, posso lhes dizer, sem dar spoilers, que, no livro, Marty não ganha uma cadeira de rodas motorizada, no formato de uma moto, tipo triciclo. Ele já inicia a história com uma cadeira de rodas daquelas elétricas.

Também posso lhes dizer que  o livro começa com uma nevasca e a primeira morte, que dá início ao Ciclo do Lobisomem, que é como a história se chama, originalmente, é diferente, assim como outras.

E, falando mais sobre o livro, que é bem dinâmico e sucinto...
... temos uma história dividida em 12 meses. King descreve maravilhosamente cada mês, com seu clima e com suas peculiaridades.
Transportando o leitor para a própria Tarker’sMill.
Os vestígios deixados por cada ataque da besta vão deixando a população apavorada.
Muitos acreditam ser um maluco fantasiado e/ou usando uma máscara de animal.
Mas muitos acreditam, também, se tratar de um lobisomem e os boatos começam a correr.

A história é muito boa e muito rápida. Você pega o livro pra ler e só fecha quando acaba.
Uma excelente pedida para quem gosta de ler histórias curtas e/ou quer iniciar no terror.
As descrições das mortes e algumas outras situações comentadas no desenrolar da trama, tornam o livro, na minha opinião, inadequado para menores de 16 anos.

Eu recomendo a leitura do livro e recomendo MUITO assistir o filme.
Aliás, esse filme merece um remake, torço por isso, já faz alguns anos.

As ilustrações de Bernie Wrightson complementam, perfeitamente, a história curta.


Uma curiosidade bem bacana é que, para esta edição, especificamente, colocaram ilustrações que representam as cenas favoritas da trama, por 4 ilustres brasileiros. Que MÁXIMO isso.
Não vou colocar as imagens aqui porque algumas delas seriam consideradas spoilers.

Também acho legal salientar que a capa dura é emborrachada e tem um textura em alto relevo.
MARAVILHOSO projeto gráfico e impressão de altíssima qualidade, livro de colecionador, mesmo.

Sendo assim, não poderia deixar de dizer que o meu foi um presente da nossa 10/10, Anastácia, do blog NOTAS LITERÁRIAS.



Título: A Hora do Lobisomem
Série: Biblioteca Stephen King
Autor: Stephen King
ISBN-13: 9788556510402
ISBN-10: 855651040X
Ano: 2017
Páginas: 152
Editora: Suma de Letras
Compre aqui: Amazon
Skoob
Classificação:



Sobre o autor:

Stephen King era um leitor fanático dos quadrinhos EC's horror comics incluindo Tales from the crypt, que estimulou seu amor pelo terror. Na escola, ele escrevia histórias baseadas nos filmes que assistia e as copiava com a ajuda de seu irmão David. King as vendia aos amigos, mas seus professores desaprovaram e o forçaram a parar. De 1966 a 1971, Stephen estudou Inglês na Universidade do Maine em Orono, onde ele escrevia uma coluna intitulada "King's Garbage Truck" para o jornal estudantil, o Maine Campus. Ele conheceu Tabitha Spruce lá e se casaram em 1971. O período que passou no campus influenciou muito em suas histórias, e os trabalhos que ele aceitava para poder pagar pelos seus estudos inspiraram histórias como "The Mangler" e o romance "Roadwork" (como Richard Bachman).

  

Comente com o Facebook:

7 comentários:

  1. Oi Bruno, que história hein?! Fico feliz por você ter se recuperado e ainda ter conseguido algumas regalias por estar se recuperando, imagino que assistir um filme de terror, considerado proibido para menores tenha sido o máximo e fiquei tentando lembrar se já vi esse filme, mas não consegui, acho que vou procurar pra assistir.
    Quanto a edição, parece estar maravilhosa e a experiência que você teve tendo um livro que te marcou há tanto tempo atrás também, um presentão.
    A resenha tá ótima, empolga, nem gosto de terror e fiquei empolgada ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lili,
      Obrigado ^_^
      Sim, tive algumas outras regalias, tipo, eu podia comer o que eu quisesse, porque tinha ficado meio que, sub nutrido e, tanto minha mamis, quanto eu, perdemos um pouco a medida disso aí e, depois de alguns meses eu estava me tornando uma criança obesa ... E a lição foi ... Mesmo que você quase morra, tudo nessa vida tem que ter limite rsrsrs
      Procura pra assistir sim, é muito bom. Espero que tenha um remake.
      Fico feliz de ter empolgado.

      Excluir
  2. Com 6 anos assistindo filme de terror? 😲
    Não assisto nem com 25, por isso passo longe das obras do King, apesar de achar o cara fera. É muito raro alguém fazer críticas sobre suas obras.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkkkk ^_^
      Tem obras do King que não são de Terror, Ludyanne.
      Te aconselho, pra começar no universo King, a saga da Torre Negra.
      A Bia ta se aventurando, mas não conta pras pessoas, ela ficou bonitinha assistindo "Um lugar silencioso".
      Beijos.

      Excluir
  3. Fala aí viciado, a melhor coisa de ler suas resenhas é que você realmente se empolga e nos faz viajar na onda rsrsrsrs.
    Eu adorava esse filme também, e o King, como o próprio nome já diz, é o rei desse terror trash todo.
    Fico feliz que você tenha curtido o presente.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nana,
      Tô achando engraçado que, toda resenha agora eu arrumo uma história pra contar kkkkkkk.
      Ele é fantástico mesmo, não da pra enjoar das histórias dele.
      Me surpreendeu de forma absurda com esse livro, tão curtinho, tão resumido, mas tão perfeito.
      Acostumado a ler sempre aqueles "tijolos" dele, desta vez foi justo o contrário.
      E eu fico feliz por ter ganho o presente ^_^
      Bjs

      Excluir