Pular para o conteúdo principal

:: Resenha 555 :: “Má Sorte”, Stacey Marie Brown

 

Sinopse: Desgraça. Má sorte. Sofrimento.

Devon Thorpe está acostumada a tudo isso.

Depois de receber algumas notícias devastadoras, a vida de Devon se torna uma prisão de responsabilidades, tristezas e dificuldades. Todos os seus sonhos de sair da cidadezinha onde mora, desaparecem. Ela se transforma em uma prisioneira das circunstâncias.

Em um instante de desespero, Devon vivencia um momento impulsivo com um sexy desconhecido de olhos azuis, dentro do banheiro de um restaurante. Um único encontro que foi o suficiente para deixar marcas profundas e lembranças do seu toque para as noites solitárias, quando sua vida se torna um fardo pesado demais para carregar.

Anos depois, um incidente assustador obriga que ela e sua família se mudem para Albuquerque, Novo México, onde arranja um emprego de garçonete em um bar, para ajudar a mãe.

O tatuado, mal-humorado, grosso, de belos olhos castanhos e gostoso pra caramba, Lincoln Kessler, dono do bar, a deixa atraída de imediato. Ela não consegue afastar a sensação de que há uma estranha conexão entre eles.

Porém, quanto mais Lincoln tenta afastá-la, mais determinada ela se torna para desvendar o enigmático homem. Com apenas um beijo ardente, Devon percebe que deveria ter se mantido longe, porque quando seus mundos se colidem e a tragédia acontece, ela chega à conclusão de que ambos não são a salvação um do outro, e sim, o infortúnio.

Um romance dramático sobre um amor malfadado, sofrimento, perdas e o reencontro de seu próprio destino através da dor.

E com uma baita má sorte.

Fala aí, pessoal. A resenha de hoje é pra falar do meu primeiro contato com a escrita envolvente de Stacey Marie Brown. 

Em Má Sorte nós vamos conhecer a história de Devon, uma jovem que muito cedo precisou assumir responsabilidades cuidando de sua mãe doente, de sua sobrinha e irmã mais velha que é a maior irresponsável e egoísta do mundo literário. Ô criatura irritante! E como o título aqui é muito bem aplicado, no dia em que ela tem o diagnóstico da mãe, é também o seu aniversário de namoro, e ela descobre que seu namorado a está traindo com uma de suas melhores amigas. Desgraça pouca é bobagem, né? Mas tudo bem, porque ela também terá um encontro que transformará a sua vida!

O tempo vai passar e ela vai conhecer Lincoln, um grandalhão com a maior pinta de bad boy, cheio de mistérios e segredos.

E é aí que o livro fica ainda mais interessante, a cada encontro desses dois problemáticos rola aquela tensão, aquela sensação de alguma coisa no ar, de reconhecimento. Aí é esperar pra ver quem vai dar o primeiro passo.

Devon é aquela mocinha certinha, filha e sobrinha de policiais, enquanto Lincoln está beeeem longe disso. Quando o dilema do que é certo e errado surge, será que Devon continuará andando na linha como sempre fez a vida toda, como seu pai lhe ensinou?

Leiam! Má Sorte tem aquele drama de apertar o coração, tem aquela tensão sexual gostosa de acompanhar e uma envolvente história de perdas, lutas e crescimento, mesmo em meio a dor.

Título: Má Sorte
Autora: Stacey Marie Brown
Editora: The Gift Box
Compre aqui: Amazon físico - e-book
Skoob

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

:: Resenha 153 :: “After 3 – Depois do Desencontro”, Anna Todd

O k, vai ter spoiler sim e se reclamar vai ter mais! Brincadeeeeeeiraa!!! =P É que assim, vamos combinar? Resenha do terceiro livro onde acontece coisa pra diabo, não tem como, vai rolar uns spoilerszinhos de leve, então fique avisado, certo? Se quiser seguir, siga, se não quiser, comenta assim mesmo hahahaha. Bom, parece que todo livro dessa mulher termina com uma bomba. O segundo terminou com a Tessa guardando um segredinho básico do Hardin, lembra que eu até comentei na resenha ? Então, além disso, terminou com ela dando de cara com o pai e é assim que este terceiro livro começa. Confesso que antes de começar, ao ler a contracapa que diz... Sinopse: Tessa passa pelo momento mais difícil de sua vida. Enquanto luta para crescer na carreira com a qual sempre sonhou, seu mundo é virado de ponta-cabeça: a inesperada aparição de seu pai e uma traição imperdoável a deixam mais fragilizada do que nunca. Hardin — com seus beijos viciantes, seu toque incendiário e seu ch

:: Resenha 181 :: "After 5 - Depois da Promessa", Anna Todd

Sinopse: Bem quando Hardin acreditava já ter enfrentado todos os fantasmas de seu passado, um terrível segredo sobre seus pais é revelado, despertando os seus piores demônios internos. Tessa sabe que só ela tem o poder de aliviar todos os sentimentos de raiva, traição e confusão que afligem seu amado badboy. Só ela sabe como salvá-lo de seu ciclo autodestrutivo. Mas dessa vez ela não pode. Porque, quando menos espera, sua vida é para sempre alterada por uma tragédia. Hardin e Tessa prometem lutar com todas as suas forças para que o destino não os separe para sempre. Mas o que acontecerá quando suas forças chegarem ao fim? Depois da promessa... qual será o desfecho dessa história? G ente... *pausa dramática*... Eu sobrevivi à série After ... "É isso aí, garota!!!" (Crika e Mari, do Grupo de Apoio After, representadas pelas lindas Meryl Streep e J.Lo)

:: Resenha 168 :: “After 4 – Depois da esperança”, Anna Todd

Sinopse: Depois de tantos obstáculos, Tessa e Hardin estão, enfim, mais maduros como casal. As dificuldades causadas pelo gênio forte dele e pela impulsividade dela ainda existem, mas eles já não conseguem negar o amor que sentem um pelo outro. Mesmo morando em cidades diferentes, estão mais apaixonados do que nunca. Se a química entre os dois já era explosiva antes, agora que eles se entregaram de vez a essa paixão, cada encontro será mais ardente do que o anterior. Mas uma cruel reviravolta do destino trará à tona todos os fantasmas do passado de Hardin. Depois da esperança, haverá forças para enfrentar mais dificuldades? Q uem acompanha as minhas resenhas de After, sabe que eu sofro lendo esses livros, sabe que surto querendo jogar ele na parede ou que eu morro de vontade de entrar no livro pra socar o Hardin. Nesse quarto livro, por incrível que pareça isso foi bem sutil, não que eu não tenha sentido vontade, mas foi bem mais tranquilo e eu confesso, no final eu cheguei