Pular para o conteúdo principal

..: Crônicas de sinapses adoravelmente sórdidas :..

Não é como se eu fosse necessariamente uma pessoa séria em tempo integral.
Não, não é bem isso.
É bem mais uma ironia sórdida e muito mais divertida do que a completa seriedade.
Ainda que sempre tenda para uma expressão mais fechada, é evidente que não consigo passar cem por cento do meu tempo com a cara amarrada; na verdade, é bem menos do que isso, apesar de que a maioria das pessoas que me conhecem acreditam que eu tenha dificuldade em esboçar um sorriso. Oh, céus, que engano! Senhor, perdoai-vos! Eles não sabem o que dizem!
Os mais chegados já têm uma visão um tanto distinta da minha pessoa. Em suma, pode-se dar essa visão por meio de um questionamento que me é feito por eles diariamente: "Como uma só pessoa é capaz de falar tanta abobrinha?" Não necessariamente nessa ordem de pergunta e não necessariamente com tanta educação. A educação é o que menos temos, convenhamos!
As pessoas de humor mais obscuro tendem a fazer as outras rirem mais do que o simples humor de televisão e acho que é esse que mais me atrai. Nunca foi algo que desejei para a minha vida; o humor obscuro vem entranhado no seu DNA, como um vírus que se replica e se acopla ao seu genoma. Que coisa tão bela! Um HIV do humor!
Um dos piores comentários que já fiz aqui, quiçá nesta vida; mas não se acostumem;nem toda piada é tão ruim que não possa ficar pior.
Existe uma graça maior na maldade, devo dizer, e faz a barriga doer muito mais. Quando se mistura maldade com idiotice, então, é como agitar uma garrafa de coca-cola e soltar a tampa na cara dos amigos.
É interessante ouvir "Nossa, como você é engraçada!"..... Bem, antes palhaça do que sem graça.






~~*~~


Cancelamento
Contos de Lulu - I


- Atendimento TIM, Julienne, bom dia!
- Olá, Julienne. Bom dia! Eu gostaria de cancelar a minha assinatura, por gentileza.
- Perfeitamente, senhor.  Qual o seu CPF?
Por um instante, houve uma pausa daquela voz masculina, seguida de certa hesitação.
- ... CPF?
- Sim, CPF.
- Mas como assim?
- Como assim o que?
- Meu CPF.
- CPF.
- Que CPF?
- O seu, senhor. O seu CPF. O senhor é o titular da conta?
- Sim, querida, quem mais?
- Então, senhor, preciso do seu CPF.
- Que CPF?
E foi a vez da jovem ficar calada, respirar profundamente, ao passo que repensava na sua estratégia para com o cliente.
- ... Senhor... Façamos diferente, então; me fale o seu nome completo.
- Lúcifer.
- Lúcifer?
- Sim, Lúcifer.
- ... Certo. Lúcifer de que?
- O que?
- Sobrenome, senhor.
- Lúcifer.
- Não, senhor. Sobrenome; depois do Lúcifer tem de ter algo mais.
- Mas não tem.
- Senhor, não é possível que o senhor tenha uma conta “resistrada” sem um nome completo.
- Filha, quantos Lúcifer’s existem nesse mundo?! – E houve uma breve exaltação de sua voz.
- A questão não é essa, senhor; é lógica, apenas. Todos têm sobrenome.
Ele bufou, passando os dedos finos na testa. A paciência era uma virtude e, apesar de muito não ter dela, colocou a força de vontade para funcionar e se pronunciou.
- Ok. Que seja. Ahn... – Cerrou os olhos e procurou o que poderia dizer àquela tão inferior criatura que a fizesse simplesmente resolver o seu problema.. - ... Satã.
- Senhor... isso não é sobrenome. – Disse ela com descaso.
- Por que não? – Perguntou com perplexidade na voz.
- Porque não é.
- Por que não posso ter Satã no meu sobrenome?
- Mas é esse o seu sobrenome?
- ... Não. – A voz saiu em um tom baixo.
- Então, não, senhor; não pode ser Satã.
- ... Mas e se for?
- Mas é...?
- Ahn... Não.
- Então, não, senhor! – Agora a atendente quem havia sido mais incisiva.
- Mas...
- Vamos tentar de outra forma. – Colocou-se calada e se pôs a dedilhar o teclado do computador, o que, claramente, era possível ouvir do outro lado da linha. – Veja bem, por sorte, o senhor é o único Lúcifer da lista.
- E por que você não procurou antes?
- Porque poderia aparecer um monte.
- Mas não apareceu, apareceu?
- Não.
- Então, você poderia ter procurado, não poderia?
- Poderia.
- E por que não procurou?
- Senhor... – Tentou ela apartar a discussão calorosa.
- Porque se tivesse procurado, jovem, as coisas teriam sido mais rápidas. Você acha que eu tenho tempo de ficar conversando com você no telefone?
- Senhor...
- Sabe, eu trabalho MUITO arduamente. Tenho o que fazer! Você é uma atendente, eu tenho de assessorar uma empresa inteira!
- Então, é uma linha com CNPJ?
- Oi?
- Não, senhor, é TIM.
- Eu sei que é TIM! – Exaltou-se.
- Então, por que falou Oi?!
Respirou ele profundamente, passando a mão na testa. Diminuindo a voz, uma vez mais tentou manter a calma.
- Vamos passar essa questão, certo?
- Certo, senhor. Qual seria o número da sua empresa?
- Ah, mas agora, sim, estamos conversando! – Respondeu de forma animado. – O número é 66639992369.
- Oh, pois, viu? – Disse ela com o mesmo tom de voz. – Agora, sim! Esse é o seu CNPJ!
- OI?!
- Não, senhor! É TIM! Eu já disse.
E ele respirou profundamente, afastando o telefone do ouvido e dando com o mesmo na testa. Era impressionante!
Com um sorriso sarcástico, tornou com o telefone ao ouvido.
- Ok... Que seja. E agora?
- Então, agora, senhor, o que posso fazer para ajudar? – Voz feliz.
- Eu quero cancelar a minha conta! – Como de costume, exaltou-se.
- Mas por quê?
- Porque sim!
- Mas por quê?
- Porque eu quero!
- Isso não é resposta, senhor; não posso considerar isso como resposta para o sistema. – Falou calmamente a atendente.
- Essa porcaria não funciona aqui embaixo, filha. É isso.
- Embaixo aonde?
- Aqui embaixo!
- Embaixo aonde?!
Difícil; muito difícil.
- ... Na empresa.
- Ah, certo. Mas não pega em nenhum lugar dela?
- Não.
- E a internet?
- Não fiz pacote com internet.
- O senhor gostaria de fazer um pacote com internet? Serão, apenas, 130 reais adicionais para toda a sua rede! Afinal, como posso ver, o seu CNPJ comporta bilhões de funcionários e essa será uma quantia irrisória para o senhor. – Novamente a voz feliz.
- Gracinha de Jesus, eu não quero pacote novo nenhum. Só quero cancelar.
- Mas por quê?
- Porque não funciona!
- Mas quem disse?
- EU DISSE!
- O senhor tem usado? Posso ver aqui que a quantidade de ligações tem sido quase zero, senhor, e considerando a montante da sua empresa...
- É CLARO que os valores estão quase em zero, porque não pega aqui embaixo!
- Embaixo aonde?!
Ele respira profundamente, olhando para os céus, quase com lágrimas nos olhos. Os lábios se apertaram e o choro parecia iminente com tamanha criatura abestalhada do outro lado da linha.
- Pai, me ajude... – Disse, em prece. De fato ele estava pagando seus pecados.
- Oh, o senhor gostaria que seu pai entrasse como colaborador nas despesas de sua empresa? – Barulho de teclado.
- Não! – Respondeu prontamente.
- Então, o que o senhor quer?
- Cancelar! CANCELAR! CAN-CE-LAR!
- Ok, ok! Já entendi! Não precisa gritar!
- ...
- Senhor, estou vendo aqui que a sua última fatura está em aberto.
- O que significa isso?
- Significa que o senhor não pagou a conta do último mês.
- Claro que não, porque eu não tive serviço. Não paguei.
- Mas tem de pagar.
- Não vou pagar por um serviço que não foi prestado!
- Então, a conta não será cancelada.
- Por que não?
- Porque a fatura está em aberto.
- E daí?
- Ela tem de ser paga.
- Por quê?
- Porque é ordem da chefia, senhor.
- Por quê?!
- Porque o dono da TIM me mandou falar isso!
- Coloca esse palhaço na linha, que quero falar com ele AGORA!
- Mas ele não está aqui, senhor!
- Isso não é problema meu! Resolvo essa pendenga em dois!
- Dois o que?
- Segundos, garota! Segundos!
Silêncio.
- Senhor...?
- Pois não?
- Preciso que o senhor pague a última fatura para que eu possa dar prosseguimento com a sua solicitação.
- Mas por quê?! – Ele quase chorava. Era quase tão desesperadora, a sua súplica, quanto seria uma minhoca suplicando para ser salva de uma frigideira.
- Porque Papai do Céu assim quis, senhor!
- Você não meta os pais dos outros na conversa, ouviu bem?! Sem educação!
E se calaram os dois, uma vez mais.
- ... Senhor, podemos parar com isso? – Disse ela com sua voz calma.
- Podemos. – Respondeu ele do mesmo modo, respirando profundamente.
- Então?
- Então o que?
- O senhor vai pagar...?
- Que seja! Eu pago! Vou pagar essa merda dessa fatura, mas resolva o meu problema!
- Certo, senhor, e eu “vou estar deixando” a sua solicitação em aberto.
- Como assim?
- Só posso cancelar quando o senhor pagar.
- Mas eu quero cancelar agora! – E tornou a se exaltar.
- Isso não é possível, senhor; só seria possível se eu puder debitar o valor da sua conta, com o número da mesma. Se o senhor tivesse colocado a sua fatura para ser paga no débito automático desde o começo do plano, essa situação poderia ser muito mais simples.
- Dane-se agora! Quer o número do cartão?
- Não, senhor.
- Como não? Você não disse que poderia debitar da minha conta?
- Não, senhor, não foi o que eu disse.
- E o que você disse?!
- Não o que o senhor disse.
- Mas o que foi que você disse, então?
- Que só seria possível se eu pudesse, veja bem, PUDESSE, debitar o valor da sua conta.
- E o que isso tem de diferente do que eu disse?
- O que o senhor disse foi que eu poderia, de fato, efetivamente, realizar o débito da sua conta com o seu número de cartão de crédito, mas isso não pode, como eu disse, ser realizado, afinal, se eu pegar o número do seu cartão seria um crime; não posso sair por aí debitando valores da conta dos outros, senhor, sem que isso seja registrado como débito automático em uma conta.
- Só que isso não poderia ter sido feito no começo do plano?
- Poderia.
- Por que não agora?!
- Porque agora não é mais o começo do plano; é o fim do plano!
- E daí?!
- Daí o que?!
- Que é o fim do plano!
- O senhor está dizendo que é o fim do plano?!
- Sim! Eu quero cancelar! Se eu quero cancelar, então, POR DEFINIÇÃO, é o fim do plano!
- Senhor, tenho ótimas propostas para lhe fazer! – E retornou ao tom animado da voz. – Tem certeza de que deseja cancelar? Se o senhor pegar o pacote de telefonia celular, internet e televisão a cabo, concorre a uma viagem para Paris COM ACOMPANHANTE, no final do ano, e ainda ganha entradas para a Disneyland e vale para tirar foto com o Mikey e a “Minney”!
- Filhinha, olha só... eu não estou amassando o seu pão, estou? Não estou amassando e nem mandando você comer; só quero que você cancele essa conta, pelo amor de Deus!
- Por favor, senhor, apelar para Deus no telefone é feio.
- É só a ele a quem consigo recorrer, meu benzinho, porque está foda!
- Senhor, palavras de baixo “galão” não poderão ser ditas. Essa conversa está sendo gravada.
- E eu com isso?!
- Que o senhor está sendo grosseiro comigo e não há a menor necessidade disso.
- Não há?!
- Não, não há.
- Eu tenho cara de palhaço?!
- Depende.
- Do que?
- Do palhaço!
- Ora, sua... – Ali estava ele, preparado para falar todos os tipos de palavrões, quando se permitiu ouvir uma risada ao fundo. – Você está rindo?
- Oi?
- Não é “Oi”, não é? É TIM!
- Han?!
- Búrguer!
- Que?!
- Ijo!
- Para! – Reclamou ela, já desorientada.
- É você, não é, Lilith?! – Acusou, já certo de quem se tratava.
- Eu?! – Espanto. – Digo, eu não! Não tem Lilith!
- Idiota! Pare de ficar de gracinha no telefone! Estou tentando cancelar a TIM!
- Ainda não cancelou?!
- Não!
- Por que não?!
- Porque você fica de gracinha no telefone! Você é estúpida?!
- Eu?!
- Não! A minha avó!
- ... Não acho que sua avó fazia gracinhas.
- Já deu, não?!
- Porque, olha só, pensa comigo... – Começou a divagar. – Se a sua avó, que, convenhamos, você nem tem, fosse fazer esse tipo de gracinha, requereria...
- Lilith!
- O que?!
- Sua gracinha me custou uma hora!
- Não foi isso tudo, vai...
- Foi, sim!
- E o que você quer que eu faça?!
- Pare de fazer gracinhas! Eu estou tentando cancelar essa merda!
- Ora, mas não cancelou ainda?! Como você é lerdo!
Por fim, ele balançou a cabeça, grunhiu e gritou ao telefone.
- ... Olha, chega, viu?! Depois a gente se acerta!
- Ok... que seja. – Respondeu ela sem se importar. – Ah, falando nisso, aproveita que você está fazendo cancelamentos e reclamações e liga para a NET. Caiu a rede inteira hoje de novo!

Comentários

  1. Hahahahahaha sensacional!!!! Se não pega aqui, aí embaixo que não vai pegar mesmo, Lulu!! XD

    ResponderExcluir
  2. KKKK, legal o texto. Até pro capeta está difícil cancelar a linha de celular.
    Parabéns, Lulu!!

    ResponderExcluir
  3. '' Então, o que o senhor quer?
    - Cancelar! CANCELAR! CAN-CE-LAR!'
    O bagulho é difícil mesmo
    HUAHUAHUAHUAHUA
    Ninguém consegue

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

:: Resenha 153 :: “After 3 – Depois do Desencontro”, Anna Todd

O k, vai ter spoiler sim e se reclamar vai ter mais! Brincadeeeeeeiraa!!! =P É que assim, vamos combinar? Resenha do terceiro livro onde acontece coisa pra diabo, não tem como, vai rolar uns spoilerszinhos de leve, então fique avisado, certo? Se quiser seguir, siga, se não quiser, comenta assim mesmo hahahaha. Bom, parece que todo livro dessa mulher termina com uma bomba. O segundo terminou com a Tessa guardando um segredinho básico do Hardin, lembra que eu até comentei na resenha ? Então, além disso, terminou com ela dando de cara com o pai e é assim que este terceiro livro começa. Confesso que antes de começar, ao ler a contracapa que diz... Sinopse: Tessa passa pelo momento mais difícil de sua vida. Enquanto luta para crescer na carreira com a qual sempre sonhou, seu mundo é virado de ponta-cabeça: a inesperada aparição de seu pai e uma traição imperdoável a deixam mais fragilizada do que nunca. Hardin — com seus beijos viciantes, seu toque incendiário e seu ch

:: Resenha 181 :: "After 5 - Depois da Promessa", Anna Todd

Sinopse: Bem quando Hardin acreditava já ter enfrentado todos os fantasmas de seu passado, um terrível segredo sobre seus pais é revelado, despertando os seus piores demônios internos. Tessa sabe que só ela tem o poder de aliviar todos os sentimentos de raiva, traição e confusão que afligem seu amado badboy. Só ela sabe como salvá-lo de seu ciclo autodestrutivo. Mas dessa vez ela não pode. Porque, quando menos espera, sua vida é para sempre alterada por uma tragédia. Hardin e Tessa prometem lutar com todas as suas forças para que o destino não os separe para sempre. Mas o que acontecerá quando suas forças chegarem ao fim? Depois da promessa... qual será o desfecho dessa história? G ente... *pausa dramática*... Eu sobrevivi à série After ... "É isso aí, garota!!!" (Crika e Mari, do Grupo de Apoio After, representadas pelas lindas Meryl Streep e J.Lo)

:: Resenha 168 :: “After 4 – Depois da esperança”, Anna Todd

Sinopse: Depois de tantos obstáculos, Tessa e Hardin estão, enfim, mais maduros como casal. As dificuldades causadas pelo gênio forte dele e pela impulsividade dela ainda existem, mas eles já não conseguem negar o amor que sentem um pelo outro. Mesmo morando em cidades diferentes, estão mais apaixonados do que nunca. Se a química entre os dois já era explosiva antes, agora que eles se entregaram de vez a essa paixão, cada encontro será mais ardente do que o anterior. Mas uma cruel reviravolta do destino trará à tona todos os fantasmas do passado de Hardin. Depois da esperança, haverá forças para enfrentar mais dificuldades? Q uem acompanha as minhas resenhas de After, sabe que eu sofro lendo esses livros, sabe que surto querendo jogar ele na parede ou que eu morro de vontade de entrar no livro pra socar o Hardin. Nesse quarto livro, por incrível que pareça isso foi bem sutil, não que eu não tenha sentido vontade, mas foi bem mais tranquilo e eu confesso, no final eu cheguei