Pular para o conteúdo principal

..: Do atual ao clássico :..

Esta é uma coluna nova da minha parte. Devo dizer, e até concordar, que é necessário ser um santo para ler os meus textos, de forma que pareceu mais interessante escrever sobre filmes e livros diferentes.
“Eeeee! Olha que legaaaal!” ^^ ... SQN. ¬_¬
Quem sabe não seja uma melhor forma de chamar atenção [“Ela quer chamar atenção! Ui ui ui!”] e trazer coisas diferentes para o blog [“Se achando cult. Ridhycula!”].
Bem, se é para começar, comecemos de antigamente... digamos, muuuito antigamente...... Tipo, muito.
Então, como minha primeira e amada recomendação desse coração lindo de meu Deusu, ofereço-lhes Das Kabinett Des Doktor Caligari [“O gabinete do Dr. Caligari”], de 1920.
Agora, sim, eu falarei sério...

Sinopse:

Francis (Friedrich Feher) e o amigo Alan (Hans Heinrich von Twardowski) visitam o gabinete do Doutor Caligari (Werner Krauss), onde conhecem Cesare (Conrad Veidt), um homem sonâmbulo que diz a Alan que ele morrerá. Assim acontece e Alan acorda morto no dia seguinte, o que faz com que Francis suspeite de Cesare. Francis então começa a espionar o que o sonâmbulo faz com a ajuda da polícia. Para descobrir todos os mistérios, Francis acredita só haver uma solução: adentrar no misterioso gabinete do Doutor Caligari.


Opinião da jovenzinha:

Bem, adoro filmes de terror e este, com toda a certeza, é um dos meus favoritos.
“Ah, mas por quê? Ele é velho, sem graça e sem ‘defeitos especiais’!”
Pois aí que nos enganamos.
Considerando exatamente o fato de que, naquela época, não havia os artifícios que possuímos hoje em dia, as películas era muito mais cruas, por assim dizer; eram puras em essência, de forma que eles precisavam, de alguma forma, encontrar uma maneira de caracterizar os filmes de terror/suspense.
Sem efeitos especiais, sem tecnologia, lançava-se mão não do terror visual, mas do terror psicológico. E esse, queridos, é muito pior do que uma simples imagem.
O terror psicológico de fato vive em nós. Uma imagem pode facilmente ser apagada e ignorada por sabermos que não é pura, não é real. Agora, algo produzido sem nada, que, de algum modo, se relaciona ao nosso dia a dia, ao ser humano, é completamente diferente. Essa é uma das grandes sacadas desse filme.
O gabinete do Dr. Caligari evidencia bastante o expressionismo alemão, com as casas tortas, desconfortáveis, móveis disformes da época, assim como a imagem dos personagens. Esses, por sua vez, são, aos meus olhos, bastante assustadores. A fisionomia, a maquiagem, a forma como se expressam, é algo extremamente cativante e perturbador. São exagerados e têm uma demonstração corporal intensa, já que, naquela época, o cinema era mudo [sim, o filme é mudo].
É evidente que não serão todos a compartilhar da minha opinião, mas o terror deve ser sentido e não apenas assistido.
Particularmente, considero um filme brilhante. O final da película é imprevisto, assim como da grande parte dos filmes antigos de terror. Realmente não se espera e deixa uma grande dúvida no ar: era ou não era...?
Aí, queridos, é critério de vocês...

Cesare

Comentários

  1. Hahahahaha eu adoro filmes antigos e amei sua dica, eu só preciso saber como encontrar esse bendito agora. A curiosidade bateu forte e cara... essa foto tá show! Hahahahaha

    ResponderExcluir
  2. Boa coluna, já espero bons posts vindo por ai.
    Meu pai adora assistir filmes 'clássicos', não se pode dizer que o filme é velho perto dele.
    De vez em quando eu me sento e assisto com ele. Alguns eu acho chato mas outros são ate bons.

    ResponderExcluir
  3. BOA DICA! Mas como eu sou uma pessoa desprovida de cultura kkkk,jamais conseguiria ver um filme desses.Mas é bem interessante a produção dos filmes mais antigos,ja que não tinha tanta tecnologia.É hoje,tem alguns filmes que ja tão exagerando fica até chato,ver um troço com tanta mentira.

    ResponderExcluir
  4. Eu não conheço esse filme, acho bem interessante como eles faziam filme antigamente, mas não tenho animo para assistir.

    ResponderExcluir
  5. Boa coluna!
    Eu não sou muito de ver filmes antigos. Pensando bem eu acho que nunca vi um filme mudo. Quem sabe futuramente eu assista esse filme.

    ResponderExcluir
  6. Tinha que ser terror, ridhycula?! hahaha =P

    ResponderExcluir
  7. Terror ??? Não obrigada !!! kkkkkkkkkkkk Quem sabe um dia eu consiga ler né ??? :/

    ResponderExcluir
  8. Não gosto muito de filmes antigos, muito menos aqueles que fazem alguma relação com o terror. Lendo a opinião da jovenzinha, me deparei com uma reflexão, a dificuldade para os diretores e atores da época para representarem uma expressão aterrorizante, sem as tecnologias disponíveis atualmente, com certeza foi preciso bastante da forma como se expressam.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

:: Resenha 181 :: "After 5 - Depois da Promessa", Anna Todd

Sinopse: Bem quando Hardin acreditava já ter enfrentado todos os fantasmas de seu passado, um terrível segredo sobre seus pais é revelado, despertando os seus piores demônios internos. Tessa sabe que só ela tem o poder de aliviar todos os sentimentos de raiva, traição e confusão que afligem seu amado badboy. Só ela sabe como salvá-lo de seu ciclo autodestrutivo. Mas dessa vez ela não pode. Porque, quando menos espera, sua vida é para sempre alterada por uma tragédia. Hardin e Tessa prometem lutar com todas as suas forças para que o destino não os separe para sempre. Mas o que acontecerá quando suas forças chegarem ao fim? Depois da promessa... qual será o desfecho dessa história? G ente... *pausa dramática*... Eu sobrevivi à série After ... "É isso aí, garota!!!" (Crika e Mari, do Grupo de Apoio After, representadas pelas lindas Meryl Streep e J.Lo)

:: Resenha 153 :: “After 3 – Depois do Desencontro”, Anna Todd

O k, vai ter spoiler sim e se reclamar vai ter mais! Brincadeeeeeeiraa!!! =P É que assim, vamos combinar? Resenha do terceiro livro onde acontece coisa pra diabo, não tem como, vai rolar uns spoilerszinhos de leve, então fique avisado, certo? Se quiser seguir, siga, se não quiser, comenta assim mesmo hahahaha. Bom, parece que todo livro dessa mulher termina com uma bomba. O segundo terminou com a Tessa guardando um segredinho básico do Hardin, lembra que eu até comentei na resenha ? Então, além disso, terminou com ela dando de cara com o pai e é assim que este terceiro livro começa. Confesso que antes de começar, ao ler a contracapa que diz... Sinopse: Tessa passa pelo momento mais difícil de sua vida. Enquanto luta para crescer na carreira com a qual sempre sonhou, seu mundo é virado de ponta-cabeça: a inesperada aparição de seu pai e uma traição imperdoável a deixam mais fragilizada do que nunca. Hardin — com seus beijos viciantes, seu toque incendiário e seu ch

:: Resenha 168 :: “After 4 – Depois da esperança”, Anna Todd

Sinopse: Depois de tantos obstáculos, Tessa e Hardin estão, enfim, mais maduros como casal. As dificuldades causadas pelo gênio forte dele e pela impulsividade dela ainda existem, mas eles já não conseguem negar o amor que sentem um pelo outro. Mesmo morando em cidades diferentes, estão mais apaixonados do que nunca. Se a química entre os dois já era explosiva antes, agora que eles se entregaram de vez a essa paixão, cada encontro será mais ardente do que o anterior. Mas uma cruel reviravolta do destino trará à tona todos os fantasmas do passado de Hardin. Depois da esperança, haverá forças para enfrentar mais dificuldades? Q uem acompanha as minhas resenhas de After, sabe que eu sofro lendo esses livros, sabe que surto querendo jogar ele na parede ou que eu morro de vontade de entrar no livro pra socar o Hardin. Nesse quarto livro, por incrível que pareça isso foi bem sutil, não que eu não tenha sentido vontade, mas foi bem mais tranquilo e eu confesso, no final eu cheguei