Pular para o conteúdo principal

:: Resenha 490 :: “Sexo sem amor?”, Vi Keeland



Sinopse: De Vi Keeland, autora best-seller do The New York Times, mais uma história irreverente, sexy e emocionante que vai aquecer ainda mais os seus desejos…
Hunter e Nat se conheceram em uma festa de casamento – ele entre os convidados do noivo, e ela, da noiva. A atração era intensa e mútua, mas Nat, depois de seu último e desastroso relacionamento, havia prometido não mais se interessar por homens charmosos, convencidos e lindos de morrer.
Até que, certa noite, Hunter aparece na casa da mãe dela durante uma reunião familiar. Ele iria trabalhar durante oito semanas na cidade em que Natalia morava e, então, propôs que passassem esse período transando até não poder mais.
Oito semanas de sexo maravilhoso sem compromisso? O que ela teria a perder?
“Nada”, pensou. “É só sexo, não amor.”
Mas será que isso vai dar certo?





Fala aí, pessoal. Hoje eu vou falar deste livro aí, que ganhei de cortesia da editora Universo dos Livros e simplesmente amei! Saca aquele livro delicinha de ler, que você se apaixona pelo carinha e não quer que o livro acabe? Então, é esse!

“- Quanto mais negamos a verdade, mais poder ela passa a exercer sobre nós.”

Em Sexo sem amor?, Vi Keeland vai nos apresentar duas amigas, Nat e Anna. Anna está prestes a se casar e é no jantar pré-casamento, quando as duas amigas estão fumando unzinho pra relaxar, que nós conhecemos Hunter, amigo do futuro marido de Anna e padrinho dos noivos.

Natália é uma mulher incrível. Divorciada, ela trabalha como terapeuta comportamental e ainda cria a enteada adolescente, depois que o ex marido e pai da menina foi preso por roubo num esquema de investimentos em pirâmide. Hunter é um arquiteto boca suja, super charmoso, convencido e pra lá de insistente, mas sua insistência imediata com Nat, de que, sim, ela não resistiria aos encantos dele e os dois se pegariam, é até divertida. E o bacana dele é que mesmo sendo insistente, ele tem noção de suas investidas e não passava dos limites. Não era aquele cara chato e inconveniente. Eu no lugar da Nat já tinha liberado logo de cara huahauhaua. Sério, me apaixonei por Hunter, gente!

“Os olhos dele eram de um azul-claro que se destacava no rosto moreno e algumas ruguinhas marcavam a pele ao redor dos olhos, o que me fez pensar que ele devia sorrir com frequência. E que sorriso. Não era bem um sorriso completo - era mais como um sorrisinho dissimulado, de gato que acabou de engolir o passarinho.”

Mas, Hunter não é só um rostinho bonito com sorriso safado e um corpinho gostoso. Ele é um cara super legal, atencioso, carinhoso e que possui alguns fantasmas em seu passado que o atormentam até hoje. A coisa entre os dois não acontece rápido, mas também quando acontece, meus amigos e minhas amigas... que delícia! hahahaha

“O gosto de vinho na língua dele foi suficiente para que eu me sentisse bêbada como se tivesse bebido a garrafa inteira. Minha cabeça ficou zonza e meu corpo latejou, e eu queria trepar naquele homem como se ele fosse uma árvore.”

Intenso e apaixonante, é aquela receitinha de bolo que a gente já conhece e adora, a parada é tão boa que mexe, que a gente vê que não tem saída, mesmo negando, mesmo dizendo que vai ser só sexo e nada mais. No fim, fica aquela falta do outro e ninguém sabe como seguir a vida depois do que aconteceu.

Ai, gente! Sério, eu amei esse livro! Amei a força da Nat, o cuidado dela com a enteada, aliás, Izzy tem um papel fundamental e da a letra para o cabeça dura do Hunter. E claro, amei Hunter com força!

“- Prefiro viver a vida olhando para a frente, não para trás. Se olhar demais pelo espelho retrovisor, você pode acabar perdendo o que está bem na sua frente.”

“- É difícil superar um erro quando não sabemos como identificá-lo.”

Como comentei antes, é aquela receitinha de bolo, aquele clichê que a gente já viu uma coisinha aqui e ali em outros livros, mas é tão quentinho e delicioso que a gente só quer mais! Sexo sem amor? é leve, gostoso, divertido, mas também tem aquelas mensagens bacanas que nos fazem refletir, que fazem a gente se colocar no lugar da personagem pra entender o porquê de muitas coisas e o que faríamos se fosse com a gente. Leiam e se apaixonem também!

“- Às vezes a autoconfiança é uma máscara para que as pessoas não vejam as suas inseguranças.”

“... na vida, o mais importante não é vencer - é aquela pessoa para quem você liga para contar que venceu.”

“Porque embora a verdade possa doer, a dor passa mais rápido. São as mentiras e as dúvidas que fazem a gente sofrer por muito tempo.”

Título: Sexo sem amor?
Autora: Vi Keeland
ISBN-13: 9788550303987
ISBN-10: 8550303984
Ano: 2019
Páginas: 416
Compre aqui: Amazon
Classificação:



Sobre a autora:


Vi Keeland é um​a​ nova-iorquin​a, ​mãe de três filhos, que ocupam a maior parte​ do seu tempo livre, o que ela reclama muitas vezes, mas não ​trocaria por nada nesse mundo.
Ela é um​a​ leito​ra ávid​a e ​é conhecida ​por ler ​em​ seu Kindle ​ao parar ​em semáforos, ​salões de beleza, ​enquanto limpa a casa ou durante suas caminhadas, ​em​ eventos esportivos e, freqüentemente, enquanto finge trabalhar.
​Ela é um​a​ advogad​a​ chat​a ​de dia e uma emocionante ​autora Best-Seller do ​New York Times e ​USA Today à noite.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

:: Resenha 181 :: "After 5 - Depois da Promessa", Anna Todd

Sinopse: Bem quando Hardin acreditava já ter enfrentado todos os fantasmas de seu passado, um terrível segredo sobre seus pais é revelado, despertando os seus piores demônios internos. Tessa sabe que só ela tem o poder de aliviar todos os sentimentos de raiva, traição e confusão que afligem seu amado badboy. Só ela sabe como salvá-lo de seu ciclo autodestrutivo. Mas dessa vez ela não pode. Porque, quando menos espera, sua vida é para sempre alterada por uma tragédia. Hardin e Tessa prometem lutar com todas as suas forças para que o destino não os separe para sempre. Mas o que acontecerá quando suas forças chegarem ao fim? Depois da promessa... qual será o desfecho dessa história? G ente... *pausa dramática*... Eu sobrevivi à série After ... "É isso aí, garota!!!" (Crika e Mari, do Grupo de Apoio After, representadas pelas lindas Meryl Streep e J.Lo)

:: Resenha 153 :: “After 3 – Depois do Desencontro”, Anna Todd

O k, vai ter spoiler sim e se reclamar vai ter mais! Brincadeeeeeeiraa!!! =P É que assim, vamos combinar? Resenha do terceiro livro onde acontece coisa pra diabo, não tem como, vai rolar uns spoilerszinhos de leve, então fique avisado, certo? Se quiser seguir, siga, se não quiser, comenta assim mesmo hahahaha. Bom, parece que todo livro dessa mulher termina com uma bomba. O segundo terminou com a Tessa guardando um segredinho básico do Hardin, lembra que eu até comentei na resenha ? Então, além disso, terminou com ela dando de cara com o pai e é assim que este terceiro livro começa. Confesso que antes de começar, ao ler a contracapa que diz... Sinopse: Tessa passa pelo momento mais difícil de sua vida. Enquanto luta para crescer na carreira com a qual sempre sonhou, seu mundo é virado de ponta-cabeça: a inesperada aparição de seu pai e uma traição imperdoável a deixam mais fragilizada do que nunca. Hardin — com seus beijos viciantes, seu toque incendiário e seu ch

:: Resenha 168 :: “After 4 – Depois da esperança”, Anna Todd

Sinopse: Depois de tantos obstáculos, Tessa e Hardin estão, enfim, mais maduros como casal. As dificuldades causadas pelo gênio forte dele e pela impulsividade dela ainda existem, mas eles já não conseguem negar o amor que sentem um pelo outro. Mesmo morando em cidades diferentes, estão mais apaixonados do que nunca. Se a química entre os dois já era explosiva antes, agora que eles se entregaram de vez a essa paixão, cada encontro será mais ardente do que o anterior. Mas uma cruel reviravolta do destino trará à tona todos os fantasmas do passado de Hardin. Depois da esperança, haverá forças para enfrentar mais dificuldades? Q uem acompanha as minhas resenhas de After, sabe que eu sofro lendo esses livros, sabe que surto querendo jogar ele na parede ou que eu morro de vontade de entrar no livro pra socar o Hardin. Nesse quarto livro, por incrível que pareça isso foi bem sutil, não que eu não tenha sentido vontade, mas foi bem mais tranquilo e eu confesso, no final eu cheguei